Projeto quer meia-passagem para servidores públicos com renda de até 2 salários mínimos

TRAMITA NA ASSEMBLEIA

Projeto quer meia-passagem para servidores públicos com renda de até 2 salários mínimos

Presidente do Sindiônibus disse que, para deputado levar projeto adiante, deve explicar como conseguirá a verba

Por Ana Clara Jovino em Mobilidade Urbana

25 de Janeiro de 2017 às 18:34

Há 10 meses
passagem-meia

O projeto tenta garantir a meia-passagem aos servidores com remuneração mensal de até dois salários mínimos (FOTO: Reprodução)

Tramita na Assembleia Legislativa do Ceará, o projeto 58/16, de autoria do deputado estadual Ely Aguiar, que institui a concessão de meia passagem no sistema de transporte público do Ceará, aos servidores públicos estaduais que têm remuneração mensal de até dois salários mínimos.

O projeto indica que o benefício será assegurado apenas aos servidores ativos e em pleno exercício de suas atividades. Os mecanismos para controlar e facilitar o acesso do servidor ao transporte público ficará por conta do Poder Executivo.

Segundo o autor do projeto, o deputado Ely Aguiar, os usuários de transporte público gastam entre 17% e 70% do salário mínimo mensalmente. “Uma pesquisa mais recente da revista Exame, em 9 de janeiro de 2015, informa que o peso do transporte público no bolso do trabalhador é de 17,26% do salário mínimo vigente na época”, esclarece.

Ele afirma que as despesas com transporte público do trabalhador representa cerca de 15% do salário mínimo vigente, sem incluir os gastos com dependentes, como filhos. “Se esse mesmo trabalhador tem dois filhos matriculados na rede escolar, essa representatividade passa para quase a metade do valor em referência. Nesse caso, vale salientar que todas as outras despesas domésticas não estão nessa conta”, justifica.

Dimas Barreira, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) se posicionou e disse que o deputado Ely Aguiar, para levar o projeto adiante, tem que dizer como vai conseguir a verba para que o benefício seja dado aos servidores. “Ele precisa apontar uma fonte de custeio para viabilizar este benefício”.

No início deste ano, os preços das passagens de ônibus sofreram um reajuste na capital cearense. No dia 14 de janeiro, as passagens começaram a ser cobradas R$ 0,45 a mais. A passagem inteira passou a custar R$ 3,20 e a meia R$ 1,40.

O índice de reajuste da passagem foi o maior desde fevereiro de 2003. De acordo com a prefeitura, os principais custos que têm impacto no aumento da tarifa são com pneus e rodagem (20,57%); salário (10%); cesta-básica (15%); vale-refeição (9,09%); plano de saúde (29,52%); combustível (9,44% R$/km); ampliação de novas linhas e itinerários (2,37%); além de ar-condicionado (19,65% da frota – 400 veículos) e Wi-Fi (9,82% da frota – 200 veículos).

Conforme a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), o valor do reajuste foi abaixo do proposto pelo Sindiônibus, de 20%, e obedece aos critérios de cálculo tarifário que foram analisados pela Etufor no período de dezembro de 2015 a novembro de 2016.

Publicidade

Dê sua opinião

TRAMITA NA ASSEMBLEIA

Projeto quer meia-passagem para servidores públicos com renda de até 2 salários mínimos

Presidente do Sindiônibus disse que, para deputado levar projeto adiante, deve explicar como conseguirá a verba

Por Ana Clara Jovino em Mobilidade Urbana

25 de Janeiro de 2017 às 18:34

Há 10 meses
passagem-meia

O projeto tenta garantir a meia-passagem aos servidores com remuneração mensal de até dois salários mínimos (FOTO: Reprodução)

Tramita na Assembleia Legislativa do Ceará, o projeto 58/16, de autoria do deputado estadual Ely Aguiar, que institui a concessão de meia passagem no sistema de transporte público do Ceará, aos servidores públicos estaduais que têm remuneração mensal de até dois salários mínimos.

O projeto indica que o benefício será assegurado apenas aos servidores ativos e em pleno exercício de suas atividades. Os mecanismos para controlar e facilitar o acesso do servidor ao transporte público ficará por conta do Poder Executivo.

Segundo o autor do projeto, o deputado Ely Aguiar, os usuários de transporte público gastam entre 17% e 70% do salário mínimo mensalmente. “Uma pesquisa mais recente da revista Exame, em 9 de janeiro de 2015, informa que o peso do transporte público no bolso do trabalhador é de 17,26% do salário mínimo vigente na época”, esclarece.

Ele afirma que as despesas com transporte público do trabalhador representa cerca de 15% do salário mínimo vigente, sem incluir os gastos com dependentes, como filhos. “Se esse mesmo trabalhador tem dois filhos matriculados na rede escolar, essa representatividade passa para quase a metade do valor em referência. Nesse caso, vale salientar que todas as outras despesas domésticas não estão nessa conta”, justifica.

Dimas Barreira, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) se posicionou e disse que o deputado Ely Aguiar, para levar o projeto adiante, tem que dizer como vai conseguir a verba para que o benefício seja dado aos servidores. “Ele precisa apontar uma fonte de custeio para viabilizar este benefício”.

No início deste ano, os preços das passagens de ônibus sofreram um reajuste na capital cearense. No dia 14 de janeiro, as passagens começaram a ser cobradas R$ 0,45 a mais. A passagem inteira passou a custar R$ 3,20 e a meia R$ 1,40.

O índice de reajuste da passagem foi o maior desde fevereiro de 2003. De acordo com a prefeitura, os principais custos que têm impacto no aumento da tarifa são com pneus e rodagem (20,57%); salário (10%); cesta-básica (15%); vale-refeição (9,09%); plano de saúde (29,52%); combustível (9,44% R$/km); ampliação de novas linhas e itinerários (2,37%); além de ar-condicionado (19,65% da frota – 400 veículos) e Wi-Fi (9,82% da frota – 200 veículos).

Conforme a Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), o valor do reajuste foi abaixo do proposto pelo Sindiônibus, de 20%, e obedece aos critérios de cálculo tarifário que foram analisados pela Etufor no período de dezembro de 2015 a novembro de 2016.