Acusados de matar Dandara serão ouvidos nesta terça-feira
TRANSFOBIA

Acusados de matar Dandara serão ouvidos nesta terça-feira

Cinco dos oitos adultos acusados são ouvidos, assim como três testemunhas. Travesti foi executada em fevereiro

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

4 de setembro de 2017 às 18:01

Há 2 semanas

Dandara foi uma das 115 travestis assassinadas somente neste ano no Brasil (FOTO: Acervo Pessoal)

Será realizada nesta terça-feira (5) a segunda audiência do processo judicial que apura o assassinato de Dandara dos Santos, travesti linchada no bairro Bom Jardim, em Fortaleza, em 15 de fevereiro desse ano.

Devido à celeridade do caso, o processo pode ser o primeiro a condenar acusados de assassinar travestis neste ano no País, conforme apuração do portal BBC Brasil.

Em matéria publicada nesta segunda-feira, o site mostra que 115 travestis já foram assassinadas neste ano no País, conforme dados da Rede Nacional de Pessoas Trans no Brasil (Rede Trans).

Nessa terça-feira, são ouvidos cinco dos oitos adultos acusados, assim como três testemunhas de defesa. As partes, então, terão cinco dias para alegações finais. A expectativa é de que o julgamento ocorra no primeiro semestre de 2018.

Saiba mais

Conforme a investigação policial, 12 pessoas participaram do assassinato de Dandara, que chegou a ser filmado e compartilhado por meio de redes sociais da internet. Dos acusados, quatro são adolescentes, todos apreendidos.

Dos oito adultos, três estão foragidos: Jonatha Willyan Sousa da Silva (o “Lourinho Briba”), Francisco Wellington Teles e Francisco Gabriel de Souza Reis (“Didi” ou “Gigia”). Este último é quem, ao lado de um adolescente, começou as agressões, também instigando os demais acusados a praticar o linchamento, conforme o Ministério Público Estadual (MPCE).

“Assevera, ainda, que ‘Didi’ desferia chutes, pontapés e socos na vítima, enquanto afirmava em alto e bom som que a vítima estava praticando roubos na comunidade”, diz trecho da denúncia. Durante as agressões, os criminosos gritavam expressões de cunho transfóbico. Ela ainda foi vítima de disparos de arma de fogo.

Os demais réus são: Francisco José Monteiro de Oliveira Júnior, Isaías da Silva Camurça, Jean Victor da Silva Oliveira, Julio César Braga da Costa e Rafael Alves da Silva Paiva.

Eles são acusados por homicídio triplamente qualificado: motivo fútil, recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa da vítima e tortura e crueldade.

Relembre o caso através da cobertura de Tribuna do Ceará:

Publicidade

Dê sua opinião

TRANSFOBIA

Acusados de matar Dandara serão ouvidos nesta terça-feira

Cinco dos oitos adultos acusados são ouvidos, assim como três testemunhas. Travesti foi executada em fevereiro

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

4 de setembro de 2017 às 18:01

Há 2 semanas

Dandara foi uma das 115 travestis assassinadas somente neste ano no Brasil (FOTO: Acervo Pessoal)

Será realizada nesta terça-feira (5) a segunda audiência do processo judicial que apura o assassinato de Dandara dos Santos, travesti linchada no bairro Bom Jardim, em Fortaleza, em 15 de fevereiro desse ano.

Devido à celeridade do caso, o processo pode ser o primeiro a condenar acusados de assassinar travestis neste ano no País, conforme apuração do portal BBC Brasil.

Em matéria publicada nesta segunda-feira, o site mostra que 115 travestis já foram assassinadas neste ano no País, conforme dados da Rede Nacional de Pessoas Trans no Brasil (Rede Trans).

Nessa terça-feira, são ouvidos cinco dos oitos adultos acusados, assim como três testemunhas de defesa. As partes, então, terão cinco dias para alegações finais. A expectativa é de que o julgamento ocorra no primeiro semestre de 2018.

Saiba mais

Conforme a investigação policial, 12 pessoas participaram do assassinato de Dandara, que chegou a ser filmado e compartilhado por meio de redes sociais da internet. Dos acusados, quatro são adolescentes, todos apreendidos.

Dos oito adultos, três estão foragidos: Jonatha Willyan Sousa da Silva (o “Lourinho Briba”), Francisco Wellington Teles e Francisco Gabriel de Souza Reis (“Didi” ou “Gigia”). Este último é quem, ao lado de um adolescente, começou as agressões, também instigando os demais acusados a praticar o linchamento, conforme o Ministério Público Estadual (MPCE).

“Assevera, ainda, que ‘Didi’ desferia chutes, pontapés e socos na vítima, enquanto afirmava em alto e bom som que a vítima estava praticando roubos na comunidade”, diz trecho da denúncia. Durante as agressões, os criminosos gritavam expressões de cunho transfóbico. Ela ainda foi vítima de disparos de arma de fogo.

Os demais réus são: Francisco José Monteiro de Oliveira Júnior, Isaías da Silva Camurça, Jean Victor da Silva Oliveira, Julio César Braga da Costa e Rafael Alves da Silva Paiva.

Eles são acusados por homicídio triplamente qualificado: motivo fútil, recurso que dificultou ou tornou impossível a defesa da vítima e tortura e crueldade.

Relembre o caso através da cobertura de Tribuna do Ceará: