#Conjunturas: Parlamentares cearenses discutem "ideologia de gênero"

DEBATE ACIRRADO

#Conjunturas: Parlamentares cearenses discutem “ideologia de gênero”

O deputado Carlos Matos, que iniciou o debate, disse que ideologia de gênero é um projeto de poder liderado por grupos de esquerda

Por Tribuna do Ceará em Política

30 de outubro de 2017 às 15:32

Há 2 meses
Cabo Sabino, Guilherme Sampaio e Carlos Matos discutiram ideologia de gênero. (Foto: Tribuna do Ceará)

Cabo Sabino, Guilherme Sampaio e Carlos Matos discutiram ideologia de gênero. (Foto: Tribuna do Ceará)

O deputado federal Cabo Sabino (PR), o estadual Carlos Matos (PSDB) e o vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) discutiram no Conjunturas desta segunda-feira (30) a suposta “ideologia de gênero“. O debate foi acirrado e os parlamentares apresentaram diferentes pontos de vista sobre o termo. O programa vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, na rádio Tribuna BandNews FM.

O mote do debate foi uma denúncia de Matos de que uma escola estadual de Juazeiro do Norte teria descumprido norma legislativa que proibiria debates relacionados à sexualidade nas escolas.

O parlamentar disse que haveria um livro sobre ideologia de gênero na escola e um ciclo de debates, mas não deu detalhes sobre o conteúdo.

“É condenável que um gestor público tome uma postura como essa, uma postura de ditador. Depois que a lei passou na Assembleia (Legislativa) e não foi aprovada, ele continua usando as mesmas expressões, usando as mesmas coisas como se fosse um direito adquirido”, disse Carlos Matos.

Questionado pelos demais companheiros de debate, o deputado estadual disse que ideologia de gênero “vem dos partidos de esquerda que, em geral, têm essa visão pra destruir, é um projeto de poder, é o marxismo vindo de uma nova forma”.

“Eles pensam o seguinte: se uma criança aprende a respeitar pai e mãe, ela não seria mais livre, ela tem o direito de ser o que ela quiser ser, inclusive tendo nascido homem, de ser mulher. E realmente todo mundo tem esse direito depois de 18 anos. Na escola, a responsabilidade é dos pais, não cabe ao Poder Público e ao Estado fazer apologia a esse tipo de coisa na escola”, disse Matos.

O vereador Guilherme Sampaio, diretor de escola há 30 anos e ex-gestor do Conselho Municipal da Educação, afirmou que nunca viu nas escolas debates como os referidos pelo deputado.

“Sabe o que é ideologia de gênero: é um argumento político que está sendo utilizado por alguns que estão usando de religião para ganhar voto. Isso é mentira. Nunca vi escola nenhuma ensinando menino a ser isso ou aquilo. Escola pode ensinar a respeitar diferenças, isso é ser cristão. Respeitar é acolher diferença, é o que diz o Papa Francisco”, afirmou Guilherme.

Para o vereador, a legislação aprovada na Assembleia retirou ações que tratavam da discussão sobre respeito à diversidade sexual.

“O Estado está cheio de problema, cheio de pobre, cheio de desempregado e o discurso agora é exposição de arte porque tem foto de nu, discurso que tão ensinado a ser homem ou mulher agora em escola, me mostre a escola que está ensinando isso. Respeite os secretários de educação, respeite os professores”, pontuou Guilherme.

“Você se faz de bobo para enganar a sociedade”, rebateu Matos.

O deputado Cabo Sabino (PR) tentou apaziguar o debate e defendeu que o que for determinado em lei tem de ser cumprido. “Ensinar sexualidade, principalmente na questão do ensino fundamental, é algo que deve ser deixado para os pais”, defendeu Sabino.

Confira o debate completo:

Publicidade

Dê sua opinião

DEBATE ACIRRADO

#Conjunturas: Parlamentares cearenses discutem “ideologia de gênero”

O deputado Carlos Matos, que iniciou o debate, disse que ideologia de gênero é um projeto de poder liderado por grupos de esquerda

Por Tribuna do Ceará em Política

30 de outubro de 2017 às 15:32

Há 2 meses
Cabo Sabino, Guilherme Sampaio e Carlos Matos discutiram ideologia de gênero. (Foto: Tribuna do Ceará)

Cabo Sabino, Guilherme Sampaio e Carlos Matos discutiram ideologia de gênero. (Foto: Tribuna do Ceará)

O deputado federal Cabo Sabino (PR), o estadual Carlos Matos (PSDB) e o vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) discutiram no Conjunturas desta segunda-feira (30) a suposta “ideologia de gênero“. O debate foi acirrado e os parlamentares apresentaram diferentes pontos de vista sobre o termo. O programa vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, na rádio Tribuna BandNews FM.

O mote do debate foi uma denúncia de Matos de que uma escola estadual de Juazeiro do Norte teria descumprido norma legislativa que proibiria debates relacionados à sexualidade nas escolas.

O parlamentar disse que haveria um livro sobre ideologia de gênero na escola e um ciclo de debates, mas não deu detalhes sobre o conteúdo.

“É condenável que um gestor público tome uma postura como essa, uma postura de ditador. Depois que a lei passou na Assembleia (Legislativa) e não foi aprovada, ele continua usando as mesmas expressões, usando as mesmas coisas como se fosse um direito adquirido”, disse Carlos Matos.

Questionado pelos demais companheiros de debate, o deputado estadual disse que ideologia de gênero “vem dos partidos de esquerda que, em geral, têm essa visão pra destruir, é um projeto de poder, é o marxismo vindo de uma nova forma”.

“Eles pensam o seguinte: se uma criança aprende a respeitar pai e mãe, ela não seria mais livre, ela tem o direito de ser o que ela quiser ser, inclusive tendo nascido homem, de ser mulher. E realmente todo mundo tem esse direito depois de 18 anos. Na escola, a responsabilidade é dos pais, não cabe ao Poder Público e ao Estado fazer apologia a esse tipo de coisa na escola”, disse Matos.

O vereador Guilherme Sampaio, diretor de escola há 30 anos e ex-gestor do Conselho Municipal da Educação, afirmou que nunca viu nas escolas debates como os referidos pelo deputado.

“Sabe o que é ideologia de gênero: é um argumento político que está sendo utilizado por alguns que estão usando de religião para ganhar voto. Isso é mentira. Nunca vi escola nenhuma ensinando menino a ser isso ou aquilo. Escola pode ensinar a respeitar diferenças, isso é ser cristão. Respeitar é acolher diferença, é o que diz o Papa Francisco”, afirmou Guilherme.

Para o vereador, a legislação aprovada na Assembleia retirou ações que tratavam da discussão sobre respeito à diversidade sexual.

“O Estado está cheio de problema, cheio de pobre, cheio de desempregado e o discurso agora é exposição de arte porque tem foto de nu, discurso que tão ensinado a ser homem ou mulher agora em escola, me mostre a escola que está ensinando isso. Respeite os secretários de educação, respeite os professores”, pontuou Guilherme.

“Você se faz de bobo para enganar a sociedade”, rebateu Matos.

O deputado Cabo Sabino (PR) tentou apaziguar o debate e defendeu que o que for determinado em lei tem de ser cumprido. “Ensinar sexualidade, principalmente na questão do ensino fundamental, é algo que deve ser deixado para os pais”, defendeu Sabino.

Confira o debate completo: