#Conjunturas: Parlamentares cearenses debatem saída de Rodrigo Janot da PGR
COMBATE À CORRUPÇÃO

#Conjunturas: Parlamentares cearenses debatem saída de Rodrigo Janot da PGR

O deputado federal Cabo Sabino (PP) pontuou que há a expectativa de que novas denúncias contra os partidos PP, PT e PMDB sejam divulgadas

Por Tribuna do Ceará em Política

19 de setembro de 2017 às 12:47

Há 4 semanas
O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante lançamento da campanha Todos juntos contra a corrupção. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante lançamento da campanha Todos juntos contra a corrupção.<br /> Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A saída do procurador Rodrigo Janot do comando da Procuradoria Geral da República (PGR) é o tema da edição extra do Conjunturas desta terça-feira (19). O programa vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã, na rádio Tribuna BandNews FM.

O deputado federal Cabo Sabino (PP) pontuou que há a expectativa de que novas denúncias contra os partidos PP, PT e PMDB sejam divulgadas após a saída do procurador.

“São denúncias graves, que juntam todas as operações desses partidos. Não se sabe até que ponto é verdade. Ele saiu, completou seu mandato, mas deixa uma denúncia muito forte mesmo no momento em que foram fragilizadas as delações do grupo de Joesley Batista”, ressaltou Sabino.

O vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) criticou o que chama de “delações seletivas” e disse que a história avaliará melhor a atuação de Janot, após o encerramento da Lava Jato.

“É o maior enfrentamento institucional contra a corrupção no País. Pela primeira vez, grandes empresários foram presos e responderam por acusações. Ao mesmo tempo, a forma como esse processo é conduzido também submete a uma fragilidade, no sentido de assegurarmos que a lei seja aplicada igualmente para todos e que instrumentos importantes, como a delação premiada, sejam utilizados com responsabilidade para fazer justiça”, disse Guilherme.

O deputado estadual Carlos Matos (PSDB) defendeu que não eram necessárias provas materiais para todas as denúncias, rebatendo crítica de Guilherme Sampaio. “O instrumento da delação pode ser aperfeiçoado, mas mostrou algo que jamais achei que seria possível alcançar”, destacou.

Confira o debate completo:

Publicidade

Dê sua opinião

COMBATE À CORRUPÇÃO

#Conjunturas: Parlamentares cearenses debatem saída de Rodrigo Janot da PGR

O deputado federal Cabo Sabino (PP) pontuou que há a expectativa de que novas denúncias contra os partidos PP, PT e PMDB sejam divulgadas

Por Tribuna do Ceará em Política

19 de setembro de 2017 às 12:47

Há 4 semanas
O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante lançamento da campanha Todos juntos contra a corrupção. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante lançamento da campanha Todos juntos contra a corrupção.<br /> Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A saída do procurador Rodrigo Janot do comando da Procuradoria Geral da República (PGR) é o tema da edição extra do Conjunturas desta terça-feira (19). O programa vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã, na rádio Tribuna BandNews FM.

O deputado federal Cabo Sabino (PP) pontuou que há a expectativa de que novas denúncias contra os partidos PP, PT e PMDB sejam divulgadas após a saída do procurador.

“São denúncias graves, que juntam todas as operações desses partidos. Não se sabe até que ponto é verdade. Ele saiu, completou seu mandato, mas deixa uma denúncia muito forte mesmo no momento em que foram fragilizadas as delações do grupo de Joesley Batista”, ressaltou Sabino.

O vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) criticou o que chama de “delações seletivas” e disse que a história avaliará melhor a atuação de Janot, após o encerramento da Lava Jato.

“É o maior enfrentamento institucional contra a corrupção no País. Pela primeira vez, grandes empresários foram presos e responderam por acusações. Ao mesmo tempo, a forma como esse processo é conduzido também submete a uma fragilidade, no sentido de assegurarmos que a lei seja aplicada igualmente para todos e que instrumentos importantes, como a delação premiada, sejam utilizados com responsabilidade para fazer justiça”, disse Guilherme.

O deputado estadual Carlos Matos (PSDB) defendeu que não eram necessárias provas materiais para todas as denúncias, rebatendo crítica de Guilherme Sampaio. “O instrumento da delação pode ser aperfeiçoado, mas mostrou algo que jamais achei que seria possível alcançar”, destacou.

Confira o debate completo: