Baterista da TUF morre ao ser baleado nas costas antes do Clássico-Rei


Baterista da TUF morre ao ser baleado nas costas antes do Clássico-Rei

Jullian de Sousa foi baleado durante briga de torcidas no Bairro Bom Jardim. Segundo seu irmão, o tiro partiu de policial. A SSPDS nega

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

14 de março de 2016 às 09:07

Há 3 anos
Jullian foi morto com um tiro nas costas antes do clássico entre Fortaleza e Ceará (FOTO: Reprodução Facebook)

Jullian foi morto com um tiro nas costas antes do clássico entre Fortaleza e Ceará (FOTO: Reprodução Facebook)

Um torcedor, membro da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), foi morto durante um confronto entre torcidas organizadas do Fortaleza e do Ceará na tarde deste domingo (13), no Bairro Siqueira, em Fortaleza. Jullian de Sousa Cavalcante, de 21 anos, foi baleado nas costas durante a confusão antes do Clássico-Rei, realizado no Castelão.

Irmão acusa polícia

Segundo o irmão do torcedor, Júlio de Sousa Cavalcante,  testemunhas informaram que o disparo que atingiu Jullian teria sido efetuado por um policial militar que estava de serviço e tentava conter os confrontos. Entretanto, ele não presenciou o momento.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) nega a participação da polícia na morte do torcedor, uma vez que os policiais militares são orientados a “não utilizarem armas letais na dispersão de grupos”. Ainda segundo a nota, uma investigação deve ser realizada para determinar de onde saiu o disparo que matou o torcedor.

De acordo com a Polícia Militar, o conflito entre as torcidas organizadas teve início ainda no Bairro Bom Jardim e
se estendeu até parte da Avenida Osório de Paiva.

Após ser atingido, o jovem foi encaminhado ao Hospital Distrital Maria José Barroso de Oliveira (Frotinha da Parangaba), mas não resistiu. Em comunicado oficial por meio do Facebook, membros da TUF lamentaram o ocorrido e decretaram luto.

Luto na TUF

“Hoje não vencemos, pois seja qual tenha sido o resultado nada se compara a sua perda. Oficialmente decretamos luto. Julian conhecido carinhosamente como Sobralzinho, que Deus te receba de braços abertos. Nunca iremos te esquecer!”, afirma o comunicado. Segundo comentários na própria página da torcida organizada, Jullian era baterista da TUF.

No mesmo confronto deste domingo, antes do clássico, pelo menos dois policiais ficaram feridos. Eles foram atingidos por rojões atirados por torcedores, no Bairro Bom Jardim. Conforme o coronel da Polícia Militar F. Souto, um policial ficou com ferimentos no abdômen e na perna, sendo encaminhado para o Instituto Doutor José Frota (IJF). O outro sofreu ferimentos leves no braço. Em nota, a SSPDS informou que um dos policiais já está em casa e outro policial deve passar por um procedimento cirúrgico ainda nesta segunda-feira (14).

Além deles, pelo menos 10 torcedores foram atendidos por ferimentos em confrontos entre grupos de Ceará e Fortaleza. O Juizado do Torcedor registrou 13 ocorrências policiais, seis Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) e seis Boletins de Ocorrência também foram efetuados.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15797673″]

Publicidade

Dê sua opinião

Baterista da TUF morre ao ser baleado nas costas antes do Clássico-Rei

Jullian de Sousa foi baleado durante briga de torcidas no Bairro Bom Jardim. Segundo seu irmão, o tiro partiu de policial. A SSPDS nega

Por Matheus Ribeiro em Segurança Pública

14 de março de 2016 às 09:07

Há 3 anos
Jullian foi morto com um tiro nas costas antes do clássico entre Fortaleza e Ceará (FOTO: Reprodução Facebook)

Jullian foi morto com um tiro nas costas antes do clássico entre Fortaleza e Ceará (FOTO: Reprodução Facebook)

Um torcedor, membro da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), foi morto durante um confronto entre torcidas organizadas do Fortaleza e do Ceará na tarde deste domingo (13), no Bairro Siqueira, em Fortaleza. Jullian de Sousa Cavalcante, de 21 anos, foi baleado nas costas durante a confusão antes do Clássico-Rei, realizado no Castelão.

Irmão acusa polícia

Segundo o irmão do torcedor, Júlio de Sousa Cavalcante,  testemunhas informaram que o disparo que atingiu Jullian teria sido efetuado por um policial militar que estava de serviço e tentava conter os confrontos. Entretanto, ele não presenciou o momento.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) nega a participação da polícia na morte do torcedor, uma vez que os policiais militares são orientados a “não utilizarem armas letais na dispersão de grupos”. Ainda segundo a nota, uma investigação deve ser realizada para determinar de onde saiu o disparo que matou o torcedor.

De acordo com a Polícia Militar, o conflito entre as torcidas organizadas teve início ainda no Bairro Bom Jardim e
se estendeu até parte da Avenida Osório de Paiva.

Após ser atingido, o jovem foi encaminhado ao Hospital Distrital Maria José Barroso de Oliveira (Frotinha da Parangaba), mas não resistiu. Em comunicado oficial por meio do Facebook, membros da TUF lamentaram o ocorrido e decretaram luto.

Luto na TUF

“Hoje não vencemos, pois seja qual tenha sido o resultado nada se compara a sua perda. Oficialmente decretamos luto. Julian conhecido carinhosamente como Sobralzinho, que Deus te receba de braços abertos. Nunca iremos te esquecer!”, afirma o comunicado. Segundo comentários na própria página da torcida organizada, Jullian era baterista da TUF.

No mesmo confronto deste domingo, antes do clássico, pelo menos dois policiais ficaram feridos. Eles foram atingidos por rojões atirados por torcedores, no Bairro Bom Jardim. Conforme o coronel da Polícia Militar F. Souto, um policial ficou com ferimentos no abdômen e na perna, sendo encaminhado para o Instituto Doutor José Frota (IJF). O outro sofreu ferimentos leves no braço. Em nota, a SSPDS informou que um dos policiais já está em casa e outro policial deve passar por um procedimento cirúrgico ainda nesta segunda-feira (14).

Além deles, pelo menos 10 torcedores foram atendidos por ferimentos em confrontos entre grupos de Ceará e Fortaleza. O Juizado do Torcedor registrou 13 ocorrências policiais, seis Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCOs) e seis Boletins de Ocorrência também foram efetuados.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15797673″]