Agentes de segurança terão app com "botão do pânico" para acionar reforços em emergências

ARMADOS PRA GUERRA

Agentes de segurança terão app com “botão do pânico” para acionar reforços em emergências

O secretário de Segurança anunciou a compra de 125 fuzis norte-americanos, 6,5 mil pistolas e 120 espingardas

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

23 de setembro de 2017 às 07:00

Há 2 meses
O anúncio foi feito em coletiva (FOTO: Reprodução/Facebook)

André Costa elencou medidas tomadas pela pasta para o combate da violência (FOTO: Reprodução/Facebook)

Os agentes das forças de segurança cearenses terão à disposição um aplicativo com um “botão de pânico”, que aciona reforços em situações de risco. Bastará segurar o mecanismo por três segundos que o alerta será emitido, informando localização e identificação do agente. O programa está em fase de elaboração.

Essa é uma das medidas anunciadas pelo secretário da segurança André Costa para a valorização desses profissionais e combate à violência no Estado. Durante sessão na Assembleia Legislativa do Estado (Al/Ce), na última quarta-feira (20), André Costa anunciou também o desenvolvimento de um outro aplicativo, este com intuito de melhor alocar policiais ao identificar regiões com maior incidência de crimes.

De acordo com o secretário, 80% dos crimes em Fortaleza ocorrem em uma área de apenas 40% do território da cidade. O aplicativo é desenvolvido em parceria gratuita com o Departamento de Informática da Universidade Federal do Ceará (UFC). O mecanismo começou a ser testado na última sexta (15).

Além das novas tecnológicas, André Costa citou que o Estado está adquirindo 125 fuzis novos norte-americanos. Também estão sendo adquiridas 6,5 mil pistolas, 120 espingardas calibre 12, 120 carabinas e submetralhadoras ponto 40. Outros 5 mil coletes à prova de bala ainda serão disponibilizados, mil vindos das Forças Federais e o restante, do próprio Estado.

Outra medida pró-agentes de segurança listada pelo secretário é o trabalho desenvolvido pelo
Centro Biopsicossocial da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), iniciada neste ano. Também citou a criação do Conselho de Defesa do Policial no Exercício da Função (CDPEF), uma reunião de advogados voluntários que prestam assessoria jurídica, gratuitamente, a agentes envolvidos em processos disciplinares ou judiciais após ocorrências policiais.

“Nós investimos no nosso profissional e cuidamos dele para que ele possa cuidar dos cidadãos nas ruas”, declarou André Costa.

Combate à criminalidade

Além de ações voltadas a policias, peritos e bombeiros, André Costa elencou ações da SSPDS visando combater, diretamente, à criminalidade. Ele destacou o aumento de 14% no número de casos resolvidos pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o que só teria sido possível devido a reestruturação da especializada.

A resolutividade chega a 85%, afirma, quando as vítimas são agentes de segurança, coberto pela 11ª delegacia da DHPP. Ele também afirmou que a divisão aumentou em 86% o número de prisões. Ele prometeu que a especializada seria levada a cidades interioranas, o que também aconteceria com a Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD), Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) e da Coordenadoria de Inteligência da SSPDS, além dos Batalhões de Polícia de Choque (BPChoque) e de Divisas. Outra medida da SSPDS destacada foi ampliação do Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) às cidades com mais de 50 mil habitantes.

Outra ampliação ocorreu no número de delegacias 24 horas em Fortaleza, reflexo, segundo André Costa, do aumento no efetivo da Polícia Civil. A PM também aumentou seus quadros, com as 4.200 vagas abertas no último concurso, lembrou André Costa.

“Somente neste ano, conseguimos apreender uma tonelada de drogas e cerca de 20 armas por dia. Cerca de 130 ônibus estão passando por nossas blitze por dia”, afirmou.

Saiba Mais

A sessão ocorre dias após anúncio de que os principais índices de criminalidade subiram no Estado. Entre janeiro e agosto, 3.235 pessoas foram mortas no Ceará. No mesmo período de 2016, foram registrados 2.289 (CVLIs). Só Fortaleza registrou um aumento de 82,7% no período.

Roubos e furtos também cresceram. Até 31 de agosto último, haviam sido registrado, neste ano, no Estado 43.180 Crimes Violentos contra o Patrimônio 1 (CVPs 1), que incluem crimes como roubos a pessoa e de documentos.

Já roubo de cargo, com restrição de liberdade, a residências, de veículos ou a bancos, incluídos nos CVPs 2, saíram de 7.793 de janeiro a agosto de 2016 para 8.680 no mesmo período deste ano. Já os furtos foram de 38.815 em 2016 para 39.551 este ano.

Publicidade

Dê sua opinião

ARMADOS PRA GUERRA

Agentes de segurança terão app com “botão do pânico” para acionar reforços em emergências

O secretário de Segurança anunciou a compra de 125 fuzis norte-americanos, 6,5 mil pistolas e 120 espingardas

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

23 de setembro de 2017 às 07:00

Há 2 meses
O anúncio foi feito em coletiva (FOTO: Reprodução/Facebook)

André Costa elencou medidas tomadas pela pasta para o combate da violência (FOTO: Reprodução/Facebook)

Os agentes das forças de segurança cearenses terão à disposição um aplicativo com um “botão de pânico”, que aciona reforços em situações de risco. Bastará segurar o mecanismo por três segundos que o alerta será emitido, informando localização e identificação do agente. O programa está em fase de elaboração.

Essa é uma das medidas anunciadas pelo secretário da segurança André Costa para a valorização desses profissionais e combate à violência no Estado. Durante sessão na Assembleia Legislativa do Estado (Al/Ce), na última quarta-feira (20), André Costa anunciou também o desenvolvimento de um outro aplicativo, este com intuito de melhor alocar policiais ao identificar regiões com maior incidência de crimes.

De acordo com o secretário, 80% dos crimes em Fortaleza ocorrem em uma área de apenas 40% do território da cidade. O aplicativo é desenvolvido em parceria gratuita com o Departamento de Informática da Universidade Federal do Ceará (UFC). O mecanismo começou a ser testado na última sexta (15).

Além das novas tecnológicas, André Costa citou que o Estado está adquirindo 125 fuzis novos norte-americanos. Também estão sendo adquiridas 6,5 mil pistolas, 120 espingardas calibre 12, 120 carabinas e submetralhadoras ponto 40. Outros 5 mil coletes à prova de bala ainda serão disponibilizados, mil vindos das Forças Federais e o restante, do próprio Estado.

Outra medida pró-agentes de segurança listada pelo secretário é o trabalho desenvolvido pelo
Centro Biopsicossocial da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), iniciada neste ano. Também citou a criação do Conselho de Defesa do Policial no Exercício da Função (CDPEF), uma reunião de advogados voluntários que prestam assessoria jurídica, gratuitamente, a agentes envolvidos em processos disciplinares ou judiciais após ocorrências policiais.

“Nós investimos no nosso profissional e cuidamos dele para que ele possa cuidar dos cidadãos nas ruas”, declarou André Costa.

Combate à criminalidade

Além de ações voltadas a policias, peritos e bombeiros, André Costa elencou ações da SSPDS visando combater, diretamente, à criminalidade. Ele destacou o aumento de 14% no número de casos resolvidos pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o que só teria sido possível devido a reestruturação da especializada.

A resolutividade chega a 85%, afirma, quando as vítimas são agentes de segurança, coberto pela 11ª delegacia da DHPP. Ele também afirmou que a divisão aumentou em 86% o número de prisões. Ele prometeu que a especializada seria levada a cidades interioranas, o que também aconteceria com a Divisão de Combate ao Tráfico de Drogas (DCTD), Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) e da Coordenadoria de Inteligência da SSPDS, além dos Batalhões de Polícia de Choque (BPChoque) e de Divisas. Outra medida da SSPDS destacada foi ampliação do Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio) às cidades com mais de 50 mil habitantes.

Outra ampliação ocorreu no número de delegacias 24 horas em Fortaleza, reflexo, segundo André Costa, do aumento no efetivo da Polícia Civil. A PM também aumentou seus quadros, com as 4.200 vagas abertas no último concurso, lembrou André Costa.

“Somente neste ano, conseguimos apreender uma tonelada de drogas e cerca de 20 armas por dia. Cerca de 130 ônibus estão passando por nossas blitze por dia”, afirmou.

Saiba Mais

A sessão ocorre dias após anúncio de que os principais índices de criminalidade subiram no Estado. Entre janeiro e agosto, 3.235 pessoas foram mortas no Ceará. No mesmo período de 2016, foram registrados 2.289 (CVLIs). Só Fortaleza registrou um aumento de 82,7% no período.

Roubos e furtos também cresceram. Até 31 de agosto último, haviam sido registrado, neste ano, no Estado 43.180 Crimes Violentos contra o Patrimônio 1 (CVPs 1), que incluem crimes como roubos a pessoa e de documentos.

Já roubo de cargo, com restrição de liberdade, a residências, de veículos ou a bancos, incluídos nos CVPs 2, saíram de 7.793 de janeiro a agosto de 2016 para 8.680 no mesmo período deste ano. Já os furtos foram de 38.815 em 2016 para 39.551 este ano.