Projeto de lei estabelece cota para travestis em concursos públicos em Fortaleza
CONTRA A TRANSFOBIA

Projeto de lei estabelece cota para travestis em concursos públicos em Fortaleza

O projeto ganhou força na Câmara após o caso da travesti Dandara assassinada após ser espancada

Por Lyvia Rocha em Política

7 de março de 2017 às 15:27

Há 5 meses
O vereador fez o projeto de lei (FOTO: Divulgação)

O vereador fez o projeto de lei (FOTO: Divulgação)

O vereador Márcio Martins (PR) apresentou projeto de lei que reserva 2% das vagas de concursos públicos municipais de Fortaleza para transgêneros e transexuais. O intuito do projeto é dar “justiça social” a transgêneros e transexuais, que não conseguem entrar no mercado de emprego formal. “Cotas para travestis e transexuais não são privilégios’.

De acordo com o vereador, o intuito é mostrar que essas pessoas não são inferiores aos outros. “O preconceito que elas sofrem é tão absurdo, a humilhação e a segregação é tão latente, que algo prático deve ser feito além de lamentos. Elas não conseguem empregos, e daí vem a necessidade da atuação do poder público para a inseri-las no mercado de trabalho formal”, completa.

Segundo Martins, a transfobia é uma realidade latente e escancarada. “Pessoas como eu, héteros, pais de família, estão somando contra essa crueldade. Quantas professoras travestis nós conhecemos? Quantos vendedores? Motoristas? Médicos? Advogados?”, questiona.

O projeto de lei estabelece, ainda, que será necessário um laudo médico e psicológico para participação da cota, além de punições em caso de fraude.

O projeto ganhou força na Câmara após o caso em que a travesti Dandara foi morta no dia 15 de fevereiro por pelo menos cinco homens, num crime brutal que ganhou repercussão na sexta-feira (3), depois de as imagens da violência serem compartilhadas na internet.

Publicidade

Dê sua opinião

CONTRA A TRANSFOBIA

Projeto de lei estabelece cota para travestis em concursos públicos em Fortaleza

O projeto ganhou força na Câmara após o caso da travesti Dandara assassinada após ser espancada

Por Lyvia Rocha em Política

7 de março de 2017 às 15:27

Há 5 meses
O vereador fez o projeto de lei (FOTO: Divulgação)

O vereador fez o projeto de lei (FOTO: Divulgação)

O vereador Márcio Martins (PR) apresentou projeto de lei que reserva 2% das vagas de concursos públicos municipais de Fortaleza para transgêneros e transexuais. O intuito do projeto é dar “justiça social” a transgêneros e transexuais, que não conseguem entrar no mercado de emprego formal. “Cotas para travestis e transexuais não são privilégios’.

De acordo com o vereador, o intuito é mostrar que essas pessoas não são inferiores aos outros. “O preconceito que elas sofrem é tão absurdo, a humilhação e a segregação é tão latente, que algo prático deve ser feito além de lamentos. Elas não conseguem empregos, e daí vem a necessidade da atuação do poder público para a inseri-las no mercado de trabalho formal”, completa.

Segundo Martins, a transfobia é uma realidade latente e escancarada. “Pessoas como eu, héteros, pais de família, estão somando contra essa crueldade. Quantas professoras travestis nós conhecemos? Quantos vendedores? Motoristas? Médicos? Advogados?”, questiona.

O projeto de lei estabelece, ainda, que será necessário um laudo médico e psicológico para participação da cota, além de punições em caso de fraude.

O projeto ganhou força na Câmara após o caso em que a travesti Dandara foi morta no dia 15 de fevereiro por pelo menos cinco homens, num crime brutal que ganhou repercussão na sexta-feira (3), depois de as imagens da violência serem compartilhadas na internet.