1º ato oficial de eleitos em 2018 mostra que acirramento não acabou com o fim da eleição

DIPLOMAÇÃO

1º ato oficial de eleitos em 2018 mostra que acirramento não acabou com o fim da eleição

Na diplomação dos eleitos, teve até grito de que “lugar de bandido é na cadeia”, em referência a Lula. Manifestações foram marcadas por aplausos e xingamentos

Por Tribuna Bandnews FM em Política

20 de dezembro de 2018 às 11:38

Há 3 meses

(Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Atos políticos foram o destaque da diplomação dos eleitos realizada em cerimônia do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) na noite desta quarta-feira (19). O evento ocorreu no calor da decisão provisória do ministro Marco Aurélio Mello de liberar presos em segunda instância com recursos pendentes, que beneficiaria o ex-presidente Lula, e derrubada horas depois pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli.

Foram entoados gritos de Lula livre e manifestações contrárias ao petista ao longo da cerimônia, que diplomou o governador Camilo Santana e a vice Izolda Cela, 22 parlamentares federais, 46 estaduais e os dois senadores eleitos em outubro.

Antes da solenidade de diplomação dos eleitos, a presidente do TRE, Nailde Pinheiro, concedeu entrevista e disse que a Justiça Eleitoral encerra o ano de 2018 de forma positiva.

“A Justiça Eleitoral entrega aqui o diploma aqueles candidatos que obtiveram êxito nas urnas e encerra a participação nesse pleito de 2018. Um pleito que eu considero que foi acirrado, difícil, mas na qualidade de gestora do TRE, contei com a colaboração do Ministério Público, da Corte, dos juízes, dos servidores e por assim dizer, da população em geral, dos voluntários que ajudaram para que a gente pudesse apresentar a sociedade cearenses um trabalho de excelência”, disse a presidente do TRE.

Já no discurso, Nailde falou sobre o prejuízo das fake news no período eleitoral.

“Confrontamos uma razoável campanha contrária às urnas eletrônicas, com a disseminação de vídeos pelas redes sociais, dando conta de supostos defeitos insanáveis de alegadas fraudes. Fizemos o papel pedagógico com apoio do Tribunal Superior Eleitoral, explicando ao eleitor que muitas notícias falsas, as famosas fake news, tinham o imperativo de apenas tumultuar o processo eleitoral”, avaliou a gestora.

Reeleito para o segundo mandato com 3.457.556 milhões de votos, o governador Camilo Santana (PT), falou que vai anunciar o secretariado entre o Natal e Ano Novo. Camilo comentou ainda sobre a sua relação com o próximo governo federal.

“Nós vamos procurar construir uma relação constitucional. Eu repito o que sempre tenho dito: o que tiver que fazer para defender os interesses do meu estado, eu farei. Respeitando meus princípios, aquilo que acredito e defendo. E repito que já coloquei numa reunião, dizendo que o que eu puder ajudar, os governadores do Brasil quiserem ajuda, e puderem ajudar o Brasil, nós vamos ajudar naquilo que for mehor para o nosso país, para os brasileiros. Então, nós queremos ajudar a construir para que o país possa crescer, gerar oportunidades, reduzir as desigualdades, e estaremos sempre a disposição de colaborar”, disse Camilo Santana.

Sobre o pedido de cassação do mandato dele e da vice, Izolda Cela, o petista desconversou. “Não tenho conhecimento disso não. Sem comentários. Eu fui eleito com 80% dos votos do povo cearense.”

Com 3.228.533 milhões de votos, o ex governador Cid Gomes (PDT) vai assumir o primeiro mandato como senador em 2019. Para ele, é preciso primeiro conhecer a rotina do congresso para depois pensar em propostas.

“Aquelas figuras que chegam já dando lições, muitas vezes estão fadadas ao fracasso. Acho que a gente tem que ter humildade, e eu me disciplino e me exercito todo dia para ter humildade e compreender que é uma casa que já existe há séculos e eu sou apenas um modesto componente dela. Vou ter humildade para conhecer a rotina, ver os pontos fortes e negativos, e obviamente procurar propor na medida do tempo que os pontos negativos possam ser aprimorados”, relatou Cid Gomes.

Já o senador eleito Eduardo Girão (Pros), que derrotou Eunício Oliveira no pleito, também assume o primeiro mandato como senador. Ele disse que deve apoiar o Governo Federal, mas afirmou que sua atuação no Senado será independente.

Dos 22 parlamentares federais diplomados, Capitão Wagner (Pros) troca a Assembleia Legislativa pela Câmara dos Deputados como o parlamentar mais votado em outubro. Foram 303.593 mil votos. A segurança vai continuar sendo prioridade pro parlamentar.

“É uma das bandeiras que a gente vai defender, com unhas e dentes, a gente tem projetos que já apresentados para o futuro Secretário Nacional de Segurança Pública, General Theophilo, que vai ser um parceiro importante para que a gente possa buscar convênios, recursos e ajuda do governo Federal para que a gente tenha um mandato com visibilidade nessa área que é tão importante”, disse o deputado eleito.

Já entre os 46 diplomados para assumir a cadeira na Assembleia, André Fernandes (PSL), deputado mais votado, com 109.742 votos, recebeu aplausos e vaias após entoar a frase “lugar de bandido é na cadeia”, em referência ao ex-presidente Lula.

O parlamentar eleito, que é do mesmo partido do presidente eleito Jair Bolsonaro, ainda repercutiu o pedido de cassação dele na ação do Ministério Público Eleitoral.

“Na verdade, não vai ter cassação. Fizeram uma denúncia falando que eu infringi as leis por causa que eu recebi oração do meu pastor. Desde que eu saiba, receber oração e reza não é crime. Mas aqui fica meu desafio ao Ministério Público e para qualquer jornal, a me denunciar por corrupção, compra de voto ou abuso de poder econômico, no qual muitos forma beneficiados”.

A posse do governador reeleito, Camilo Santana e dos deputados estaduais será no dia 1º de janeiro. Já senadores e deputados federais tomam posse em 1º de fevereiro de 2019.

Confira as entrevistas da Tribuna Band News FM.

Publicidade

Dê sua opinião

DIPLOMAÇÃO

1º ato oficial de eleitos em 2018 mostra que acirramento não acabou com o fim da eleição

Na diplomação dos eleitos, teve até grito de que “lugar de bandido é na cadeia”, em referência a Lula. Manifestações foram marcadas por aplausos e xingamentos

Por Tribuna Bandnews FM em Política

20 de dezembro de 2018 às 11:38

Há 3 meses

(Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Atos políticos foram o destaque da diplomação dos eleitos realizada em cerimônia do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) na noite desta quarta-feira (19). O evento ocorreu no calor da decisão provisória do ministro Marco Aurélio Mello de liberar presos em segunda instância com recursos pendentes, que beneficiaria o ex-presidente Lula, e derrubada horas depois pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli.

Foram entoados gritos de Lula livre e manifestações contrárias ao petista ao longo da cerimônia, que diplomou o governador Camilo Santana e a vice Izolda Cela, 22 parlamentares federais, 46 estaduais e os dois senadores eleitos em outubro.

Antes da solenidade de diplomação dos eleitos, a presidente do TRE, Nailde Pinheiro, concedeu entrevista e disse que a Justiça Eleitoral encerra o ano de 2018 de forma positiva.

“A Justiça Eleitoral entrega aqui o diploma aqueles candidatos que obtiveram êxito nas urnas e encerra a participação nesse pleito de 2018. Um pleito que eu considero que foi acirrado, difícil, mas na qualidade de gestora do TRE, contei com a colaboração do Ministério Público, da Corte, dos juízes, dos servidores e por assim dizer, da população em geral, dos voluntários que ajudaram para que a gente pudesse apresentar a sociedade cearenses um trabalho de excelência”, disse a presidente do TRE.

Já no discurso, Nailde falou sobre o prejuízo das fake news no período eleitoral.

“Confrontamos uma razoável campanha contrária às urnas eletrônicas, com a disseminação de vídeos pelas redes sociais, dando conta de supostos defeitos insanáveis de alegadas fraudes. Fizemos o papel pedagógico com apoio do Tribunal Superior Eleitoral, explicando ao eleitor que muitas notícias falsas, as famosas fake news, tinham o imperativo de apenas tumultuar o processo eleitoral”, avaliou a gestora.

Reeleito para o segundo mandato com 3.457.556 milhões de votos, o governador Camilo Santana (PT), falou que vai anunciar o secretariado entre o Natal e Ano Novo. Camilo comentou ainda sobre a sua relação com o próximo governo federal.

“Nós vamos procurar construir uma relação constitucional. Eu repito o que sempre tenho dito: o que tiver que fazer para defender os interesses do meu estado, eu farei. Respeitando meus princípios, aquilo que acredito e defendo. E repito que já coloquei numa reunião, dizendo que o que eu puder ajudar, os governadores do Brasil quiserem ajuda, e puderem ajudar o Brasil, nós vamos ajudar naquilo que for mehor para o nosso país, para os brasileiros. Então, nós queremos ajudar a construir para que o país possa crescer, gerar oportunidades, reduzir as desigualdades, e estaremos sempre a disposição de colaborar”, disse Camilo Santana.

Sobre o pedido de cassação do mandato dele e da vice, Izolda Cela, o petista desconversou. “Não tenho conhecimento disso não. Sem comentários. Eu fui eleito com 80% dos votos do povo cearense.”

Com 3.228.533 milhões de votos, o ex governador Cid Gomes (PDT) vai assumir o primeiro mandato como senador em 2019. Para ele, é preciso primeiro conhecer a rotina do congresso para depois pensar em propostas.

“Aquelas figuras que chegam já dando lições, muitas vezes estão fadadas ao fracasso. Acho que a gente tem que ter humildade, e eu me disciplino e me exercito todo dia para ter humildade e compreender que é uma casa que já existe há séculos e eu sou apenas um modesto componente dela. Vou ter humildade para conhecer a rotina, ver os pontos fortes e negativos, e obviamente procurar propor na medida do tempo que os pontos negativos possam ser aprimorados”, relatou Cid Gomes.

Já o senador eleito Eduardo Girão (Pros), que derrotou Eunício Oliveira no pleito, também assume o primeiro mandato como senador. Ele disse que deve apoiar o Governo Federal, mas afirmou que sua atuação no Senado será independente.

Dos 22 parlamentares federais diplomados, Capitão Wagner (Pros) troca a Assembleia Legislativa pela Câmara dos Deputados como o parlamentar mais votado em outubro. Foram 303.593 mil votos. A segurança vai continuar sendo prioridade pro parlamentar.

“É uma das bandeiras que a gente vai defender, com unhas e dentes, a gente tem projetos que já apresentados para o futuro Secretário Nacional de Segurança Pública, General Theophilo, que vai ser um parceiro importante para que a gente possa buscar convênios, recursos e ajuda do governo Federal para que a gente tenha um mandato com visibilidade nessa área que é tão importante”, disse o deputado eleito.

Já entre os 46 diplomados para assumir a cadeira na Assembleia, André Fernandes (PSL), deputado mais votado, com 109.742 votos, recebeu aplausos e vaias após entoar a frase “lugar de bandido é na cadeia”, em referência ao ex-presidente Lula.

O parlamentar eleito, que é do mesmo partido do presidente eleito Jair Bolsonaro, ainda repercutiu o pedido de cassação dele na ação do Ministério Público Eleitoral.

“Na verdade, não vai ter cassação. Fizeram uma denúncia falando que eu infringi as leis por causa que eu recebi oração do meu pastor. Desde que eu saiba, receber oração e reza não é crime. Mas aqui fica meu desafio ao Ministério Público e para qualquer jornal, a me denunciar por corrupção, compra de voto ou abuso de poder econômico, no qual muitos forma beneficiados”.

A posse do governador reeleito, Camilo Santana e dos deputados estaduais será no dia 1º de janeiro. Já senadores e deputados federais tomam posse em 1º de fevereiro de 2019.

Confira as entrevistas da Tribuna Band News FM.