Motoristas do Uber rejeitam condições impostas por taxistas para regulamentação de serviço
DE ORELHA EM PÉ

Motoristas do Uber rejeitam condições impostas por taxistas para regulamentação de serviço

Associação de motoristas do aplicativo vê com maus olhos a repentina mudança de discurso por parte do Sindicato dos Taxistas

Por Lyvia Rocha em Mobilidade Urbana

30 de agosto de 2017 às 12:53

Há 3 semanas
O presidente da Associação não concorda com a regulamentação (FOTO: Divulgação)

O presidente da Associação não concorda com a regulamentação (FOTO: Divulgação)

Nesta quarta-feira (29), o Sindicato dos Taxistas do Ceará mudou de ideia e agora quer a regulamentação do serviço do Uber em Fortaleza. Porém, essa regulamentação proposta pela categoria não agrada os motoristas do aplicativo, por impor uma série de condições que inviabilizaria o negócio.

Como explica o presidente da associação de motoristas de transporte privado individual de passageiros, Antonio Evangelista, essa forma de regularização não é a ideal. “Esse reconhecimento por parte do Sindicato já estávamos esperando, mas a forma tal que ele quer buscar a regulamentação é inviável”, reclama.

A começar, por uma grande limitação no número de motoristas do Uber. “Temos hoje cerca de 5 mil motoristas e eles querem que apenas 500 sejam cadastrados. Isso não tem lógica, e ainda deixaria mais pessoas desempregadas”, argumenta.

Um das restrições que o sindicato pede é que os motoristas do Uber também tenham placa vermelha nos veículos, opção que o presidente da associação descarta. “Não tem sentido colocar placa vermelha, pois somos um serviço privado e não público. Realizar um cadastro na Etufor acho necessário. Mas pagar um valor absurdo, como eu sei que os taxistas pagam, acho desnecessário”, explica.

Outro argumento são os pontos fixos que os táxis terão e os motoristas do Uber não terão. “Nós não teremos pontos fixos, não teremos concessões de pontos, não teremos pontos em shopping. Essa regulamentação não pode acontecer, pois vai inviabilizar e colocar condições difíceis”, diz o presidente.

Além disso, o presidente acredita que o ideal seria se inspirar em São Paulo, onde os motoristas são cadastrados, regulamentados, mas não usam placa vermelha e nem pagam taxas e impostos abusivos.

Mudança de postura

Após a liberação das atividades dos motoristas da Uber pela Justiça, os taxistas de Fortaleza mudaram de ideia e agora querem a regulamentação do serviço de transporte privado de passageiros. De acordo com o presidente do Sindicato dos Taxistas do Ceará (Sinditáxi-CE), Vicente de Paula, os serviços do app devem ser submetidos a regras assim como os taxistas credenciados.

Para ele, a medida é uma forma da concorrente estrangeira atuar com as mesmas condições financeiras. “Nós mudamos de opinião. Queremos a regulamentação do serviço”, destaca Vicente.

Projeto de Lei

Tramita na Câmara Municipal de Fortaleza desde janeiro deste ano a proposta de regulamentação está sendo discutida na Câmara dos Vereadores para regulamentar o serviço da empresa em Fortaleza. A medida é de autoria do vereador Guilherme Sampaio (PT), que acredita que a proposta só trará benefícios.

De acordo com o projeto, os motoristas terão obrigação de se cadastrar no órgão gestor, assim como a empresa.  O projeto foi elaborado após discussão na Comissão Especial de Análise da Regulamentação do Serviço de Transporte Individual privado, presidida pelo vereador Ronivaldo Maia (PT). Guilherme Sampaio consultou taxistas, parceiros da Uber e dos táxis amigos e percebeu que “barrar esses serviços, que são inovadores, é andar na contramão do tempo”.

Publicidade

Dê sua opinião

DE ORELHA EM PÉ

Motoristas do Uber rejeitam condições impostas por taxistas para regulamentação de serviço

Associação de motoristas do aplicativo vê com maus olhos a repentina mudança de discurso por parte do Sindicato dos Taxistas

Por Lyvia Rocha em Mobilidade Urbana

30 de agosto de 2017 às 12:53

Há 3 semanas
O presidente da Associação não concorda com a regulamentação (FOTO: Divulgação)

O presidente da Associação não concorda com a regulamentação (FOTO: Divulgação)

Nesta quarta-feira (29), o Sindicato dos Taxistas do Ceará mudou de ideia e agora quer a regulamentação do serviço do Uber em Fortaleza. Porém, essa regulamentação proposta pela categoria não agrada os motoristas do aplicativo, por impor uma série de condições que inviabilizaria o negócio.

Como explica o presidente da associação de motoristas de transporte privado individual de passageiros, Antonio Evangelista, essa forma de regularização não é a ideal. “Esse reconhecimento por parte do Sindicato já estávamos esperando, mas a forma tal que ele quer buscar a regulamentação é inviável”, reclama.

A começar, por uma grande limitação no número de motoristas do Uber. “Temos hoje cerca de 5 mil motoristas e eles querem que apenas 500 sejam cadastrados. Isso não tem lógica, e ainda deixaria mais pessoas desempregadas”, argumenta.

Um das restrições que o sindicato pede é que os motoristas do Uber também tenham placa vermelha nos veículos, opção que o presidente da associação descarta. “Não tem sentido colocar placa vermelha, pois somos um serviço privado e não público. Realizar um cadastro na Etufor acho necessário. Mas pagar um valor absurdo, como eu sei que os taxistas pagam, acho desnecessário”, explica.

Outro argumento são os pontos fixos que os táxis terão e os motoristas do Uber não terão. “Nós não teremos pontos fixos, não teremos concessões de pontos, não teremos pontos em shopping. Essa regulamentação não pode acontecer, pois vai inviabilizar e colocar condições difíceis”, diz o presidente.

Além disso, o presidente acredita que o ideal seria se inspirar em São Paulo, onde os motoristas são cadastrados, regulamentados, mas não usam placa vermelha e nem pagam taxas e impostos abusivos.

Mudança de postura

Após a liberação das atividades dos motoristas da Uber pela Justiça, os taxistas de Fortaleza mudaram de ideia e agora querem a regulamentação do serviço de transporte privado de passageiros. De acordo com o presidente do Sindicato dos Taxistas do Ceará (Sinditáxi-CE), Vicente de Paula, os serviços do app devem ser submetidos a regras assim como os taxistas credenciados.

Para ele, a medida é uma forma da concorrente estrangeira atuar com as mesmas condições financeiras. “Nós mudamos de opinião. Queremos a regulamentação do serviço”, destaca Vicente.

Projeto de Lei

Tramita na Câmara Municipal de Fortaleza desde janeiro deste ano a proposta de regulamentação está sendo discutida na Câmara dos Vereadores para regulamentar o serviço da empresa em Fortaleza. A medida é de autoria do vereador Guilherme Sampaio (PT), que acredita que a proposta só trará benefícios.

De acordo com o projeto, os motoristas terão obrigação de se cadastrar no órgão gestor, assim como a empresa.  O projeto foi elaborado após discussão na Comissão Especial de Análise da Regulamentação do Serviço de Transporte Individual privado, presidida pelo vereador Ronivaldo Maia (PT). Guilherme Sampaio consultou taxistas, parceiros da Uber e dos táxis amigos e percebeu que “barrar esses serviços, que são inovadores, é andar na contramão do tempo”.