Nem mimimi, nem oba-oba: um conselho a vencidos e vencedores na eleição

OPINIÃO

Nem mimimi, nem oba-oba: um conselho a vencidos e vencedores na eleição

Wanderley Filho destaca, em artigo, que as diferenças existem e são importantes, mas não devem ser confundidas com soberba ou com ressentimento, pelo bem do país

Por Wanderley Filho em Eleições 2018

29 de outubro de 2018 às 14:21

Há 7 meses

(IMAGEM: Esdras Nogueira/Tribuna do Ceará)

Clichês são sínteses superficiais que procuram contornar qualquer aprofundamento sobre o objeto em análise. Agora mesmo todos falam em unificação do Brasil.

O momento é de amenizar, de pacificar, de darmos as mãos e por aí vai. É um apelo bonito em nome da paz, mas que evita encarar a cisão de valores que separa apoiadores do presidente eleito Jair Bolsonaro, de eleitores do candidato escolhido por Lula, Fernando Haddad.

De todo modo, em certas circunstâncias, o clichê pode ter lá seus minutos de sabedoria. Se por um lado a concordância entre vencedores e derrotados sobre temas como política econômica e segurança pública é impossível, por outro lado o chamado à tolerância é importante alerta para a necessidade de dar tempo ao tempo, para assimilar os novos acontecimentos.

Pedir cautela agora não significa abdicar de convicções e diferenças, mas de entender que nas democracias representativas liberais, a alternância de poder é um pressuposto fundamental. Não é hora para o mimimi de quem não aceita a vontade da maioria dos eleitores que compareceram as urnas, nem de oba-oba dos que venceram a disputa, assumindo desafios monumentais para lá de preocupantes, como a redução nas taxas de homicídios e a volta do crescimento da economia.

A alternância no poder, com respeito aos espaços políticos da oposição, é uma das principais características da democracia. Aceitar a importância disso não impede o debate aberto sobre os graves problemas da nação, mas ajuda a encaminhá-los de forma racional, compreendendo que os ciclos de poder são naturais e que uma nova etapa se inicia. A eleição de Bolsonaro encerra um ciclo no governo federal iniciado em 2002 com a eleição de Lula, que por sua vez interrompeu outro ciclo comandado por Fernando Henrique Cardoso. É assim que funciona.

O momento agora, de parte a parte – perdão pelo clichê – é de amenizar os discursos eleitorais, de modo que as forças políticas possam  e organizar o planejamento para o próximo ciclo.

Publicidade

Dê sua opinião

OPINIÃO

Nem mimimi, nem oba-oba: um conselho a vencidos e vencedores na eleição

Wanderley Filho destaca, em artigo, que as diferenças existem e são importantes, mas não devem ser confundidas com soberba ou com ressentimento, pelo bem do país

Por Wanderley Filho em Eleições 2018

29 de outubro de 2018 às 14:21

Há 7 meses

(IMAGEM: Esdras Nogueira/Tribuna do Ceará)

Clichês são sínteses superficiais que procuram contornar qualquer aprofundamento sobre o objeto em análise. Agora mesmo todos falam em unificação do Brasil.

O momento é de amenizar, de pacificar, de darmos as mãos e por aí vai. É um apelo bonito em nome da paz, mas que evita encarar a cisão de valores que separa apoiadores do presidente eleito Jair Bolsonaro, de eleitores do candidato escolhido por Lula, Fernando Haddad.

De todo modo, em certas circunstâncias, o clichê pode ter lá seus minutos de sabedoria. Se por um lado a concordância entre vencedores e derrotados sobre temas como política econômica e segurança pública é impossível, por outro lado o chamado à tolerância é importante alerta para a necessidade de dar tempo ao tempo, para assimilar os novos acontecimentos.

Pedir cautela agora não significa abdicar de convicções e diferenças, mas de entender que nas democracias representativas liberais, a alternância de poder é um pressuposto fundamental. Não é hora para o mimimi de quem não aceita a vontade da maioria dos eleitores que compareceram as urnas, nem de oba-oba dos que venceram a disputa, assumindo desafios monumentais para lá de preocupantes, como a redução nas taxas de homicídios e a volta do crescimento da economia.

A alternância no poder, com respeito aos espaços políticos da oposição, é uma das principais características da democracia. Aceitar a importância disso não impede o debate aberto sobre os graves problemas da nação, mas ajuda a encaminhá-los de forma racional, compreendendo que os ciclos de poder são naturais e que uma nova etapa se inicia. A eleição de Bolsonaro encerra um ciclo no governo federal iniciado em 2002 com a eleição de Lula, que por sua vez interrompeu outro ciclo comandado por Fernando Henrique Cardoso. É assim que funciona.

O momento agora, de parte a parte – perdão pelo clichê – é de amenizar os discursos eleitorais, de modo que as forças políticas possam  e organizar o planejamento para o próximo ciclo.