#Conjunturas: políticos debatem se 1º ano do Governo Temer foi atraso ou retrocesso
PRESIDÊNCIA

#Conjunturas: políticos debatem se 1º ano do Governo Temer foi atraso ou retrocesso

O quadro vai ao ar segunda, quarta e sexta, pela manhã, no Tribuna BandNews 1ª edição, com mediação do jornalista Nonato Albuquerque

Por Tribuna do Ceará em Política

17 de maio de 2017 às 15:49

Há 1 mês
Deputado Cabo Sabino, mediador Nonato Albuquerque, vereador Guilherme Sampaio e deputado Carlos Matos. (Foto: Tribuna do Ceará)

Deputado Cabo Sabino, Nonato Albuquerque, vereador Guilherme Sampaio e deputado Carlos Matos. (Foto: Tribuna do Ceará)

O Conjunturas desta quarta-feira (17) fez uma avaliação do primeiro ano do governo do presidente Michel Temer (PMDB). Diante das divergências sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), os deputados Cabo Sabino (PR), Carlos Matos (PSDB) e o vereador Guilherme Sampaio (PT) debateram os pontos de vistas.

O quadro vai ao ar segunda, quarta e sexta, pela manhã, no Tribuna BandNews 1ª edição, com mediação do jornalista Nonato Albuquerque.

Para Sabino, a gestão de Temer “foi um ano repetitivo de um ano do Governo Dilma”. “Ainda tenho dúvidas se o presidente Temer continua sendo o vice-presidente que mandava na Dilma ou se continua sendo o vice-presidente que era mandado por ela”. Ele ressaltou que o Congresso tem votado as mesmas ações do governo anterior, como a terceirização, com exceção da reforma da Previdência do atual governo.

Já Guilherme Sampaio, que apoia a tese de que Dilma Rousseff sofreu um “golpe”, disse que foi “um ano andando para trás”. “É um retrocesso, é andar pra trás na democracia. Tiraram, sem crime de responsabilidade, uma presidenta eleita pelo voto popular”, afirmou. Ele também pontuou “retrocessos” nos direitos da população, como “retirada de direitos” previdenciários e trabalhistas.

Carlos Matos acredita que, se Dilma tivesse continuado na presidência, a situação do País estaria “dramática”. “A presidente esqueceu de governar”, disse. “Eu acho é graça quando se fala hoje em golpe, é porque não tem o que falar mesmo, tem que falar alguma coisa”, afirmou.

Confira o debate completo sobre o tema entre o vereador Guilherme Sampaio, o deputado estadual Carlos Matos e o deputado federal Cabo Sabino:

Publicidade

Dê sua opinião

PRESIDÊNCIA

#Conjunturas: políticos debatem se 1º ano do Governo Temer foi atraso ou retrocesso

O quadro vai ao ar segunda, quarta e sexta, pela manhã, no Tribuna BandNews 1ª edição, com mediação do jornalista Nonato Albuquerque

Por Tribuna do Ceará em Política

17 de maio de 2017 às 15:49

Há 1 mês
Deputado Cabo Sabino, mediador Nonato Albuquerque, vereador Guilherme Sampaio e deputado Carlos Matos. (Foto: Tribuna do Ceará)

Deputado Cabo Sabino, Nonato Albuquerque, vereador Guilherme Sampaio e deputado Carlos Matos. (Foto: Tribuna do Ceará)

O Conjunturas desta quarta-feira (17) fez uma avaliação do primeiro ano do governo do presidente Michel Temer (PMDB). Diante das divergências sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), os deputados Cabo Sabino (PR), Carlos Matos (PSDB) e o vereador Guilherme Sampaio (PT) debateram os pontos de vistas.

O quadro vai ao ar segunda, quarta e sexta, pela manhã, no Tribuna BandNews 1ª edição, com mediação do jornalista Nonato Albuquerque.

Para Sabino, a gestão de Temer “foi um ano repetitivo de um ano do Governo Dilma”. “Ainda tenho dúvidas se o presidente Temer continua sendo o vice-presidente que mandava na Dilma ou se continua sendo o vice-presidente que era mandado por ela”. Ele ressaltou que o Congresso tem votado as mesmas ações do governo anterior, como a terceirização, com exceção da reforma da Previdência do atual governo.

Já Guilherme Sampaio, que apoia a tese de que Dilma Rousseff sofreu um “golpe”, disse que foi “um ano andando para trás”. “É um retrocesso, é andar pra trás na democracia. Tiraram, sem crime de responsabilidade, uma presidenta eleita pelo voto popular”, afirmou. Ele também pontuou “retrocessos” nos direitos da população, como “retirada de direitos” previdenciários e trabalhistas.

Carlos Matos acredita que, se Dilma tivesse continuado na presidência, a situação do País estaria “dramática”. “A presidente esqueceu de governar”, disse. “Eu acho é graça quando se fala hoje em golpe, é porque não tem o que falar mesmo, tem que falar alguma coisa”, afirmou.

Confira o debate completo sobre o tema entre o vereador Guilherme Sampaio, o deputado estadual Carlos Matos e o deputado federal Cabo Sabino: