Professora da UFC é selecionada para bolsa em programa internacional voltado para mulheres

MULHER NA CIÊNCIA

Professora da UFC é selecionada para bolsa em programa internacional voltado para mulheres

Doutora em Física, Hilma Macedo de Vasconcelos foi uma das 38 selecionadas de mais de 600 candidatas para uma bolsa de pós-doutorado

Por Daniel Rocha em Educação

21 de outubro de 2017 às 06:36

Há 1 mês

A professora foi uma das 38 selecionadas pelo programa de mais de 600 inscritas (FOTO: Divulgação)

Uma professora do Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) ganhou uma bolsa de pós-doutorado pelo programa Faculty for the Future, da Fundação Schlumberger. Professora do Departamento de Engenharia de Teleinformática da UFC, Hilma Macedo de Vasconcelos, foi uma das 38 contempladas pelo programa de mais de 600 candidatas.

Faculty For the Future é voltado para mulheres que atuam nas área das Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, concedendo bolsas de pós-doutorado. Além disso, está ligada com a maior empresa exportadora de petróleo do mundo.

Para ela, a conquista aumenta a representatividade da mulher no campos da ciência e da tecnologia que ainda é baixa, principalmente, no Brasil.

“Estudo recente feito pela Sociedade Brasileira de Física mostrou que as mulheres no Brasil são sub-representadas nos campos da ciência e tecnologia, e em particular na Física. Ao todo, 5% dos pesquisadores no topo da carreira são mulheres”, ressalta. Doutora em física, a docente já realiza trabalhos no exterior.

Este cenário também é comum nos cursos nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática . Segundo ela, apenas 30% dos estudantes nos cursos de engenharia no Brasil são formados por mulheres. “Infelizmente, nem mesmo esta proporção de 1/3 está presentes em muitos departamentos do CT. O departamento onde trabalho tem 25 professores, dos quais apenas quatro são mulheres, ou seja, 16% do total”, ressaltou.

De acordo com a cientista, a população feminina poderia contribuir ainda mais para os trabalhos e pesquisas nos centros de tecnologias do País se acreditasse em sua capacidade. Ela ressalta que o papel para a redução da desigualdade de gênero é tanto da mulher quanto do homem.

“Superar as dificuldades de estar em uma área predominantemente masculina nos torna pessoas mais resistentes e capazes de enfrentar desafios futuros. Podemos contribuir na redução da desigualdade de gênero em STEM sendo um modelo de profissional que inspire jovens mulheres a seguir carreira em uma dessas áreas. Os homens também podem e devem participar na busca da redução da desigualdade de gênero”, declara.

Atualmente, Hilma está realizando um estágio pós-doutoral pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST – sigla em inglês), nos Estados Unidos, em parceria com a Universidade do Colorado em Boulder. O trabalho tem como objetivo de oferecer técnicas de análises de dados para tomografia de estados quânticos para a construção de computadores especializados.

Publicidade

Dê sua opinião

MULHER NA CIÊNCIA

Professora da UFC é selecionada para bolsa em programa internacional voltado para mulheres

Doutora em Física, Hilma Macedo de Vasconcelos foi uma das 38 selecionadas de mais de 600 candidatas para uma bolsa de pós-doutorado

Por Daniel Rocha em Educação

21 de outubro de 2017 às 06:36

Há 1 mês

A professora foi uma das 38 selecionadas pelo programa de mais de 600 inscritas (FOTO: Divulgação)

Uma professora do Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) ganhou uma bolsa de pós-doutorado pelo programa Faculty for the Future, da Fundação Schlumberger. Professora do Departamento de Engenharia de Teleinformática da UFC, Hilma Macedo de Vasconcelos, foi uma das 38 contempladas pelo programa de mais de 600 candidatas.

Faculty For the Future é voltado para mulheres que atuam nas área das Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, concedendo bolsas de pós-doutorado. Além disso, está ligada com a maior empresa exportadora de petróleo do mundo.

Para ela, a conquista aumenta a representatividade da mulher no campos da ciência e da tecnologia que ainda é baixa, principalmente, no Brasil.

“Estudo recente feito pela Sociedade Brasileira de Física mostrou que as mulheres no Brasil são sub-representadas nos campos da ciência e tecnologia, e em particular na Física. Ao todo, 5% dos pesquisadores no topo da carreira são mulheres”, ressalta. Doutora em física, a docente já realiza trabalhos no exterior.

Este cenário também é comum nos cursos nas áreas de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática . Segundo ela, apenas 30% dos estudantes nos cursos de engenharia no Brasil são formados por mulheres. “Infelizmente, nem mesmo esta proporção de 1/3 está presentes em muitos departamentos do CT. O departamento onde trabalho tem 25 professores, dos quais apenas quatro são mulheres, ou seja, 16% do total”, ressaltou.

De acordo com a cientista, a população feminina poderia contribuir ainda mais para os trabalhos e pesquisas nos centros de tecnologias do País se acreditasse em sua capacidade. Ela ressalta que o papel para a redução da desigualdade de gênero é tanto da mulher quanto do homem.

“Superar as dificuldades de estar em uma área predominantemente masculina nos torna pessoas mais resistentes e capazes de enfrentar desafios futuros. Podemos contribuir na redução da desigualdade de gênero em STEM sendo um modelo de profissional que inspire jovens mulheres a seguir carreira em uma dessas áreas. Os homens também podem e devem participar na busca da redução da desigualdade de gênero”, declara.

Atualmente, Hilma está realizando um estágio pós-doutoral pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST – sigla em inglês), nos Estados Unidos, em parceria com a Universidade do Colorado em Boulder. O trabalho tem como objetivo de oferecer técnicas de análises de dados para tomografia de estados quânticos para a construção de computadores especializados.