Depressão e ansiedade podem afetar a saúde reprodutiva de homens e mulheres

ATENÇÃO

Depressão e ansiedade podem afetar a saúde reprodutiva de homens e mulheres

A depressão é responsável pela morte de pelo menos 800 mil pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

13 de outubro de 2018 às 07:15

Há 1 mês

Depressão e ansiedade podem afetar saúde reprodutiva de homens e mulheres. (FOTO: Divulgação)

Muita gente não sabe, mas depressão e ansiedade estão muitas vezes associadas à infertilidade e podem afetar a saúde reprodutiva de homens e mulheres. O médico especialista em medicina reprodutiva Daniel Diógenes comenta o assunto, em entrevista à Rádio Tribuna Band News FM.

“Todos os quadros relacionados às doenças ou aos problemas psicológicos ou psiquiátricos têm potencial sobre a fertilidade tanto do homem quanto da mulher. Esses quadros são difíceis de mensurar, mas têm que ser tratados de uma forma direta e objetiva”, disse o médico.

Para o médico, a depressão é um caso de saúde pública. “É uma das doenças mais prevalentes do século XXI. Junto com a depressão, o diabetes, doenças cardiovasculares, têm aumentado muito de incidências, e são as principais causas de transtornos para homens e mulheres e também causas de morte. Então, sem dúvida nenhuma a depressão é sub-diagnosticada, pouco tratada, não é muito levada a sério por nós mesmos. Existe um preconceito muito grande em se buscar tratamento, mas te digo que é um dos problemas maiores de saúde do século XXI”, explicou.

A depressão é responsável pela morte de pelo menos 800 mil pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde, sendo o suicídio a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. No Brasil, são 32 pessoas mortas pela doença por dia, taxa superior à das vítimas da Aids e da maioria dos tipos de câncer.

Por conta do tabu, o problema acaba sendo tratado de forma silenciosa. O médico alerta para a importância de se falar no assunto. Para casais que pretendem engravidar, o tema precisa ser tratado com mais atenção. “Precisamos olhar com mais carinho para esses problemas relacionados ao psicológico”, alertou o especialista. O estresse e a ansiedade ocasionadas pela doença levam a menor produção de óvulos e espermatozoides, além de embriões de qualidade inferior, dificultando as tentativas naturais.

Confira a reportagem de Daniella de Lavor para a Tribuna Band News FM.

Publicidade

Dê sua opinião

ATENÇÃO

Depressão e ansiedade podem afetar a saúde reprodutiva de homens e mulheres

A depressão é responsável pela morte de pelo menos 800 mil pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

13 de outubro de 2018 às 07:15

Há 1 mês

Depressão e ansiedade podem afetar saúde reprodutiva de homens e mulheres. (FOTO: Divulgação)

Muita gente não sabe, mas depressão e ansiedade estão muitas vezes associadas à infertilidade e podem afetar a saúde reprodutiva de homens e mulheres. O médico especialista em medicina reprodutiva Daniel Diógenes comenta o assunto, em entrevista à Rádio Tribuna Band News FM.

“Todos os quadros relacionados às doenças ou aos problemas psicológicos ou psiquiátricos têm potencial sobre a fertilidade tanto do homem quanto da mulher. Esses quadros são difíceis de mensurar, mas têm que ser tratados de uma forma direta e objetiva”, disse o médico.

Para o médico, a depressão é um caso de saúde pública. “É uma das doenças mais prevalentes do século XXI. Junto com a depressão, o diabetes, doenças cardiovasculares, têm aumentado muito de incidências, e são as principais causas de transtornos para homens e mulheres e também causas de morte. Então, sem dúvida nenhuma a depressão é sub-diagnosticada, pouco tratada, não é muito levada a sério por nós mesmos. Existe um preconceito muito grande em se buscar tratamento, mas te digo que é um dos problemas maiores de saúde do século XXI”, explicou.

A depressão é responsável pela morte de pelo menos 800 mil pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde, sendo o suicídio a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. No Brasil, são 32 pessoas mortas pela doença por dia, taxa superior à das vítimas da Aids e da maioria dos tipos de câncer.

Por conta do tabu, o problema acaba sendo tratado de forma silenciosa. O médico alerta para a importância de se falar no assunto. Para casais que pretendem engravidar, o tema precisa ser tratado com mais atenção. “Precisamos olhar com mais carinho para esses problemas relacionados ao psicológico”, alertou o especialista. O estresse e a ansiedade ocasionadas pela doença levam a menor produção de óvulos e espermatozoides, além de embriões de qualidade inferior, dificultando as tentativas naturais.

Confira a reportagem de Daniella de Lavor para a Tribuna Band News FM.