É aconselhável fazer musculação após contrair chikungunya? Saiba quanto tempo deve esperar
TIRE AS DÚVIDAS

É aconselhável fazer musculação após contrair chikungunya? Saiba quanto tempo deve esperar

Desde janeiro, 68 mil casos de chikungunya foram confirmados no Ceará e 60 mortes relacionadas a doença foram registrados

Por Lyvia Rocha em Saúde

15 de agosto de 2017 às 07:00

Há 1 mês
Médico recomenda que as atividades retornem de forma gradativa (FOTO: Divulgação)

Médico recomenda que as atividades retornem de forma gradativa (FOTO: Divulgação)

Quem teve chikungunya sabe muito bem das dores que aparecem junto com a doença. Por isso, quem pratica exercícios físicos deve ficar atento ao retorno das suas antigas atividades, principalmente, se uma dessas era a musculação.

Por ser mais forte e exigir mais do corpo, essa volta ao tipo de exercício deve acontecer de forma gradativa, pois como a doença atinge a parte muscular e também as “juntas”, como são popularmente conhecidas, nada pode voltar de forma brusca.

De acordo com o médico reumatologista Davi Bulcão, é impossível dizer em quanto tempo uma pessoa pode voltar a praticar musculação, pois os sintomas da doença e o estado clínico variam em cada pessoa.

“Eu não tenho como afirmar se a pessoa deve retornar após 3 meses ou 6 meses do diagnóstico. Pois isso vai depender do estado de cada pessoa e como a doença agiu em cada uma. Mas a recomendação é que ela retorne aos poucos”, pondera.

Além disso, é necessário fazer uma avaliação médica novamente antes de retornar as atividades. “É melhor se reavaliar ao iniciar nos exercícios. Começando com uma caminhada, algo mais leve, até começar tudo novamente. Pois, infelizmente a chikungunya, em alguns casos, pode durar vários meses”, relata o médico.

O educador físico e personal trainner Anderson Lima também vai ao encontro com o que o médico disse. O profissional afirma que o ideal é retornar de forma mais branda. “Indico que comecem com uma atividade mais leve, aeróbica, e volte com uma avaliação médica, para que não aconteça nenhum problema posteriormente”, indica.

Ele também ressalta que é impossível dizer algum prazo, pois a doença age diferente em cada ser humano. “Não temos como dar algum prazo. Tem pessoas que depois de três meses conseguiram retornar as atividades físicas, porém outras pessoas que tiveram em outubro e ainda sentem dores e não conseguiram retornar”, revela.

Casos de chikungunya

Desde janeiro de 2017, são 68.790 casos de chikungunya foram confirmados no Ceará, de acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde, divulgado no último dia de agosto. O número já supera o registrado durante todo o ano de 2016.

A chikungunya é uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. As características da doença são febre acima de 39 graus, de início repentino, e dores intensas nas articulações de pés e mãos – dedos, tornozelos e pulsos.

Pode ocorrer, também, dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas.

A doença pode se manifestar de dois a dez dias, podendo chegar a 12 dias. Esse é o chamado período de incubação. Isso pode ocorrer um dia antes do aparecimento da febre até o quinto dia de doença, quando a pessoa ainda tem o vírus na corrente sanguínea. Este período é chamado de viremia.

O vírus pode afetar pessoas de qualquer idade ou sexo, mas os sinais e sintomas tendem a ser mais intensos em crianças e idosos. Além disso, pessoas com doenças crônicas têm mais chance de desenvolver formas graves da doença.

Publicidade

Dê sua opinião

TIRE AS DÚVIDAS

É aconselhável fazer musculação após contrair chikungunya? Saiba quanto tempo deve esperar

Desde janeiro, 68 mil casos de chikungunya foram confirmados no Ceará e 60 mortes relacionadas a doença foram registrados

Por Lyvia Rocha em Saúde

15 de agosto de 2017 às 07:00

Há 1 mês
Médico recomenda que as atividades retornem de forma gradativa (FOTO: Divulgação)

Médico recomenda que as atividades retornem de forma gradativa (FOTO: Divulgação)

Quem teve chikungunya sabe muito bem das dores que aparecem junto com a doença. Por isso, quem pratica exercícios físicos deve ficar atento ao retorno das suas antigas atividades, principalmente, se uma dessas era a musculação.

Por ser mais forte e exigir mais do corpo, essa volta ao tipo de exercício deve acontecer de forma gradativa, pois como a doença atinge a parte muscular e também as “juntas”, como são popularmente conhecidas, nada pode voltar de forma brusca.

De acordo com o médico reumatologista Davi Bulcão, é impossível dizer em quanto tempo uma pessoa pode voltar a praticar musculação, pois os sintomas da doença e o estado clínico variam em cada pessoa.

“Eu não tenho como afirmar se a pessoa deve retornar após 3 meses ou 6 meses do diagnóstico. Pois isso vai depender do estado de cada pessoa e como a doença agiu em cada uma. Mas a recomendação é que ela retorne aos poucos”, pondera.

Além disso, é necessário fazer uma avaliação médica novamente antes de retornar as atividades. “É melhor se reavaliar ao iniciar nos exercícios. Começando com uma caminhada, algo mais leve, até começar tudo novamente. Pois, infelizmente a chikungunya, em alguns casos, pode durar vários meses”, relata o médico.

O educador físico e personal trainner Anderson Lima também vai ao encontro com o que o médico disse. O profissional afirma que o ideal é retornar de forma mais branda. “Indico que comecem com uma atividade mais leve, aeróbica, e volte com uma avaliação médica, para que não aconteça nenhum problema posteriormente”, indica.

Ele também ressalta que é impossível dizer algum prazo, pois a doença age diferente em cada ser humano. “Não temos como dar algum prazo. Tem pessoas que depois de três meses conseguiram retornar as atividades físicas, porém outras pessoas que tiveram em outubro e ainda sentem dores e não conseguiram retornar”, revela.

Casos de chikungunya

Desde janeiro de 2017, são 68.790 casos de chikungunya foram confirmados no Ceará, de acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde, divulgado no último dia de agosto. O número já supera o registrado durante todo o ano de 2016.

A chikungunya é uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. As características da doença são febre acima de 39 graus, de início repentino, e dores intensas nas articulações de pés e mãos – dedos, tornozelos e pulsos.

Pode ocorrer, também, dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas.

A doença pode se manifestar de dois a dez dias, podendo chegar a 12 dias. Esse é o chamado período de incubação. Isso pode ocorrer um dia antes do aparecimento da febre até o quinto dia de doença, quando a pessoa ainda tem o vírus na corrente sanguínea. Este período é chamado de viremia.

O vírus pode afetar pessoas de qualquer idade ou sexo, mas os sinais e sintomas tendem a ser mais intensos em crianças e idosos. Além disso, pessoas com doenças crônicas têm mais chance de desenvolver formas graves da doença.