Cearense se especializa no tratamento psicológico de pessoas com surdez

NICHO DE ATUAÇÃO

Cearense se especializa no tratamento psicológico de pessoas com surdez

Existem especificidades da cultura surda que diferenciam o tratamento psicológico. Somente duas profissionais oferecem esse serviço em Fortaleza

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

11 de Abril de 2017 às 07:00

Há 8 meses

(FOTO: Divulgação)

Problemas como depressão, ansiedade e outros transtornos mentais precisam ser tratados por um médico em parceria com um psicólogo. Mas e como funciona esse tratamento, que precisa de muito diálogo, com pessoas que não ouvem e não falam?

Existem algumas especificidades da cultura surda que diferenciam o tratamento psicológico da pessoa que não ouve.
A psicóloga bilíngue Talita Estrela entrou em contato com a comunidade surda em 2008 e, depois de conseguir fluência na língua dos sinais e se formar em intérprete, resolveu aliar dois campos profissionais.
“Fui fazendo os cursos, fui aprofundando e fazendo trabalhos voluntários em interpretação, depois disso no decorrer eu fui cursar Psicologia em 2010 e já estava nesse processo de conhecimento da cultura surda e aquisição da língua, e aí eu alinhei esse meu conhecimento dessa língua com o meu trabalho”, esclarece.
A demanda por esse tipo de profissional é grande, já que atualmente apenas duas profissionais bilíngues atendem em Fortaleza a comunidade surda. “O surdo tem um jeito de ser diferente do ouvinte, porque a apreensão do mundo do surdo é visual, então ele tem uma forma de ser e de pensar diferente da do ouvinte”, explica.

Talita Estrela diz que tem crescido o número de pessoas, principalmente com depressão. A psicóloga explica como identificar quando o familiar surdo precisa de ajuda.

A psicóloga bilíngue Talita Estrela atende no Instituto Gaia, na rua José Vilar, número 964, no Bairro Aldeota. O contato para consultas é 9.9738-7244.

Publicidade

Dê sua opinião

NICHO DE ATUAÇÃO

Cearense se especializa no tratamento psicológico de pessoas com surdez

Existem especificidades da cultura surda que diferenciam o tratamento psicológico. Somente duas profissionais oferecem esse serviço em Fortaleza

Por Tribuna Bandnews FM em Saúde

11 de Abril de 2017 às 07:00

Há 8 meses

(FOTO: Divulgação)

Problemas como depressão, ansiedade e outros transtornos mentais precisam ser tratados por um médico em parceria com um psicólogo. Mas e como funciona esse tratamento, que precisa de muito diálogo, com pessoas que não ouvem e não falam?

Existem algumas especificidades da cultura surda que diferenciam o tratamento psicológico da pessoa que não ouve.
A psicóloga bilíngue Talita Estrela entrou em contato com a comunidade surda em 2008 e, depois de conseguir fluência na língua dos sinais e se formar em intérprete, resolveu aliar dois campos profissionais.
“Fui fazendo os cursos, fui aprofundando e fazendo trabalhos voluntários em interpretação, depois disso no decorrer eu fui cursar Psicologia em 2010 e já estava nesse processo de conhecimento da cultura surda e aquisição da língua, e aí eu alinhei esse meu conhecimento dessa língua com o meu trabalho”, esclarece.
A demanda por esse tipo de profissional é grande, já que atualmente apenas duas profissionais bilíngues atendem em Fortaleza a comunidade surda. “O surdo tem um jeito de ser diferente do ouvinte, porque a apreensão do mundo do surdo é visual, então ele tem uma forma de ser e de pensar diferente da do ouvinte”, explica.

Talita Estrela diz que tem crescido o número de pessoas, principalmente com depressão. A psicóloga explica como identificar quando o familiar surdo precisa de ajuda.

A psicóloga bilíngue Talita Estrela atende no Instituto Gaia, na rua José Vilar, número 964, no Bairro Aldeota. O contato para consultas é 9.9738-7244.