Tasso Jereissati diz que Ciro "está sendo incoerente" em trajetória política no Ceará

SENADOR

Tasso Jereissati diz que Ciro “está sendo incoerente” em trajetória política no Ceará

O ex-presidente do PSDB disse ainda que é “hipocrisia” o conflito em torno do apoio do governador do PT entre Ciro e Haddad

Por Tribuna do Ceará em Eleições 2018

13 de setembro de 2018 às 11:52

Há 2 meses
Tasso Jereissati foi padrinho político de Ciro. (Foto: Gerdan Wesley / PSDB)

Tasso Jereissati foi padrinho político de Ciro. (Foto: Gerdan Wesley / PSDB)

O senador Tasso Jereissati (PSDB) fez críticas a Ciro Gomes (PDT) e às articulações do PT no Ceará em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, divulgada nesta quinta-feira (13). O ex-presidente nacional do PSDB falou também sobre a trajetória do partido desde as eleições de 2014 e as estratégias para levar o presidenciável Geraldo Alckmin para o 2° turno.

Padrinho político do pedetista entre os anos 1980 e 1990, Tasso deixou aliança em 2010, quando os irmãos Ciro e Cid Gomes optaram por apoiar dobradinha entre Eunício Oliveira (MDB) e José Pimentel (PT) para o Senado.

“O Ciro de hoje é muito diferente do Ciro de ontem. Ele traçou o caminho dele, que eu discordo. Aqui no Ceará ele está sendo profundamente inconsistente e incoerente com sua trajetória política”, disse Tasso. O senador ressaltou que Ciro tem como alvo feroz de críticas o MDB, mas, no Ceará, “ele e o presidente do Senado estão unidos”.

Tasso disse ainda que o PT tem feito “vista grossa” para o conflito envolvendo o apoio do governador Camilo Santana (PT) ao candidato do partido Fernando Haddad.

“Aqui você tem no mesmo palanque do governador do PT 99% dos prefeitos, a máquina e o apoio do governo federal. Eunício é o homem do Temer aqui, e ele está ajudando o Camilo. (…) O PT não tem estrutura aqui. Quem tem é o grupo dos irmãos Ferreira Gomes. Camilo vai fazer campanha para o Haddad? Fica essa hipocrisia e os petistas fazem vista grossa”, pontou o tucano.

Geraldo Alckmin

Tasso acredita que o candidato do PSDB tem possibilidades de crescer nas intenções de voto no Ceará, mas tem ciência de que não será um crescimento capaz de superar o do ex-presidente Lula ou de Ciro.

Ele ressaltou que não houve grandes crescimentos nas pesquisas entre os candidatos até agora. A saída definitiva de Lula da disputa, acredita, resultará numa mudança mais consistente no comportamento do eleitorado.

Para Tasso, o PSDB já deveria apelar para o voto útil em prol de Alckmin. “Tem muito antipetista votando no Bolsonaro porque não quer a volta do PT”, destacou.

O senador ainda teceu críticas às estratégias do PSDB desde as eleições de 2014. Para ele, o partido errou ao questionar o resultado das eleições e votar contra princípios básicos da legenda, especialmente na economia, “só para ser contra o PT”.

O grande erro, no entanto, teria sido aliar-se ao governo Temer. “Foi a gota d’água, junto com os problemas do Aécio (Neves). Fomos engolidos pela tentação do poder”, afirmou.

Publicidade

Dê sua opinião

SENADOR

Tasso Jereissati diz que Ciro “está sendo incoerente” em trajetória política no Ceará

O ex-presidente do PSDB disse ainda que é “hipocrisia” o conflito em torno do apoio do governador do PT entre Ciro e Haddad

Por Tribuna do Ceará em Eleições 2018

13 de setembro de 2018 às 11:52

Há 2 meses
Tasso Jereissati foi padrinho político de Ciro. (Foto: Gerdan Wesley / PSDB)

Tasso Jereissati foi padrinho político de Ciro. (Foto: Gerdan Wesley / PSDB)

O senador Tasso Jereissati (PSDB) fez críticas a Ciro Gomes (PDT) e às articulações do PT no Ceará em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, divulgada nesta quinta-feira (13). O ex-presidente nacional do PSDB falou também sobre a trajetória do partido desde as eleições de 2014 e as estratégias para levar o presidenciável Geraldo Alckmin para o 2° turno.

Padrinho político do pedetista entre os anos 1980 e 1990, Tasso deixou aliança em 2010, quando os irmãos Ciro e Cid Gomes optaram por apoiar dobradinha entre Eunício Oliveira (MDB) e José Pimentel (PT) para o Senado.

“O Ciro de hoje é muito diferente do Ciro de ontem. Ele traçou o caminho dele, que eu discordo. Aqui no Ceará ele está sendo profundamente inconsistente e incoerente com sua trajetória política”, disse Tasso. O senador ressaltou que Ciro tem como alvo feroz de críticas o MDB, mas, no Ceará, “ele e o presidente do Senado estão unidos”.

Tasso disse ainda que o PT tem feito “vista grossa” para o conflito envolvendo o apoio do governador Camilo Santana (PT) ao candidato do partido Fernando Haddad.

“Aqui você tem no mesmo palanque do governador do PT 99% dos prefeitos, a máquina e o apoio do governo federal. Eunício é o homem do Temer aqui, e ele está ajudando o Camilo. (…) O PT não tem estrutura aqui. Quem tem é o grupo dos irmãos Ferreira Gomes. Camilo vai fazer campanha para o Haddad? Fica essa hipocrisia e os petistas fazem vista grossa”, pontou o tucano.

Geraldo Alckmin

Tasso acredita que o candidato do PSDB tem possibilidades de crescer nas intenções de voto no Ceará, mas tem ciência de que não será um crescimento capaz de superar o do ex-presidente Lula ou de Ciro.

Ele ressaltou que não houve grandes crescimentos nas pesquisas entre os candidatos até agora. A saída definitiva de Lula da disputa, acredita, resultará numa mudança mais consistente no comportamento do eleitorado.

Para Tasso, o PSDB já deveria apelar para o voto útil em prol de Alckmin. “Tem muito antipetista votando no Bolsonaro porque não quer a volta do PT”, destacou.

O senador ainda teceu críticas às estratégias do PSDB desde as eleições de 2014. Para ele, o partido errou ao questionar o resultado das eleições e votar contra princípios básicos da legenda, especialmente na economia, “só para ser contra o PT”.

O grande erro, no entanto, teria sido aliar-se ao governo Temer. “Foi a gota d’água, junto com os problemas do Aécio (Neves). Fomos engolidos pela tentação do poder”, afirmou.