50% dos 5 mil mortos em 2017 faziam parte de facções, aponta secretário de Segurança

"SEM PÂNICO"

50% dos 5 mil mortos em 2017 faziam parte de facções, aponta secretário de Segurança

André Costa salientou que o cidadão não precisa temer ir às ruas, pois a maioria das vítimas era envolvida com facções

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

29 de Janeiro de 2018 às 12:54

Há 8 meses
André Costa concedeu entrevista coletiva neste sábado (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

André Costa, secretário de Segurança, entende que a população não precisa temer (FOTO: Tribuna do Ceará)

O secretário de Segurança do Ceará, André Costa, informou que 50% dos 5.134 mortos em 2017 no Estado faziam parte de facções criminosas. Ele disse ainda que 63% tinham antecedentes criminais e que 83% eram ou foram usuários de drogas.

As declarações foram dadas em entrevista à Rádio Verdes Mares, na manhã nesta segunda-feira (29), dois dias após a Chacina das Cajazeiras, em Fortaleza, que terminou com 14 mortos.

“O cidadão, hoje, tem muito medo de ir para as ruas, ser assaltado e, em decorrência desse assalto, ser morto. Mas, um dado positivo: em 2017 não houve aumento dos latrocínios. De pouco mais de 5.100 mortos, 88 foram latrocínios”, destaca o secretário.

“83% (dos homicídios) tiveram histórico com drogas. 9% a definir. Só tenho certeza que 8% não tinha histórico com drogas. Outro dado que nós temos, 63% já tinham antecedentes, praticamente 2/3 dessas pessoas mortas. Ou seja, o que dá em torno de 3.500 que tinham antecedentes criminais”, disse André Costa. 

O secretário aponta que há dificuldade em identificar mortes de pessoas ligadas às facções, pois as famílias têm medo de algum tipo represália.

“É um pouco mais difícil porque muitas vezes as famílias relatam que o filho tinha histórico com droga, mas às vezes têm receio de falar com policial que ele era ligado à alguma facção. Ainda assim, temos um dado confirmado que 50% dessas mortes eram de pessoas ligadas a facções criminosas. E ainda temos aí um número alto, de mais de 30%, que ainda não está definido, porque as famílias não disseram nada”, revelou o secretário durante entrevista.

Maior chacina da história

Pelo menos 14 pessoas foram vítimas de uma chacina na madrugada deste sábado (27), no Bairro Cajazeiras. O caso aconteceu em uma pequena casa de shows, conhecida como “Forró do Gago”, na Rua Madre Tereza de Calcutá, na Comunidade Barreirão.

Pessoas armadas chegaram em carros e atiraram em outras que estavam na rua, sem qualquer alvo certo. Morreram clientes do local, trabalhadores que estavam vendendo lanches e até um motorista do Uber, que passava pela região.

Além dos 14 mortos, nove pessoas foram internadas no Instituto Dr. José Frota (IJF), no Centro de Fortaleza. Quatro seguem internados após cirurgia (um homem, uma mulher e duas adolescentes). Um homem também está internado no Frotinha de Messejana.

O crime já teve cinco suspeitos identificados. Foi a maior registrada na história do Ceará.

Acompanhe o caso:

29/1 – Grande Fortaleza teve fim de semana mais violento do ano, com pelo menos 47 assassinatos

29/1 – “Governos não pedem apoio federal por questão política”, diz ministro da Justiça após fala de Camilo

29/1 – Garota de 19 anos havia ido comprar lanche quando foi morta em chacina

29/1 – 8 dos 14 mortos em chacina tinham até 25 anos. Veja os nomes das vítimas

28/1 – Cinco suspeitos de chacina já foram identificados, anuncia Camilo Santana

28/1 – “Preto e pobre vira estatística quando morre”, lamenta sobrinha de vendedor morto em chacina

28/1 – “Violência no Ceará não é caso isolado”, afirma sociólogo após maior chacina no estado

27/1 – Mãe da vendedora de lanches morta em chacina decide doar órgãos

27/1 – Motorista de Uber levava passageiro quando foi atingido por tiros na Chacina das Cajazeiras

27/1 – Facção assume autoria de Chacina das Cajazeiras; Facção rival promete revanche

27/1 – Sobrevivente detalha momentos de terror durante maior chacina do Ceará

27/1 – Preso o 1º suspeito de chacina que deixou pelo menos 14 mortos em Fortaleza

27/1 – “Não há motivo para pânico”, declara secretário da Segurança Pública após maior chacina no Ceará

27/1 – Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

27/1 – Presidente do Sinpol culpa Governo por chacina: “Governo negou existência de facções por muito tempo”

27/1 – Chacina das Cajazeiras deixa pelo menos 14 mortos durante festa

29/1 – Garota de 19 anos havia ido comprar lanche quando foi morta em chacina

29/1- 8 dos 14 mortos em chacina tinham até 25 anos. Veja os nomes das vítimas

Publicidade

Dê sua opinião

"SEM PÂNICO"

50% dos 5 mil mortos em 2017 faziam parte de facções, aponta secretário de Segurança

André Costa salientou que o cidadão não precisa temer ir às ruas, pois a maioria das vítimas era envolvida com facções

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

29 de Janeiro de 2018 às 12:54

Há 8 meses
André Costa concedeu entrevista coletiva neste sábado (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

André Costa, secretário de Segurança, entende que a população não precisa temer (FOTO: Tribuna do Ceará)

O secretário de Segurança do Ceará, André Costa, informou que 50% dos 5.134 mortos em 2017 no Estado faziam parte de facções criminosas. Ele disse ainda que 63% tinham antecedentes criminais e que 83% eram ou foram usuários de drogas.

As declarações foram dadas em entrevista à Rádio Verdes Mares, na manhã nesta segunda-feira (29), dois dias após a Chacina das Cajazeiras, em Fortaleza, que terminou com 14 mortos.

“O cidadão, hoje, tem muito medo de ir para as ruas, ser assaltado e, em decorrência desse assalto, ser morto. Mas, um dado positivo: em 2017 não houve aumento dos latrocínios. De pouco mais de 5.100 mortos, 88 foram latrocínios”, destaca o secretário.

“83% (dos homicídios) tiveram histórico com drogas. 9% a definir. Só tenho certeza que 8% não tinha histórico com drogas. Outro dado que nós temos, 63% já tinham antecedentes, praticamente 2/3 dessas pessoas mortas. Ou seja, o que dá em torno de 3.500 que tinham antecedentes criminais”, disse André Costa. 

O secretário aponta que há dificuldade em identificar mortes de pessoas ligadas às facções, pois as famílias têm medo de algum tipo represália.

“É um pouco mais difícil porque muitas vezes as famílias relatam que o filho tinha histórico com droga, mas às vezes têm receio de falar com policial que ele era ligado à alguma facção. Ainda assim, temos um dado confirmado que 50% dessas mortes eram de pessoas ligadas a facções criminosas. E ainda temos aí um número alto, de mais de 30%, que ainda não está definido, porque as famílias não disseram nada”, revelou o secretário durante entrevista.

Maior chacina da história

Pelo menos 14 pessoas foram vítimas de uma chacina na madrugada deste sábado (27), no Bairro Cajazeiras. O caso aconteceu em uma pequena casa de shows, conhecida como “Forró do Gago”, na Rua Madre Tereza de Calcutá, na Comunidade Barreirão.

Pessoas armadas chegaram em carros e atiraram em outras que estavam na rua, sem qualquer alvo certo. Morreram clientes do local, trabalhadores que estavam vendendo lanches e até um motorista do Uber, que passava pela região.

Além dos 14 mortos, nove pessoas foram internadas no Instituto Dr. José Frota (IJF), no Centro de Fortaleza. Quatro seguem internados após cirurgia (um homem, uma mulher e duas adolescentes). Um homem também está internado no Frotinha de Messejana.

O crime já teve cinco suspeitos identificados. Foi a maior registrada na história do Ceará.

Acompanhe o caso:

29/1 – Grande Fortaleza teve fim de semana mais violento do ano, com pelo menos 47 assassinatos

29/1 – “Governos não pedem apoio federal por questão política”, diz ministro da Justiça após fala de Camilo

29/1 – Garota de 19 anos havia ido comprar lanche quando foi morta em chacina

29/1 – 8 dos 14 mortos em chacina tinham até 25 anos. Veja os nomes das vítimas

28/1 – Cinco suspeitos de chacina já foram identificados, anuncia Camilo Santana

28/1 – “Preto e pobre vira estatística quando morre”, lamenta sobrinha de vendedor morto em chacina

28/1 – “Violência no Ceará não é caso isolado”, afirma sociólogo após maior chacina no estado

27/1 – Mãe da vendedora de lanches morta em chacina decide doar órgãos

27/1 – Motorista de Uber levava passageiro quando foi atingido por tiros na Chacina das Cajazeiras

27/1 – Facção assume autoria de Chacina das Cajazeiras; Facção rival promete revanche

27/1 – Sobrevivente detalha momentos de terror durante maior chacina do Ceará

27/1 – Preso o 1º suspeito de chacina que deixou pelo menos 14 mortos em Fortaleza

27/1 – “Não há motivo para pânico”, declara secretário da Segurança Pública após maior chacina no Ceará

27/1 – Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

27/1 – Presidente do Sinpol culpa Governo por chacina: “Governo negou existência de facções por muito tempo”

27/1 – Chacina das Cajazeiras deixa pelo menos 14 mortos durante festa

29/1 – Garota de 19 anos havia ido comprar lanche quando foi morta em chacina

29/1- 8 dos 14 mortos em chacina tinham até 25 anos. Veja os nomes das vítimas