Uber justifica que subida de preços no caos em Fortaleza atendeu "aumento da demanda"
LEI DO MERCADO

Uber justifica que subida de preços no caos em Fortaleza atendeu “aumento da demanda”

A “tarifa dinâmica” é cobrada quando há mais chamados que motoristas disponíveis, como na parada dos ônibus

Por Lucas Barbosa em Mobilidade Urbana

20 de abril de 2017 às 15:04

Há 6 meses

Já foram 20 incêndios em ônibus desde a quarta-feira (FOTO: Envaido por leitor via Whatsapp)

Foram vários os relatos reclamando de preços abusivos cobrados em transportes alternativos aos ônibus, que paralisaram nessa quarta-feira (19) em meio a onda de terror causada por bandidos. Nem mesmo a Uber escapou dos altos preços. Relatos apontam que os preços cobrados estiveram até três vezes do valor normal.

Em nota, a Uber esclarece que algoritmo automático determina o valor cobrado nas corridas. A empresa reforçou que o procedimento não é feito especialmente em episódios como o dos atentados. A “tarifa dinâmica” é cobrada quando há mais chamados na Uber que motoristas disponíveis.

“O preço dinâmico é aplicado quando a demanda por viagens aumenta, para incentivar que mais motoristas se conectem ao aplicativo e assim os usuários tenham um carro sempre que precisar”, afirma a Uber. 

Mesmo assim, o preço assustou muitos usuários. Uma viagem do bairro José Walter ao Dionísio Torres chegou a estar R$ 80, por exemplo. O motorista de Uber João Lucas viu pelo próprio aplicativo uma variação que foi de 30% a 180% do valor usual.

Esta tarifa, conta ele, estava sendo cobrada por volta das 17 horas, momento de pico. Uma hora depois já estava em 40%, disse.

“É a lei do mercado”, resume. Ele destaca que o motorista não tem influência na tarifa dinâmica. “Diferente dos táxis e dos mototáxis, que têm uma bandeira a ser cobrada e, no entanto, nessas horas, eles cobram por fora do taxímetro. Isso sim seria abuso”, diz. Ele chegou a ficar sabendo de mototaxistas estavam cobrando R$ 90 em um percurso que vai da Aldeota ao Jardim Iracema.

Nesta quinta-feira (20), o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) garantiu que os ônibus operam normalmente na cidade, apesar de 21 ônibus já terem sido incendiados até o meio-dia.

Publicidade

Dê sua opinião

LEI DO MERCADO

Uber justifica que subida de preços no caos em Fortaleza atendeu “aumento da demanda”

A “tarifa dinâmica” é cobrada quando há mais chamados que motoristas disponíveis, como na parada dos ônibus

Por Lucas Barbosa em Mobilidade Urbana

20 de abril de 2017 às 15:04

Há 6 meses

Já foram 20 incêndios em ônibus desde a quarta-feira (FOTO: Envaido por leitor via Whatsapp)

Foram vários os relatos reclamando de preços abusivos cobrados em transportes alternativos aos ônibus, que paralisaram nessa quarta-feira (19) em meio a onda de terror causada por bandidos. Nem mesmo a Uber escapou dos altos preços. Relatos apontam que os preços cobrados estiveram até três vezes do valor normal.

Em nota, a Uber esclarece que algoritmo automático determina o valor cobrado nas corridas. A empresa reforçou que o procedimento não é feito especialmente em episódios como o dos atentados. A “tarifa dinâmica” é cobrada quando há mais chamados na Uber que motoristas disponíveis.

“O preço dinâmico é aplicado quando a demanda por viagens aumenta, para incentivar que mais motoristas se conectem ao aplicativo e assim os usuários tenham um carro sempre que precisar”, afirma a Uber. 

Mesmo assim, o preço assustou muitos usuários. Uma viagem do bairro José Walter ao Dionísio Torres chegou a estar R$ 80, por exemplo. O motorista de Uber João Lucas viu pelo próprio aplicativo uma variação que foi de 30% a 180% do valor usual.

Esta tarifa, conta ele, estava sendo cobrada por volta das 17 horas, momento de pico. Uma hora depois já estava em 40%, disse.

“É a lei do mercado”, resume. Ele destaca que o motorista não tem influência na tarifa dinâmica. “Diferente dos táxis e dos mototáxis, que têm uma bandeira a ser cobrada e, no entanto, nessas horas, eles cobram por fora do taxímetro. Isso sim seria abuso”, diz. Ele chegou a ficar sabendo de mototaxistas estavam cobrando R$ 90 em um percurso que vai da Aldeota ao Jardim Iracema.

Nesta quinta-feira (20), o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) garantiu que os ônibus operam normalmente na cidade, apesar de 21 ônibus já terem sido incendiados até o meio-dia.