Sangue raro doado por cearense salva vida de bebê na Colômbia
SEM FRONTEIRAS

Sangue raro doado por cearense salva vida de bebê na Colômbia

Ceará foi primeiro estado brasileiro a doar sangue raro para outro país. Apenas 11 famílias brasileiras possuem o fenótipo Bombay

Por Lucas Barbosa em Saúde

13 de julho de 2017 às 18:53

Há 2 meses
Foram apenas 350 ml de sangue. O suficiente para salvar a vida da bebê (FOTO: Divulgação/Hemoce)

Foram apenas 350 ml de sangue. O suficiente para salvar a vida da bebê (FOTO: Divulgação/Hemoce)

Somente 11 famílias brasileiras apresentam em seus sangue o fenótipo Bombay. A raridade da característica levou um hospital da Colômbia a solicitar doação ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce). A necessitada era uma bebê de apenas um ano e dois meses.

Foi a primeira vez que o procedimento internacional foi realizado no dois países, conforme o próprio Hemoce. A transfusão sanguínea ocorreu em Medellín nessa quarta-feira (12), após o centro cearense enviar o material na segunda-feira (10).

A criança necessitava urgentemente da transfusão uma vez que apresentava sangramento digestivo grave, desnutrição e anemia.

Encontrou esperança em um cearense de 23 anos que, além de possuir o fenótipo raro, tinha o mesmo tipo sanguíneo dela. Na Colômbia, não existia nenhum sangue disponível à doação com tais características.

O Hemoce foi comunicado da necessidade da criança na última sexta-feira (7). “O primeiro passo foi entrar em contato com o doador e convidá-lo a realizar a boa ação. Quando liguei e contei sobre o caso, ele mostrou-se sensível à atitude solidária e, já no dia seguinte, esteve no Hemoce doando sangue”, conta Nágela Lima, coordenadora da captação de doadores.

Foram aproximadamente 350 ml de sangue, o suficiente para salvar a vida da criança.

“Não tenho como expressar meu agradecimento e felicidade. Obrigada pela solidariedade, pelo trabalho árduo e por ajudar nossa criança. A Colômbia está agradecendo por tudo o que vocês fizeram. Nós temos muito que aprender com vocês”, declara Izabel Forero, coordenadora do sangue da Colômbia.

Tipo sanguíneo raro

A raridade do tipo sanguíneo Bombay, também conhecido como Falso O, se deve ao fato de ele não apresentar o antígeno H nas células vermelhas do sangue, explica o Hemoce. Quem apresenta esse fenótipo só pode receber sangue de outros portadores do Bombay. Seu nome vem da cidade em que a característica foi descoberta, Bombaim, na Índia.

Publicidade

Dê sua opinião

SEM FRONTEIRAS

Sangue raro doado por cearense salva vida de bebê na Colômbia

Ceará foi primeiro estado brasileiro a doar sangue raro para outro país. Apenas 11 famílias brasileiras possuem o fenótipo Bombay

Por Lucas Barbosa em Saúde

13 de julho de 2017 às 18:53

Há 2 meses
Foram apenas 350 ml de sangue. O suficiente para salvar a vida da bebê (FOTO: Divulgação/Hemoce)

Foram apenas 350 ml de sangue. O suficiente para salvar a vida da bebê (FOTO: Divulgação/Hemoce)

Somente 11 famílias brasileiras apresentam em seus sangue o fenótipo Bombay. A raridade da característica levou um hospital da Colômbia a solicitar doação ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce). A necessitada era uma bebê de apenas um ano e dois meses.

Foi a primeira vez que o procedimento internacional foi realizado no dois países, conforme o próprio Hemoce. A transfusão sanguínea ocorreu em Medellín nessa quarta-feira (12), após o centro cearense enviar o material na segunda-feira (10).

A criança necessitava urgentemente da transfusão uma vez que apresentava sangramento digestivo grave, desnutrição e anemia.

Encontrou esperança em um cearense de 23 anos que, além de possuir o fenótipo raro, tinha o mesmo tipo sanguíneo dela. Na Colômbia, não existia nenhum sangue disponível à doação com tais características.

O Hemoce foi comunicado da necessidade da criança na última sexta-feira (7). “O primeiro passo foi entrar em contato com o doador e convidá-lo a realizar a boa ação. Quando liguei e contei sobre o caso, ele mostrou-se sensível à atitude solidária e, já no dia seguinte, esteve no Hemoce doando sangue”, conta Nágela Lima, coordenadora da captação de doadores.

Foram aproximadamente 350 ml de sangue, o suficiente para salvar a vida da criança.

“Não tenho como expressar meu agradecimento e felicidade. Obrigada pela solidariedade, pelo trabalho árduo e por ajudar nossa criança. A Colômbia está agradecendo por tudo o que vocês fizeram. Nós temos muito que aprender com vocês”, declara Izabel Forero, coordenadora do sangue da Colômbia.

Tipo sanguíneo raro

A raridade do tipo sanguíneo Bombay, também conhecido como Falso O, se deve ao fato de ele não apresentar o antígeno H nas células vermelhas do sangue, explica o Hemoce. Quem apresenta esse fenótipo só pode receber sangue de outros portadores do Bombay. Seu nome vem da cidade em que a característica foi descoberta, Bombaim, na Índia.