Fortaleza é a cidade-sede com maior índice de riscos para a Copa das Confederações


Fortaleza é a cidade-sede com maior índice de riscos na Copa das Confederações

A capital cearense tem o maior índice de riscos, basicamente concentrados na criminalidade comum e no risco de ataques a turistas

Por Roberta Tavares em Fortaleza

20 de maio de 2013 às 14:19

Há 6 anos
Um dos principais pontos turísticos de Fortaleza, a Beira-Mar tem altos índices de assaltos

Um dos principais pontos turísticos de Fortaleza, a Beira-Mar tem altos índices de assaltos (FOTO: Falcão Jr)

Fortaleza ainda tem de resolver falhas, principalmente relacionadas à segurança, para a Copa das Confederações, que acontece daqui a pouco menos de um mês.

Em outras quatro cidades-sede também foram registrados problemas: Brasília, Recife, Salvador e Rio de Janeiro, de acordo com a mais recente avaliação de risco preparada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Conforme a pesquisa, a capital cearense tem o maior índice de riscos altos (11%) basicamente concentrados na criminalidade comum e no risco de ataques a turistas.

Em seguida aparecem Salvador e Rio de Janeiro, com proporção de 7%. Enquanto na capital baiana o risco também é o crime comum, no Rio adiciona-se o crime organizado e as rotas que serão usadas pelas delegações. Já em Brasília, além do crime comum, o problema é o aeroporto, que não possui portas ou cercas para controlar o acesso das pessoas.

A Abin afirma que a única solução é o cumprimento das determinações pelas cidades-sede nos próximos dias.

Problemas em Fortaleza

Confirmando os dados da pesquisa, apenas de janeiro a março de 2013 foram registrados 366 Boletins de Ocorrência na Delegacia de Proteção ao Turista (Deprotur), em Fortaleza.

Os números preocupam e revelam aumento se comparados a 2012, quando foram contabilizados 317 BOs. Em todo o ano passado, foram 1.085. Apesar do levantamento, o comandante do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur), coronel Francisco Cláudio Mendonça, acredita que há poucos casos de violência contra turistas na capital.

“A gente tem que levar em consideração a quantidade de estrangeiros que visitam a nossa cidade, para poder relacionar ao número de ocorrências registradas. No fim das contas, a gente percebe que o número é irrisório”, ressalta.

O tipo de delito mais comum é roubo. “Eles puxam o colar, por exemplo, e saem correndo, algumas vezes para o mar, por isso temos patrulhamento marítimo para detê-los”, explica. De acordo com Mendonça, não existe registro de lesão corporal grave e nem de homicídios contra turistas.

Locais mais perigosos

Os principais focos de assalto são a Beira-Mar e a Praia do Futuro. “Praticamente 60% são registrados na Beira-Mar e os outros 40% na Praia do Futuro. Um dos motivos de o litoral ser alvo é a vizinhança. Ele é rodeado por comunidades carentes. E para completar, cerca de 90% das ocorrências são cometidas por adolescentes”, conta.

Copa das Confederações

Ao todo, 500 homens fazem o policiamento na Beira-Mar, Praia do Futuro, Aeroporto de Fortaleza e Rodoviária Engenheiro João Tomé. O objetivo é que o efetivo dobre, com o intuito de diminuir o número de ocorrências na Copa das Confederações.

Para poderem se comunicar com o turista, os policiais fazem cursos de língua estrangeira. “Nós capacitamos uma boa parte em língua inglesa. Nesse ano estamos fazendo capacitação em língua espanhola”. Mendonça afirma ainda que em todos os quatro pontos onde existe policiamento da BPTur há policiais bilíngues de plantão durante 24 horas.

Também existe formações básicas de receptividade ao turista e de policiamento contra a exploração sexual. “Quando o policial percebe características e objetivos diferentes do turista, ele já orienta sobre a conduta em determinados locais. É possível dizer que a exploração sexual já saiu de cena em Fortaleza”, afirma.

Número de turistas na capital

Conforme estatística divulgada pela Secretaria de Turismo, no primeiro trimestre deste ano foram recebidos 20,5 mil turistas no Ceará, representando crescimento de 27,69% em relação ao ano passado, quando 16 mil estrangeiros visitaram o estado.

Destes, os maiores emissores foram Itália (26,31%), Portugal (18,14%), Estados Unidos (5,54%), França (5,21%), Filipinas (5,2%) e Espanha (3,91%). Completam o ranking Austrália, Países Baixos, Suíça, Alemanha, Noruega e Cabo Verde.

Publicidade

Dê sua opinião

Fortaleza é a cidade-sede com maior índice de riscos na Copa das Confederações

A capital cearense tem o maior índice de riscos, basicamente concentrados na criminalidade comum e no risco de ataques a turistas

Por Roberta Tavares em Fortaleza

20 de maio de 2013 às 14:19

Há 6 anos
Um dos principais pontos turísticos de Fortaleza, a Beira-Mar tem altos índices de assaltos

Um dos principais pontos turísticos de Fortaleza, a Beira-Mar tem altos índices de assaltos (FOTO: Falcão Jr)

Fortaleza ainda tem de resolver falhas, principalmente relacionadas à segurança, para a Copa das Confederações, que acontece daqui a pouco menos de um mês.

Em outras quatro cidades-sede também foram registrados problemas: Brasília, Recife, Salvador e Rio de Janeiro, de acordo com a mais recente avaliação de risco preparada pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Conforme a pesquisa, a capital cearense tem o maior índice de riscos altos (11%) basicamente concentrados na criminalidade comum e no risco de ataques a turistas.

Em seguida aparecem Salvador e Rio de Janeiro, com proporção de 7%. Enquanto na capital baiana o risco também é o crime comum, no Rio adiciona-se o crime organizado e as rotas que serão usadas pelas delegações. Já em Brasília, além do crime comum, o problema é o aeroporto, que não possui portas ou cercas para controlar o acesso das pessoas.

A Abin afirma que a única solução é o cumprimento das determinações pelas cidades-sede nos próximos dias.

Problemas em Fortaleza

Confirmando os dados da pesquisa, apenas de janeiro a março de 2013 foram registrados 366 Boletins de Ocorrência na Delegacia de Proteção ao Turista (Deprotur), em Fortaleza.

Os números preocupam e revelam aumento se comparados a 2012, quando foram contabilizados 317 BOs. Em todo o ano passado, foram 1.085. Apesar do levantamento, o comandante do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur), coronel Francisco Cláudio Mendonça, acredita que há poucos casos de violência contra turistas na capital.

“A gente tem que levar em consideração a quantidade de estrangeiros que visitam a nossa cidade, para poder relacionar ao número de ocorrências registradas. No fim das contas, a gente percebe que o número é irrisório”, ressalta.

O tipo de delito mais comum é roubo. “Eles puxam o colar, por exemplo, e saem correndo, algumas vezes para o mar, por isso temos patrulhamento marítimo para detê-los”, explica. De acordo com Mendonça, não existe registro de lesão corporal grave e nem de homicídios contra turistas.

Locais mais perigosos

Os principais focos de assalto são a Beira-Mar e a Praia do Futuro. “Praticamente 60% são registrados na Beira-Mar e os outros 40% na Praia do Futuro. Um dos motivos de o litoral ser alvo é a vizinhança. Ele é rodeado por comunidades carentes. E para completar, cerca de 90% das ocorrências são cometidas por adolescentes”, conta.

Copa das Confederações

Ao todo, 500 homens fazem o policiamento na Beira-Mar, Praia do Futuro, Aeroporto de Fortaleza e Rodoviária Engenheiro João Tomé. O objetivo é que o efetivo dobre, com o intuito de diminuir o número de ocorrências na Copa das Confederações.

Para poderem se comunicar com o turista, os policiais fazem cursos de língua estrangeira. “Nós capacitamos uma boa parte em língua inglesa. Nesse ano estamos fazendo capacitação em língua espanhola”. Mendonça afirma ainda que em todos os quatro pontos onde existe policiamento da BPTur há policiais bilíngues de plantão durante 24 horas.

Também existe formações básicas de receptividade ao turista e de policiamento contra a exploração sexual. “Quando o policial percebe características e objetivos diferentes do turista, ele já orienta sobre a conduta em determinados locais. É possível dizer que a exploração sexual já saiu de cena em Fortaleza”, afirma.

Número de turistas na capital

Conforme estatística divulgada pela Secretaria de Turismo, no primeiro trimestre deste ano foram recebidos 20,5 mil turistas no Ceará, representando crescimento de 27,69% em relação ao ano passado, quando 16 mil estrangeiros visitaram o estado.

Destes, os maiores emissores foram Itália (26,31%), Portugal (18,14%), Estados Unidos (5,54%), França (5,21%), Filipinas (5,2%) e Espanha (3,91%). Completam o ranking Austrália, Países Baixos, Suíça, Alemanha, Noruega e Cabo Verde.