Ceará é o estado brasileiro que mais mata adolescentes de 12 a 18 anos no Brasil
CENÁRIO ALARMANTE

Ceará é o estado brasileiro que mais mata adolescentes de 12 a 18 anos no Brasil

A taxa de homicídio de adolescentes no Estado é de 8,71 mortes por mil jovens assassinatos. Quase cinco pontos a mais do que a média do Brasil que é de 3,65

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

11 de outubro de 2017 às 10:36

Há 6 dias

Os adolescentes negros são a maioria dos homicídios (FOTO: Arquivo/Dorian Girão/TV Jangadeiro)

Um estudo, coordenado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), indicou que o Ceará é o estado brasileiro que mais mata adolescentes no Brasil. O Índice de Homicídios na Adolescência (IHA) é de 8,71 adolescentes de 12 a 18 anos assassinados a cada mil jovens.

A marca é cinco pontos a mais do que a média nacional que corresponde a 3,65 morte por mil habitantes. O levantamento colheu dados de 300 municípios brasileiros com população igual ou superior a 100 mil habitantes.

“Este valor é alarmante quando consideramos que o resultado ideal deste índice para uma sociedade pouco violenta seria um valor abaixo de 1”, diz a pesquisa.

Logo depois do Ceará, Alagoas é o segundo estado que mais mata jovens com um IHA de 8,18 mortes por mil habitantes. Em terceira, está o Espírito Santo com 7,79/mil jovens. São Paulo, Roraima e Santa Catarina são os estados que menos matam adolescentes com índices de 1,57; 1,40 e 0,93 respectivamente.

A situação se torna mais crítica para os adolescentes que moram na capital cearense. Segundo o levantamento, Fortaleza ficou em primeiro lugar no raking das capitais com os maiores índices de IHA com 10,94. Já segundo os municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, a maior cidade do Ceará fica em terceiro lugar.

A maioria dos adolescentes vítimas dos homicídios é negra ou parda. O levantamento mostra que o risco de jovem negro ser assassinado é quase três vezes superior ao dos adolescentes brancos. Além disso, as chances de um jovem ser assassinado por arma de fogo é de seis vezes maior do que por outros meios.

O levantamento foi realizado a partir dos dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde de 2014. A Unicef contou com a parceria do Ministério dos Direitos Humanos do Brasil, Observatório de Favelas e o Laboratório de Análise da Violência, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Publicidade

Dê sua opinião

CENÁRIO ALARMANTE

Ceará é o estado brasileiro que mais mata adolescentes de 12 a 18 anos no Brasil

A taxa de homicídio de adolescentes no Estado é de 8,71 mortes por mil jovens assassinatos. Quase cinco pontos a mais do que a média do Brasil que é de 3,65

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

11 de outubro de 2017 às 10:36

Há 6 dias

Os adolescentes negros são a maioria dos homicídios (FOTO: Arquivo/Dorian Girão/TV Jangadeiro)

Um estudo, coordenado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), indicou que o Ceará é o estado brasileiro que mais mata adolescentes no Brasil. O Índice de Homicídios na Adolescência (IHA) é de 8,71 adolescentes de 12 a 18 anos assassinados a cada mil jovens.

A marca é cinco pontos a mais do que a média nacional que corresponde a 3,65 morte por mil habitantes. O levantamento colheu dados de 300 municípios brasileiros com população igual ou superior a 100 mil habitantes.

“Este valor é alarmante quando consideramos que o resultado ideal deste índice para uma sociedade pouco violenta seria um valor abaixo de 1”, diz a pesquisa.

Logo depois do Ceará, Alagoas é o segundo estado que mais mata jovens com um IHA de 8,18 mortes por mil habitantes. Em terceira, está o Espírito Santo com 7,79/mil jovens. São Paulo, Roraima e Santa Catarina são os estados que menos matam adolescentes com índices de 1,57; 1,40 e 0,93 respectivamente.

A situação se torna mais crítica para os adolescentes que moram na capital cearense. Segundo o levantamento, Fortaleza ficou em primeiro lugar no raking das capitais com os maiores índices de IHA com 10,94. Já segundo os municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes, a maior cidade do Ceará fica em terceiro lugar.

A maioria dos adolescentes vítimas dos homicídios é negra ou parda. O levantamento mostra que o risco de jovem negro ser assassinado é quase três vezes superior ao dos adolescentes brancos. Além disso, as chances de um jovem ser assassinado por arma de fogo é de seis vezes maior do que por outros meios.

O levantamento foi realizado a partir dos dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde de 2014. A Unicef contou com a parceria do Ministério dos Direitos Humanos do Brasil, Observatório de Favelas e o Laboratório de Análise da Violência, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).