Não sobrou ninguém na manifestação pró-Lula quando o ex-presidente foi condenado

ESVAZIAMENTO

Não sobrou ninguém na manifestação pró-Lula quando o ex-presidente foi condenado

A manifestação ocorreu na Praça General Murilo Borges, em Fortaleza. Horas antes do término do julgamento, o local já estava vazio

Por Tribuna do Ceará em Política

24 de Janeiro de 2018 às 17:01

Há 7 meses

Manifestantes se dispersaram durante o julgamento (FOTO: Lya Cardoso/Tribuna do Ceará)

O julgamento do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva mexeu com o país. Em Fortaleza, manifestantes tomaram a Praça General Murilo Borges desde a manhã desta quarta-feira (23). Entretanto, no momento em que a condenação de Lula foi confirmada, o local já estava esvaziado.

Os três desembargadores que julgavam o caso condenaram o ex-presidente a 12 anos e 1 mês de prisão.

“Eu acho muito injusto. Vamos continuar querendo saber aonde estão as provas para uma condenação. Não tem provas, juridicamente sabemos que isso é uma farsa. É uma complementação do golpe que o Brasil sofreu em 2016”, conta a manifestante Socorro Monte, horas antes da conclusão do julgamento.

Os manifestantes haviam planejado caminhada pelas ruas do Centro durante esta tarde, mas o ato acabou não acontecendo. Por volta das 15h, a maioria do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4), localizado em Porto Alegre, já havia decido pela condenação de Lula. O julgamento durou 8 horas e 15 minutos (além de uma hora de intervalo). Votaram o relator do processo, João Pedro Gebran Neto, o revisor, Leandro Paulsen e o desembargador Victor dos Santos Laus

Miguel Braz, coordenador nacional do Levante da Juventude, afirma que não esperava um resultado diferente. “Nós não tivemos qualquer surpresa com esse julgamento, pois sabemos que faz parte do golpe. O que nós estamos colocando é que nenhum dos movimentos vai aceitar a decisão do Tribunal Federal e amanhã estaremos lançando, em São Paulo, o Lula oficialmente candidato a presidente do Brasil”, revela.

O coordenador destaca a força dos movimentos populares. “O ato é nacional, ao longo do Ceará e de todo o Brasil. A classe trabalhadora foi às ruas para dizer que não aceita essa decisão. Tivemos grandes atos em Sobral, Limoeiro do Norte, Quixadá, Crateús e na região do Cariri”, completa Miguel.

Mesmo após a condenação os manifestantes seguem confiantes. A defesa do ex-presidente ainda pode recorrer ao Superior Tribunal da Justiça (STJ) e ao Superior Tribunal Federal (STF) para tentar reverter condenação. O Partido dos Trabalhadores poderá registrar a candidatura de Lula enquanto houver recursos pendentes contra a condenação. O ex-presidente Lula foi  condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por conta do triplex de Guarujá, em São Paulo.

Publicidade

Dê sua opinião

ESVAZIAMENTO

Não sobrou ninguém na manifestação pró-Lula quando o ex-presidente foi condenado

A manifestação ocorreu na Praça General Murilo Borges, em Fortaleza. Horas antes do término do julgamento, o local já estava vazio

Por Tribuna do Ceará em Política

24 de Janeiro de 2018 às 17:01

Há 7 meses

Manifestantes se dispersaram durante o julgamento (FOTO: Lya Cardoso/Tribuna do Ceará)

O julgamento do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva mexeu com o país. Em Fortaleza, manifestantes tomaram a Praça General Murilo Borges desde a manhã desta quarta-feira (23). Entretanto, no momento em que a condenação de Lula foi confirmada, o local já estava esvaziado.

Os três desembargadores que julgavam o caso condenaram o ex-presidente a 12 anos e 1 mês de prisão.

“Eu acho muito injusto. Vamos continuar querendo saber aonde estão as provas para uma condenação. Não tem provas, juridicamente sabemos que isso é uma farsa. É uma complementação do golpe que o Brasil sofreu em 2016”, conta a manifestante Socorro Monte, horas antes da conclusão do julgamento.

Os manifestantes haviam planejado caminhada pelas ruas do Centro durante esta tarde, mas o ato acabou não acontecendo. Por volta das 15h, a maioria do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4), localizado em Porto Alegre, já havia decido pela condenação de Lula. O julgamento durou 8 horas e 15 minutos (além de uma hora de intervalo). Votaram o relator do processo, João Pedro Gebran Neto, o revisor, Leandro Paulsen e o desembargador Victor dos Santos Laus

Miguel Braz, coordenador nacional do Levante da Juventude, afirma que não esperava um resultado diferente. “Nós não tivemos qualquer surpresa com esse julgamento, pois sabemos que faz parte do golpe. O que nós estamos colocando é que nenhum dos movimentos vai aceitar a decisão do Tribunal Federal e amanhã estaremos lançando, em São Paulo, o Lula oficialmente candidato a presidente do Brasil”, revela.

O coordenador destaca a força dos movimentos populares. “O ato é nacional, ao longo do Ceará e de todo o Brasil. A classe trabalhadora foi às ruas para dizer que não aceita essa decisão. Tivemos grandes atos em Sobral, Limoeiro do Norte, Quixadá, Crateús e na região do Cariri”, completa Miguel.

Mesmo após a condenação os manifestantes seguem confiantes. A defesa do ex-presidente ainda pode recorrer ao Superior Tribunal da Justiça (STJ) e ao Superior Tribunal Federal (STF) para tentar reverter condenação. O Partido dos Trabalhadores poderá registrar a candidatura de Lula enquanto houver recursos pendentes contra a condenação. O ex-presidente Lula foi  condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro por conta do triplex de Guarujá, em São Paulo.