#Conjunturas: Parlamentares criticam contrato sem licitação que comprou tatuzões do metrô

DEBATE

#Conjunturas: Parlamentares criticam contrato sem licitação que comprou tatuzões do metrô

Os tatuzões são equipamentos utilizados para escavar as obras do metrô, porém estão sem uso

Por Tribuna Bandnews FM em Política

8 de novembro de 2017 às 15:10

Há 2 semanas
metrofor

(FOTO: Divulgação/ Governo do Ceará)

A compra de tatuzões pelo Estado para obras do Metrofor foi tema do Conjunturas desta quarta-feira (8). O quadro vai ao ar segunda, quarta e sexta, pela manhã, no Tribuna BandNews 1ª edição.

Os tatuzões são equipamentos utilizados para escavar as obras do metrô, porém estão sem uso. O deputado federal Cabo Sabino (PR), o estadual Carlos Matos (PSDB) e o vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) comentaram o assunto.

“Quando uma coisa começa errada é uma lambança mesmo”, declara Carlos Matos. Ele ainda ressalta que a empresa contratada não possui registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (Crea). “É uma exigência mínima. Nós estamos falando do metrô, obra gigantesca, onde o Ceará foi o único estado que ousou comprar tatuzão com risco de virar sucata”.

Para Guilherme, o governo de Cid Gomes teve méritos importantes. Entretanto ele considera um governo de domínio grande. Segundo ele, houve um “voluntarismo com relação a alguns empreendimentos, alavancados com investimentos milionários sem estudos técnicos relevantes”. “Como se fosse algo que o governante amanhece um dia com aquela ideia na cabeça visionária, mas sem nenhuma sustentação”.

“Contratar R$ 200 milhões sem licitação é estar brincando com dinheiro público. Não sei onde fica o TCE (Tribuna de Contas do Estado). Se realmente existe ou se é um faz de contas”.

Confira o debate completo sobre o tema entre o vereador Guilherme Sampaio, o deputado estadual Carlos Matos e o deputado federal Cabo Sabino:

Publicidade

Dê sua opinião

DEBATE

#Conjunturas: Parlamentares criticam contrato sem licitação que comprou tatuzões do metrô

Os tatuzões são equipamentos utilizados para escavar as obras do metrô, porém estão sem uso

Por Tribuna Bandnews FM em Política

8 de novembro de 2017 às 15:10

Há 2 semanas
metrofor

(FOTO: Divulgação/ Governo do Ceará)

A compra de tatuzões pelo Estado para obras do Metrofor foi tema do Conjunturas desta quarta-feira (8). O quadro vai ao ar segunda, quarta e sexta, pela manhã, no Tribuna BandNews 1ª edição.

Os tatuzões são equipamentos utilizados para escavar as obras do metrô, porém estão sem uso. O deputado federal Cabo Sabino (PR), o estadual Carlos Matos (PSDB) e o vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) comentaram o assunto.

“Quando uma coisa começa errada é uma lambança mesmo”, declara Carlos Matos. Ele ainda ressalta que a empresa contratada não possui registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (Crea). “É uma exigência mínima. Nós estamos falando do metrô, obra gigantesca, onde o Ceará foi o único estado que ousou comprar tatuzão com risco de virar sucata”.

Para Guilherme, o governo de Cid Gomes teve méritos importantes. Entretanto ele considera um governo de domínio grande. Segundo ele, houve um “voluntarismo com relação a alguns empreendimentos, alavancados com investimentos milionários sem estudos técnicos relevantes”. “Como se fosse algo que o governante amanhece um dia com aquela ideia na cabeça visionária, mas sem nenhuma sustentação”.

“Contratar R$ 200 milhões sem licitação é estar brincando com dinheiro público. Não sei onde fica o TCE (Tribuna de Contas do Estado). Se realmente existe ou se é um faz de contas”.

Confira o debate completo sobre o tema entre o vereador Guilherme Sampaio, o deputado estadual Carlos Matos e o deputado federal Cabo Sabino: