Cid declara que desvio de dinheiro é natural no serviço público


Cid Gomes declara que “desvio de dinheiro é natural no serviço público”

Governador do Ceará fez a declaração ao tentar defender Camilo Santana da polêmica dos banheiros fantasmas

Por Hayanne Narlla em Política

30 de setembro de 2014 às 17:05

Há 5 anos
Cid tenta defender Camilo e declara que desvio de dinheiro é comum no serviço público (FOTO: Reprodução Facebook)

Cid tenta defender Camilo e declara que desvio de dinheiro é comum no serviço público (FOTO: Reprodução Facebook)

“Desvio de dinheiro é natural e intrínseco ao serviço público”. A declaração foi feita pelo governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), na noite de segunda-feira (29). Reunido para articulação da campanha de Camilo Santana (PT), Cid esteve com demais lideranças da coligação em um hotel de Fortaleza.

O governador fez a declaração ao tentar defender o petista sobre o escândalo dos banheiros, em que Camilo foi citado como envolvido na polêmica.  Na defesa, Cid ressalta que em todo governo há quem roube.

“Desde que existiu o dinheiro, existe quem procure roubar o dinheiro (sic). A diferença entre um governo sério e um governo conivente, é que o governo sério, quando descobre, pune. E foi o que o Camilo fez quando assumiu a secretaria [de Cidades] e viu que tinha um escândalo. Antes desse escândalo ser denunciado, ele já tinha demitido o responsável lá e tomou todas as providências”.

Confira o vídeo na íntegra

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15217334″]

O cientista político Horácio Frota, da Universidade Estadual do Ceará (Uece), discorda do governador. “Não acho que seja natural. No mundo tem corrupção, essa é uma das características do mundo globalizado, e temos visto em diversos países. Mas é algo que deve ser combatido”.

Ele ressaltou que a prática de corrupção acontece em diversos países, como Itália e Japão, que passaram recentemente por isso. “Além disso, durante algum tempo no Brasil, o crime de colarinho branco não tinha punição. Hoje, já temos avanços nesse sentido e uma acompanhamento dos casos maior do que antes”, finaliza.

Publicidade

Dê sua opinião

Cid Gomes declara que “desvio de dinheiro é natural no serviço público”

Governador do Ceará fez a declaração ao tentar defender Camilo Santana da polêmica dos banheiros fantasmas

Por Hayanne Narlla em Política

30 de setembro de 2014 às 17:05

Há 5 anos
Cid tenta defender Camilo e declara que desvio de dinheiro é comum no serviço público (FOTO: Reprodução Facebook)

Cid tenta defender Camilo e declara que desvio de dinheiro é comum no serviço público (FOTO: Reprodução Facebook)

“Desvio de dinheiro é natural e intrínseco ao serviço público”. A declaração foi feita pelo governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), na noite de segunda-feira (29). Reunido para articulação da campanha de Camilo Santana (PT), Cid esteve com demais lideranças da coligação em um hotel de Fortaleza.

O governador fez a declaração ao tentar defender o petista sobre o escândalo dos banheiros, em que Camilo foi citado como envolvido na polêmica.  Na defesa, Cid ressalta que em todo governo há quem roube.

“Desde que existiu o dinheiro, existe quem procure roubar o dinheiro (sic). A diferença entre um governo sério e um governo conivente, é que o governo sério, quando descobre, pune. E foi o que o Camilo fez quando assumiu a secretaria [de Cidades] e viu que tinha um escândalo. Antes desse escândalo ser denunciado, ele já tinha demitido o responsável lá e tomou todas as providências”.

Confira o vídeo na íntegra

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15217334″]

O cientista político Horácio Frota, da Universidade Estadual do Ceará (Uece), discorda do governador. “Não acho que seja natural. No mundo tem corrupção, essa é uma das características do mundo globalizado, e temos visto em diversos países. Mas é algo que deve ser combatido”.

Ele ressaltou que a prática de corrupção acontece em diversos países, como Itália e Japão, que passaram recentemente por isso. “Além disso, durante algum tempo no Brasil, o crime de colarinho branco não tinha punição. Hoje, já temos avanços nesse sentido e uma acompanhamento dos casos maior do que antes”, finaliza.