Ceará já teve 7 chacinas em 2018; Veja como andam cada uma das investigações

UMA CHACINA POR MÊS

Ceará já teve 7 chacinas em 2018; Veja como andam cada uma das investigações

As chacinas causaram a morte de 47 pessoas no Estado. Ao todo, 32 pessoas foram presas por participação direta ou indireta nos massacres.

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

18 de julho de 2018 às 07:15

Há 1 mês
Chacina das Cajazeiras

A chacina das Cajazeiras foi considerada a maior do Estado (Foto: Agência Brasil)

O ano de 2018 está sendo atípico em decorrência do cenário de violência vivenciado no Estado. De janeiro a julho, sete chacinas foram registradas, resultando na morte de 47 pessoas. Até o momento, 32 pessoas foram indiciadas por participação ou comandar o crime.

De todas as ocorrências, a de maior repercussão foi a chacina de Cajazeiras, em Fortaleza, em que 14 pessoas foram assassinadas em uma casa de show.

Somente no último fim de semana, nove pessoas morreram em decorrência de duas chacinas: uma no município de Palmácia (78 km de Fortaleza) e outra na zona rural de Quiterianópolis (a 400 km de Fortaleza).

Na mesma semana, o líder da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE), Auricélio Sousa Freitas, foi preso com documentação falsa e conduzindo um veículo blindado em bairro nobre de Fortaleza. O homem é acusado de ser um dos mandantes da chacina de Cajazeiras.

Relembre os casos!

Chacina de Maranguape – 7 de janeiro 

O crime aconteceu na comunidade de Serra Pelada, no município de Maranguape. Quatro corpos foram encontrados dentro de uma residência. As vítimas foram assassinados à bala: três homens mortos na sala e em um quarto. Segundo informações da Polícia Militar, na época, o crime pode estar relacionado por controle da região entre facções criminosas.

No mês da ocorrência, a Polícia Civil prendeu seis pessoas por serem suspeitas de envolvimento na chacina. Cinco são adultos, enquanto um é adolescente.

Chacina das Cajazeiras – 27 de janeiro

O maior massacre da história do Ceará: foi assim que a chacina das Cajazeiras ficou conhecida. Ao todo, 14 pessoas foram mortas dentro da casa de shows, o Forró do Gago, no bairro Cajazeiras, em Fortaleza. A matança aconteceu na madrugada do dia 27 de janeiro. De acordo com o inquérito policial, mais de 100 tiros foram disparados no local. A matança foi planejada pela facção Guardiões do Estado (GDE) e teve como mentor Deijair de Souza Silva, mais conhecido como o De Deus.

Segundo apuração da TV Jangadeiro/SBT, na noite do dia 26 de janeiro, a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (CIOPS) recebeu pelo menos quatro ligações no intervalo de cinco minutos. Os moradores denunciavam a presença de homens armados no Conjunto Palmeiras. Os criminosos vestiam roupas pretas e faziam gritos em referências à facção.

Ao todo, 11 pessoas foram presas por participação na chacina das Cajazeiras. Desse total, dois mandantes estão detidos: Misael de Paula Moreira, conhecido como “Maguim”, e Auricélio Sousa Freitas, conhecido como “Maguim”. O último é apontado como líder da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE) e foi abordado pela polícia na avenida Desembargador Moreira, no bairro Dionísio Torres. Já Misael de Paula Moreira foi detido no bairro Parangaba quando estava conduzindo um veículo modelo Jeta, de cor preta, na rua Eduardo Perdigão.

Chacina de Itapajé – 29 de janeiro

Dois dias depois da maior chacina do Ceará, outro massacre foi registrado. Desta vez, dentro da cadeia pública do município de Itapajé, a 118 km de Fortaleza. Um conflito entre facções criminosas resultou na morte de 10 detentos e deixou seis feridos. O crime aconteceu por volta das 8h. As vítimas foram assassinadas com armas brancas e armas de fogo. Ao todo, sete internos foram indiciados pelo crime.

Chacina do Benfica

A chacina resultou na morte de 7 pessoas (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Chacina do Benfica – 10 de março 

Em um dos bairros mais tradicionais de Fortaleza, sete pessoas foram assassinadas em três locais distintos do bairro. Segundo a Polícia, a sequência das mortes iniciou na rua Joaquim Magalhães, onde uma pessoa foi assassinada a tiros. Logo depois, os criminosos seguiram pela via e, na Vila Demétrio, outros dois jovens também foram baleados.

Já na Praça da Gentilândia, principal ponto de encontro dos universitários, quatro pessoas foram atingidas. Três morreram no local e a quarta vítima veio à óbito a caminho do hospital.

Até o momento, três pessoas foram presas por participar das execuções. Um dos suspeitos foi preso no bairro Meireles. Segundo nota da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a equipe da DHPP chegou à localização de um veículo Fiat Punto, identificado em imagens de câmeras localizadas próxima à sede da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF).

Chacina de Quixeramobim – 28 de junho

No Sertão Central do Estado, três mulheres e um homem foram assassinados em chacina no município de Quixeramobim. As vítimas foram mortas em um acampamento, situado no bairro Conjunto Esperança, quando homens chegaram em um veículo e efetuaram vários disparos.

Um suspeito pelo crime foi preso durante força-tarefa pela Polícia Civil. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), investigações foram aprofundadas a fim de encontrar o local dos outros suspeitos que já foram identificados pela ação criminosa.

Chacina em Palmácia – 13 de julho
Cinco homens foram assassinados por disparos com armas de fogo na manhã desta última sexta-feira (13), no município de Palmácia, a 72 km de Fortaleza. Das cinco vítimas, quatro foram encontradas amarradas e com perfurações à bala. A quinta tentou fugir, mas foi atingida também pelos disparos.
Segundo a SSPDS, os homens foram arrastadas por 300 metros até as margens de uma via, local em que foram torturados e assassinados com disparos de arma de fogo. O filho de uma das vítimas tentou impedir o crime, mas também foi assassinado.
Até o momento, quatro pessoas foram presas por participação direta ou indireta do crime. Quatro pessoas foram presas por participar do massacre.
Chacina de Quiterianópolis – 14 de julho
Quatro pessoas da mesma família foram assassinadas na zona rural no município de Quiterianópolis, no sertão central do Estado. A família estava em um curral da fazenda quando foram abordados pelos criminosos. Uma mulher foi encaminhada com vida para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Segundo nota da SSPDS, os homens armados invadiram o local e arrastaram as vítimas até uma estrada onde realizaram vários disparos. Até o momento, ninguém foi preso.
Publicidade

Dê sua opinião

UMA CHACINA POR MÊS

Ceará já teve 7 chacinas em 2018; Veja como andam cada uma das investigações

As chacinas causaram a morte de 47 pessoas no Estado. Ao todo, 32 pessoas foram presas por participação direta ou indireta nos massacres.

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

18 de julho de 2018 às 07:15

Há 1 mês
Chacina das Cajazeiras

A chacina das Cajazeiras foi considerada a maior do Estado (Foto: Agência Brasil)

O ano de 2018 está sendo atípico em decorrência do cenário de violência vivenciado no Estado. De janeiro a julho, sete chacinas foram registradas, resultando na morte de 47 pessoas. Até o momento, 32 pessoas foram indiciadas por participação ou comandar o crime.

De todas as ocorrências, a de maior repercussão foi a chacina de Cajazeiras, em Fortaleza, em que 14 pessoas foram assassinadas em uma casa de show.

Somente no último fim de semana, nove pessoas morreram em decorrência de duas chacinas: uma no município de Palmácia (78 km de Fortaleza) e outra na zona rural de Quiterianópolis (a 400 km de Fortaleza).

Na mesma semana, o líder da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE), Auricélio Sousa Freitas, foi preso com documentação falsa e conduzindo um veículo blindado em bairro nobre de Fortaleza. O homem é acusado de ser um dos mandantes da chacina de Cajazeiras.

Relembre os casos!

Chacina de Maranguape – 7 de janeiro 

O crime aconteceu na comunidade de Serra Pelada, no município de Maranguape. Quatro corpos foram encontrados dentro de uma residência. As vítimas foram assassinados à bala: três homens mortos na sala e em um quarto. Segundo informações da Polícia Militar, na época, o crime pode estar relacionado por controle da região entre facções criminosas.

No mês da ocorrência, a Polícia Civil prendeu seis pessoas por serem suspeitas de envolvimento na chacina. Cinco são adultos, enquanto um é adolescente.

Chacina das Cajazeiras – 27 de janeiro

O maior massacre da história do Ceará: foi assim que a chacina das Cajazeiras ficou conhecida. Ao todo, 14 pessoas foram mortas dentro da casa de shows, o Forró do Gago, no bairro Cajazeiras, em Fortaleza. A matança aconteceu na madrugada do dia 27 de janeiro. De acordo com o inquérito policial, mais de 100 tiros foram disparados no local. A matança foi planejada pela facção Guardiões do Estado (GDE) e teve como mentor Deijair de Souza Silva, mais conhecido como o De Deus.

Segundo apuração da TV Jangadeiro/SBT, na noite do dia 26 de janeiro, a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (CIOPS) recebeu pelo menos quatro ligações no intervalo de cinco minutos. Os moradores denunciavam a presença de homens armados no Conjunto Palmeiras. Os criminosos vestiam roupas pretas e faziam gritos em referências à facção.

Ao todo, 11 pessoas foram presas por participação na chacina das Cajazeiras. Desse total, dois mandantes estão detidos: Misael de Paula Moreira, conhecido como “Maguim”, e Auricélio Sousa Freitas, conhecido como “Maguim”. O último é apontado como líder da facção criminosa Guardiões do Estado (GDE) e foi abordado pela polícia na avenida Desembargador Moreira, no bairro Dionísio Torres. Já Misael de Paula Moreira foi detido no bairro Parangaba quando estava conduzindo um veículo modelo Jeta, de cor preta, na rua Eduardo Perdigão.

Chacina de Itapajé – 29 de janeiro

Dois dias depois da maior chacina do Ceará, outro massacre foi registrado. Desta vez, dentro da cadeia pública do município de Itapajé, a 118 km de Fortaleza. Um conflito entre facções criminosas resultou na morte de 10 detentos e deixou seis feridos. O crime aconteceu por volta das 8h. As vítimas foram assassinadas com armas brancas e armas de fogo. Ao todo, sete internos foram indiciados pelo crime.

Chacina do Benfica

A chacina resultou na morte de 7 pessoas (Foto: Reprodução/WhatsApp)

Chacina do Benfica – 10 de março 

Em um dos bairros mais tradicionais de Fortaleza, sete pessoas foram assassinadas em três locais distintos do bairro. Segundo a Polícia, a sequência das mortes iniciou na rua Joaquim Magalhães, onde uma pessoa foi assassinada a tiros. Logo depois, os criminosos seguiram pela via e, na Vila Demétrio, outros dois jovens também foram baleados.

Já na Praça da Gentilândia, principal ponto de encontro dos universitários, quatro pessoas foram atingidas. Três morreram no local e a quarta vítima veio à óbito a caminho do hospital.

Até o momento, três pessoas foram presas por participar das execuções. Um dos suspeitos foi preso no bairro Meireles. Segundo nota da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a equipe da DHPP chegou à localização de um veículo Fiat Punto, identificado em imagens de câmeras localizadas próxima à sede da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF).

Chacina de Quixeramobim – 28 de junho

No Sertão Central do Estado, três mulheres e um homem foram assassinados em chacina no município de Quixeramobim. As vítimas foram mortas em um acampamento, situado no bairro Conjunto Esperança, quando homens chegaram em um veículo e efetuaram vários disparos.

Um suspeito pelo crime foi preso durante força-tarefa pela Polícia Civil. Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), investigações foram aprofundadas a fim de encontrar o local dos outros suspeitos que já foram identificados pela ação criminosa.

Chacina em Palmácia – 13 de julho
Cinco homens foram assassinados por disparos com armas de fogo na manhã desta última sexta-feira (13), no município de Palmácia, a 72 km de Fortaleza. Das cinco vítimas, quatro foram encontradas amarradas e com perfurações à bala. A quinta tentou fugir, mas foi atingida também pelos disparos.
Segundo a SSPDS, os homens foram arrastadas por 300 metros até as margens de uma via, local em que foram torturados e assassinados com disparos de arma de fogo. O filho de uma das vítimas tentou impedir o crime, mas também foi assassinado.
Até o momento, quatro pessoas foram presas por participação direta ou indireta do crime. Quatro pessoas foram presas por participar do massacre.
Chacina de Quiterianópolis – 14 de julho
Quatro pessoas da mesma família foram assassinadas na zona rural no município de Quiterianópolis, no sertão central do Estado. A família estava em um curral da fazenda quando foram abordados pelos criminosos. Uma mulher foi encaminhada com vida para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. Segundo nota da SSPDS, os homens armados invadiram o local e arrastaram as vítimas até uma estrada onde realizaram vários disparos. Até o momento, ninguém foi preso.