Roberto Cláudio diz que espera "solidariedade" após eleição de Eunício à presidência do Senado
RIVAL POLÍTICO

Roberto Cláudio diz que espera “solidariedade” após eleição de Eunício à presidência do Senado

O prefeito concedeu entrevista à rádio Tribuna BandNews FM e comentou também sobre demissões no Vila das Artes

Por Jéssica Welma em Política

2 de fevereiro de 2017 às 12:14

Há 8 meses
Roberto Cláudio concedeu entrevista na rádio Tribuna BandNews FM. (Foto: Adriano Paiva / Tribuna BandNews FM)

Roberto Cláudio concedeu entrevista na rádio Tribuna BandNews FM. (Foto: Adriano Paiva / Tribuna BandNews FM)

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), disse, nesta quinta-feira (2), em entrevista à rádio Tribuna BandNews FM, que espera “muita solidariedade ao Ceará e aos municípios cearenses” do novo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB). Eleito na noite da terça-feira (1°), o terceiro na sucessão da Presidência da República e cearense mais influente no cenário atual é um dos principais rivais do grupo político ao qual pertence Roberto Cláudio.

Como presidente do Senado, Eunício terá controle sobre todos os processos de empréstimos e financiamentos de estados e municípios. Isso cobrará de governadores e prefeitos maior capacidade de interlocução com o senador.

“Espero que não (haja mudanças). Desejo sucesso ao trabalho do senador. Obviamente que, muito mais importante, espero muita solidariedade ao Estado do Ceará e aos municípios cearenses, é isso que a gente espera do trabalho do presidente recém-eleito. Desejar sucesso e esperar solidariedade”, afirmou Roberto Cláudio.

O grupo político do atual prefeito de Fortaleza foi aliado de Eunício Oliveira até 2014, quando o senador rompeu com os irmãos Cid e Ciro Gomes, ex-governadores e ambos do PDT, por não apoiarem a eleição do peemedebista para à sucessão de Cid. O nome anunciado foi o de Camilo Santana (PT), que derrotou Eunício. Em 2016, o senador apoiou o deputado estadual Capitão Wagner (PR) contra Roberto Cláudio, mas foi novamente vencido.

Apesar da presidência do Senado, Eunício não descarta voltar a disputar o Governo do Estado em 2018. O topo da liderança no Congresso Nacional devem conferir visibilidade e poder de aliança contra os rivais no Ceará e, até mesmo, contra a possível candidatura de Ciro Gomes à sucessão de Michel Temer (PMDB).

Eleições de 2018

Roberto Cláudio evita comentar sobre estratégias políticas para 2018. Ele reafirmou que a “chapa dos sonhos” seria Camilo candidato à reeleição; Cid, ao Senado; e Ciro Gomes, à presidência. Após a entrevista na rádio, o prefeito falou ainda sobre especulações de que possa ser candidato ao Governo. Segundo RC, não há essa possibilidade.

“Esse é ano de trabalhar pelo povo e, próximo ano, no momento certo, falaremos sobre política”, pontuou.

Início da gestão

O prefeito falou ainda sobre cortes de despesas e demissões de terceirizados no primeiro mês do segundo mandato. “Mudamos quase 70% da equipe para que a mesma capacidade de trabalho e dinamismo que começamos o primeiro governo estejam renovadas”, destacou. Ele disse que as “medidas de eficiência” são “sempre antipáticas”, mas necessárias devido à crise.

Segundo Roberto Cláudio, as metas são “garantir que nesse ano, por pior que seja a crise, Fortaleza possa garantir o pagamento do servidor, manter progressivos os investimentos em áreas sociais e ter verba para continuar investindo em coisas básicas”. Sobre o reajuste dos servidores, RC pontuou que manterá diálogo ao longo do mês.

Vila das Artes

Roberto Cláudio repercutiu também a polêmica diante de demissões e instabilidade na gestão do Vila das Artes. O equipamento de formação cultural perdeu, só em janeiro, nove funcionários de um quadro de 15 técnicos, e segue sem direção definida pela Secretaria da Cultura.

“Acabou se criando uma polêmica em virtude de mudanças de nomes, mas é importante deixar claro que a prefeitura irá – porque essa é um prioridade na área cultural – manter o Vila das Artes e está na autonomia do secretário de cultura (Evaldo Lima) montar sua equipe”, afirmou o prefeito.

O pedetista reafirmou compromisso de campanha de atingir 1% da receita do município em gastos com cultura. “Não haverá nenhuma descontinuidade no Vila das Artes, haverá mudança de nomes, de ações, de vertentes, mas o Vila das Artes e sua missão de ser um órgão formado permanecerá”, disse o prefeito.

Publicidade

Dê sua opinião

RIVAL POLÍTICO

Roberto Cláudio diz que espera “solidariedade” após eleição de Eunício à presidência do Senado

O prefeito concedeu entrevista à rádio Tribuna BandNews FM e comentou também sobre demissões no Vila das Artes

Por Jéssica Welma em Política

2 de fevereiro de 2017 às 12:14

Há 8 meses
Roberto Cláudio concedeu entrevista na rádio Tribuna BandNews FM. (Foto: Adriano Paiva / Tribuna BandNews FM)

Roberto Cláudio concedeu entrevista na rádio Tribuna BandNews FM. (Foto: Adriano Paiva / Tribuna BandNews FM)

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), disse, nesta quinta-feira (2), em entrevista à rádio Tribuna BandNews FM, que espera “muita solidariedade ao Ceará e aos municípios cearenses” do novo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB). Eleito na noite da terça-feira (1°), o terceiro na sucessão da Presidência da República e cearense mais influente no cenário atual é um dos principais rivais do grupo político ao qual pertence Roberto Cláudio.

Como presidente do Senado, Eunício terá controle sobre todos os processos de empréstimos e financiamentos de estados e municípios. Isso cobrará de governadores e prefeitos maior capacidade de interlocução com o senador.

“Espero que não (haja mudanças). Desejo sucesso ao trabalho do senador. Obviamente que, muito mais importante, espero muita solidariedade ao Estado do Ceará e aos municípios cearenses, é isso que a gente espera do trabalho do presidente recém-eleito. Desejar sucesso e esperar solidariedade”, afirmou Roberto Cláudio.

O grupo político do atual prefeito de Fortaleza foi aliado de Eunício Oliveira até 2014, quando o senador rompeu com os irmãos Cid e Ciro Gomes, ex-governadores e ambos do PDT, por não apoiarem a eleição do peemedebista para à sucessão de Cid. O nome anunciado foi o de Camilo Santana (PT), que derrotou Eunício. Em 2016, o senador apoiou o deputado estadual Capitão Wagner (PR) contra Roberto Cláudio, mas foi novamente vencido.

Apesar da presidência do Senado, Eunício não descarta voltar a disputar o Governo do Estado em 2018. O topo da liderança no Congresso Nacional devem conferir visibilidade e poder de aliança contra os rivais no Ceará e, até mesmo, contra a possível candidatura de Ciro Gomes à sucessão de Michel Temer (PMDB).

Eleições de 2018

Roberto Cláudio evita comentar sobre estratégias políticas para 2018. Ele reafirmou que a “chapa dos sonhos” seria Camilo candidato à reeleição; Cid, ao Senado; e Ciro Gomes, à presidência. Após a entrevista na rádio, o prefeito falou ainda sobre especulações de que possa ser candidato ao Governo. Segundo RC, não há essa possibilidade.

“Esse é ano de trabalhar pelo povo e, próximo ano, no momento certo, falaremos sobre política”, pontuou.

Início da gestão

O prefeito falou ainda sobre cortes de despesas e demissões de terceirizados no primeiro mês do segundo mandato. “Mudamos quase 70% da equipe para que a mesma capacidade de trabalho e dinamismo que começamos o primeiro governo estejam renovadas”, destacou. Ele disse que as “medidas de eficiência” são “sempre antipáticas”, mas necessárias devido à crise.

Segundo Roberto Cláudio, as metas são “garantir que nesse ano, por pior que seja a crise, Fortaleza possa garantir o pagamento do servidor, manter progressivos os investimentos em áreas sociais e ter verba para continuar investindo em coisas básicas”. Sobre o reajuste dos servidores, RC pontuou que manterá diálogo ao longo do mês.

Vila das Artes

Roberto Cláudio repercutiu também a polêmica diante de demissões e instabilidade na gestão do Vila das Artes. O equipamento de formação cultural perdeu, só em janeiro, nove funcionários de um quadro de 15 técnicos, e segue sem direção definida pela Secretaria da Cultura.

“Acabou se criando uma polêmica em virtude de mudanças de nomes, mas é importante deixar claro que a prefeitura irá – porque essa é um prioridade na área cultural – manter o Vila das Artes e está na autonomia do secretário de cultura (Evaldo Lima) montar sua equipe”, afirmou o prefeito.

O pedetista reafirmou compromisso de campanha de atingir 1% da receita do município em gastos com cultura. “Não haverá nenhuma descontinuidade no Vila das Artes, haverá mudança de nomes, de ações, de vertentes, mas o Vila das Artes e sua missão de ser um órgão formado permanecerá”, disse o prefeito.