Depressão afastou mais de 1,5 mil trabalhadores no Ceará somente em 2016
DOENÇA SÉRIA

Depressão afastou mais de 1,5 mil trabalhadores no Ceará somente em 2016

A estimativa é que 20% a 25% das pessoas passaram ou vão passar por algum episódio de depressão ao longo da vida

Por Matheus Ribeiro em Saúde

5 de março de 2017 às 06:30

Há 3 semanas

Doença causa grande número de afastamentos de trabalho (FOTO: Reprodução)

Seja na família, no círculo de amigos ou mesmo no trabalho, é quase unanimidade conhecer alguém com depressão. Com incidência cada vez maior, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que até 2020 a doença será a mais incapacitante do mundo. No ano passado, segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a doença afastou mais de 1,5 mil trabalhadores no Ceará.

Em entrevista à Tribuna Bandnews FM, o psiquiatra Guaricá Ribeiro Lavor afirmou que o quadro depressivo pode ser agravado pela demora na busca de auxílio profissional. A causa, de acordo com o especialista, pode ser o próprio estilo de vida, que pode fazer com que o trabalho potencialize a doença.

“O estilo de vida que nós levamos há muita competição, principalmente nos ambientes de trabalho. Isso leva as pessoas a se desgastarem muito”, conta.

Conforme o INSS, o total de trabalhadores afastados pela doença ocasionou um custo de mais de R$ 2 milhões pagos em auxílio-doença. A diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos no Ceará, Giselle Studart, destaca que é de responsabilidade dos gestores cuidar do clima da empresa, que pode favorecer no aparecimento de doenças psicoemocionais.

“O próprio ambiente de trabalho proporciona uma cobrança muito grande. O assédio moral pode também ser muito grande e isso contribui bastante para o agravamento da depressão”, explica. 

A Associação Brasileira de Psiquiatra estima que de 20% a 25% das pessoas passaram ou vão passar por algum episódio de depressão ao longo da vida. Além de buscar auxílio médico e psicológico, cuidar do lazer no dia-dia é umas das alternativas para não entrar num quadro depressivo.

Há duas semanas, uma telefonista, que pediu para não ser identificada nesta reportagem, retornou ao trabalho depois de um ano e dez meses em tratamento. A depressão foi ocasionada por assédio moral que sofreu por anos na empresa.

Em tratamento com medicação e psicoterapia, retornar às atividades tem sido, para ela, uma grande vitória e esperança de novos tempos. Em todo o país, os afastamentos por depressão corresponderam a 38% do total de licenças médicas.

Confira a reportagem de Jackson de Moura para a rádio Tribuna BandNews FM:

Publicidade

Dê sua opinião

DOENÇA SÉRIA

Depressão afastou mais de 1,5 mil trabalhadores no Ceará somente em 2016

A estimativa é que 20% a 25% das pessoas passaram ou vão passar por algum episódio de depressão ao longo da vida

Por Matheus Ribeiro em Saúde

5 de março de 2017 às 06:30

Há 3 semanas

Doença causa grande número de afastamentos de trabalho (FOTO: Reprodução)

Seja na família, no círculo de amigos ou mesmo no trabalho, é quase unanimidade conhecer alguém com depressão. Com incidência cada vez maior, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que até 2020 a doença será a mais incapacitante do mundo. No ano passado, segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a doença afastou mais de 1,5 mil trabalhadores no Ceará.

Em entrevista à Tribuna Bandnews FM, o psiquiatra Guaricá Ribeiro Lavor afirmou que o quadro depressivo pode ser agravado pela demora na busca de auxílio profissional. A causa, de acordo com o especialista, pode ser o próprio estilo de vida, que pode fazer com que o trabalho potencialize a doença.

“O estilo de vida que nós levamos há muita competição, principalmente nos ambientes de trabalho. Isso leva as pessoas a se desgastarem muito”, conta.

Conforme o INSS, o total de trabalhadores afastados pela doença ocasionou um custo de mais de R$ 2 milhões pagos em auxílio-doença. A diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos no Ceará, Giselle Studart, destaca que é de responsabilidade dos gestores cuidar do clima da empresa, que pode favorecer no aparecimento de doenças psicoemocionais.

“O próprio ambiente de trabalho proporciona uma cobrança muito grande. O assédio moral pode também ser muito grande e isso contribui bastante para o agravamento da depressão”, explica. 

A Associação Brasileira de Psiquiatra estima que de 20% a 25% das pessoas passaram ou vão passar por algum episódio de depressão ao longo da vida. Além de buscar auxílio médico e psicológico, cuidar do lazer no dia-dia é umas das alternativas para não entrar num quadro depressivo.

Há duas semanas, uma telefonista, que pediu para não ser identificada nesta reportagem, retornou ao trabalho depois de um ano e dez meses em tratamento. A depressão foi ocasionada por assédio moral que sofreu por anos na empresa.

Em tratamento com medicação e psicoterapia, retornar às atividades tem sido, para ela, uma grande vitória e esperança de novos tempos. Em todo o país, os afastamentos por depressão corresponderam a 38% do total de licenças médicas.

Confira a reportagem de Jackson de Moura para a rádio Tribuna BandNews FM: