Cearense vende água e suco vestido de garçom em cruzamento de Fortaleza

SERVIÇO VIP

Cearense vende água e suco vestido de garçom em cruzamento de Fortaleza

Para surpresa de muitos, o garçom revela que consegue um lucro maior com as vendas no sinal do que em um restaurante

Por Gabriel Borges em Perfil

14 de novembro de 2017 às 07:00

Há 6 dias

Marciel trabalha quatro dias da semana no sinal (FOTO: Adriano Paiva)

Sob um sol escaldante, no cruzamento da Avenida Antônio Sales com Senador Virgílio Távora, Marciel Costa, 31 anos, atrai olhares dos motoristas que passam pelo local. Vestido como garçom, o trabalhador encontrou uma forma de driblar a crise.

Água, sucos e refrigerantes são oferecidos aos motoristas enquanto aguardam o semáforo ficar verde para seguir viagem. Cada produto é vendido por R$ 2. “Essa ideia veio de uma reportagem que eu vi na televisão, eu estava desempregado e precisando de dinheiro. Eu já havia trabalhado como garçom e tinha o uniforme em casa”, conta.

Há 5 meses vendendo os produtos no local, Marciel relata que hoje já conseguiu um novo emprego como garçom, mas que segue vendendo na rua para complementar a renda. “A noite eu fico na churrascaria e durante o dia aqui no sinal. Em média, eu fico aqui umas 3 horas. Chego por volta de 12h e vou embora lá pelas 15h”.

Para surpresa de muitos, o garçom revela que consegue um lucro maior com as vendas no sinal do que em um restaurante. “Por dia eu tiro R$ 50 ou R$ 60, nessas 3 horas de trabalho. Eu venho quatro vezes na semana, de terça até sexta. A noite, como garçom, trabalho de terça até domingo. Nas 8 horas da churrascaria, as vezes, eu só consigo R$ 30”.

Durante a entrevista, vários motoristas aproveitaram o sinal vermelho para incentivar e tirar fotos do garçom. “Tenho caído muito bem no gosto dos clientes, eles gostam e costumam elogiar. Tem muita gente que nem compra água, mas elogia porque acha diferente. Me chamam de  mordomo ou garçom de sinal”, relata Marciel.

Mesmo com emprego garantido durante a noite, o garçom não pretende abandonar a rua. “Pretendo continuar aqui mesmo com o emprego da noite. Tenho como objetivo voltar a estudar, fazer um curso de gastronomia e ter um curso superior. Futuramente, sonho em montar meu próprio negócio, essa é a minha ideia”.

Marciel atrai olhares dos motoristas
1/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Marciel atrai olhares dos motoristas
2/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Marciel atrai olhares dos motoristas
3/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Marciel atrai olhares dos motoristas
4/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Publicidade

Dê sua opinião

SERVIÇO VIP

Cearense vende água e suco vestido de garçom em cruzamento de Fortaleza

Para surpresa de muitos, o garçom revela que consegue um lucro maior com as vendas no sinal do que em um restaurante

Por Gabriel Borges em Perfil

14 de novembro de 2017 às 07:00

Há 6 dias

Marciel trabalha quatro dias da semana no sinal (FOTO: Adriano Paiva)

Sob um sol escaldante, no cruzamento da Avenida Antônio Sales com Senador Virgílio Távora, Marciel Costa, 31 anos, atrai olhares dos motoristas que passam pelo local. Vestido como garçom, o trabalhador encontrou uma forma de driblar a crise.

Água, sucos e refrigerantes são oferecidos aos motoristas enquanto aguardam o semáforo ficar verde para seguir viagem. Cada produto é vendido por R$ 2. “Essa ideia veio de uma reportagem que eu vi na televisão, eu estava desempregado e precisando de dinheiro. Eu já havia trabalhado como garçom e tinha o uniforme em casa”, conta.

Há 5 meses vendendo os produtos no local, Marciel relata que hoje já conseguiu um novo emprego como garçom, mas que segue vendendo na rua para complementar a renda. “A noite eu fico na churrascaria e durante o dia aqui no sinal. Em média, eu fico aqui umas 3 horas. Chego por volta de 12h e vou embora lá pelas 15h”.

Para surpresa de muitos, o garçom revela que consegue um lucro maior com as vendas no sinal do que em um restaurante. “Por dia eu tiro R$ 50 ou R$ 60, nessas 3 horas de trabalho. Eu venho quatro vezes na semana, de terça até sexta. A noite, como garçom, trabalho de terça até domingo. Nas 8 horas da churrascaria, as vezes, eu só consigo R$ 30”.

Durante a entrevista, vários motoristas aproveitaram o sinal vermelho para incentivar e tirar fotos do garçom. “Tenho caído muito bem no gosto dos clientes, eles gostam e costumam elogiar. Tem muita gente que nem compra água, mas elogia porque acha diferente. Me chamam de  mordomo ou garçom de sinal”, relata Marciel.

Mesmo com emprego garantido durante a noite, o garçom não pretende abandonar a rua. “Pretendo continuar aqui mesmo com o emprego da noite. Tenho como objetivo voltar a estudar, fazer um curso de gastronomia e ter um curso superior. Futuramente, sonho em montar meu próprio negócio, essa é a minha ideia”.

Marciel atrai olhares dos motoristas
1/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Marciel atrai olhares dos motoristas
2/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Marciel atrai olhares dos motoristas
3/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)

Marciel atrai olhares dos motoristas
4/4

Marciel atrai olhares dos motoristas

(FOTO: Adriano Paiva)