Estudantes de escola de Granja criam app que gerencia uso da água no chuveiro

ALIADO CONTRA A SECA

Estudantes de escola de Granja criam app que gerencia uso da água no chuveiro

Os jovens inventaram o Consustime, aplicativo que comanda um “chuveiro inteligente”, e controlar a quantidade de água usada

Por Crisneive Silveira em Educação

13 de Fevereiro de 2018 às 07:00

Há 7 meses

Alunos que estiveram à frente do projeto com a diretora da escola e o professor orientador (FOTO: Reprodução/Facebook)

Há seis anos o Ceará vem passando por um dos períodos mais difíceis de seca. Por isso, alunos do 3º ano técnico de Agropecuária, da Escola Estadual de Educação Profissional Guilherme Teles Gouveia, na cidade de Granja, a 300 km de Fortaleza, uniram criatividade e tecnologia a serviço da comunidade e da natureza.

Eles criaram o Consustime, aplicativo que comanda um “chuveiro inteligente”, e é capaz de medir e controlar a quantidade de água usada em uma casa ou qualquer estabelecimento. O projeto foi premiado em concurso apoiado pela Unesco (Organização das Nações Unidas) e pela Organização dos Estados Íbero-Americanos.

Consustime, o App

O Consustime, sigla criada para Tempo de Consumo Sustentável, é um aplicativo que se conecta ao chuveiro através de comando eletrônico e sensor de bluetooth. Tudo se conecta com um chuveiro comum, válvula solenóide, medidor de vazão e dois arduínos. No sistema de controle instalado no equipamento, é possível regular o tempo de banho e quantidade de litros gastos. Além disso, ainda é possível programar a quantidade de litros que podem ser gastos e o chuveiro desliga, se aberto ou fechado, caso chegue ao limite estipulado para uso. Na O app está disponível para download para Android.

Nelson Filho, de 18 anos, deu o “start” da ideia que surgiu para a feira de ciências da escola. A necessidade de usar de maneira eficiente a água do local, que não possui fonte potável e é abastecida com carro-pipa foi a motivação.

O professor Marcos Deames coordenou e toda a turma abraçou o projeto. Ao todo, 25 pessoas participaram do processo. O plano inicial era gerar energia com água através de uma mini-hidrelétrica. Mas desenvolveram a ideia até chegar ao app.

“A gente sabe que tem que economizar água. A gente viu que é um problema geral e buscamos aplicar onde é mais próximo da gente. No caso, na nossa comunidade. Na casa de alguns colegas de sala, etc. Teve uma repercussão muito boa”, disse Nilson, que terminou os estudos na escola em 2017 e tem a robótica apenas como hobby.

Os custos para o projeto foram mínimos. Mas a escola, que fica no Sítio Iperuy, a 7 km de Granja, e os funcionários ajudaram dentro do possível. A maior dificuldade foi finalizar o protótipo e implementar. Cada um colaborou como pode: uns mais afinados com a tecnologia, outros nas redes sociais, outros escrevendo, pesquisando…

“A escola incentivou a pesquisa e quando a gente ia pedir alguma coisa, eles sempre davam um jeito de conseguir. Como a gente estuda numa escola agrícola, ela é afastada da cidade. Todo mundo ajudou pra contribuir com cola, fita isolante… Desde o incentivo até os recursos, na medida do possível”, disse Nilson Filho.

O trabalho começou em março e terminou em setembro de 2017. A cada etapa de construção, o desafio era tornar o produto melhor com soluções viáveis. E sempre visando a praticidade, a tecnologia e chamar atenção das pessoas através da tecnologia. O intuito é patentear o produto.

“O uso do app vai muito de encontro aos jovens, de conseguir fazer essa conscientização deles e com eles, de ter interatividade, trazer para o dia a dia. A coisa da conectividade foi ponto indispensável para se tornar atrativo”, explica o professor Márcio Deames, que lembra também da interatividade com os usuários através das redes sociais através de memes na página do produto no Facebook, além de dicas sobre consumo consciente.

Reconhecimento

A intenção é, também, alertar novas e futuras gerações para o uso consciente do recurso natural. Foi com esse projeto que venceram o prêmio da 4ª edição do Respostas Para o Amanhã, apoiado pela Unesco (Organização das Nações Unidas) e pela Organização dos Estados Íbero-Americanos, entre outras instituições. Professores e alunos de todo o Brasil estavam na competição, que visa desenvolver projetos voltados para as áreas de Ciências da Natureza e Matemática que apoiem as comunidades onde vivem.

“A partir do momento em que eles desenvolvem o projeto, eles têm mais vontade de estudar. Eu cobro boas notas deles. Não só receber conhecimento, mas fazer com que produzam conhecimento. Eles se desenvolveram e amadureceram. Não é só na sala de aula, é conversando, errando, participando, sempre com responsabilidade, e fazendo com que se sintam mais parte da escola. Essa é a grande vitória”, disse o professor de 31 anos, que ensina há quatro na escola.

Mas o Consustime não é só “a economia que faltava em seu banho” nem um projeto que foi premiado, é uma ideia que quer fazer a diferença na sociedade. O intuito é implementar a ferramenta interativa em outras escolas da cidade e até residências, e contribuir para a educação dos cidadãos no uso consciente dos recursos hídricos.

Publicidade

Dê sua opinião

ALIADO CONTRA A SECA

Estudantes de escola de Granja criam app que gerencia uso da água no chuveiro

Os jovens inventaram o Consustime, aplicativo que comanda um “chuveiro inteligente”, e controlar a quantidade de água usada

Por Crisneive Silveira em Educação

13 de Fevereiro de 2018 às 07:00

Há 7 meses

Alunos que estiveram à frente do projeto com a diretora da escola e o professor orientador (FOTO: Reprodução/Facebook)

Há seis anos o Ceará vem passando por um dos períodos mais difíceis de seca. Por isso, alunos do 3º ano técnico de Agropecuária, da Escola Estadual de Educação Profissional Guilherme Teles Gouveia, na cidade de Granja, a 300 km de Fortaleza, uniram criatividade e tecnologia a serviço da comunidade e da natureza.

Eles criaram o Consustime, aplicativo que comanda um “chuveiro inteligente”, e é capaz de medir e controlar a quantidade de água usada em uma casa ou qualquer estabelecimento. O projeto foi premiado em concurso apoiado pela Unesco (Organização das Nações Unidas) e pela Organização dos Estados Íbero-Americanos.

Consustime, o App

O Consustime, sigla criada para Tempo de Consumo Sustentável, é um aplicativo que se conecta ao chuveiro através de comando eletrônico e sensor de bluetooth. Tudo se conecta com um chuveiro comum, válvula solenóide, medidor de vazão e dois arduínos. No sistema de controle instalado no equipamento, é possível regular o tempo de banho e quantidade de litros gastos. Além disso, ainda é possível programar a quantidade de litros que podem ser gastos e o chuveiro desliga, se aberto ou fechado, caso chegue ao limite estipulado para uso. Na O app está disponível para download para Android.

Nelson Filho, de 18 anos, deu o “start” da ideia que surgiu para a feira de ciências da escola. A necessidade de usar de maneira eficiente a água do local, que não possui fonte potável e é abastecida com carro-pipa foi a motivação.

O professor Marcos Deames coordenou e toda a turma abraçou o projeto. Ao todo, 25 pessoas participaram do processo. O plano inicial era gerar energia com água através de uma mini-hidrelétrica. Mas desenvolveram a ideia até chegar ao app.

“A gente sabe que tem que economizar água. A gente viu que é um problema geral e buscamos aplicar onde é mais próximo da gente. No caso, na nossa comunidade. Na casa de alguns colegas de sala, etc. Teve uma repercussão muito boa”, disse Nilson, que terminou os estudos na escola em 2017 e tem a robótica apenas como hobby.

Os custos para o projeto foram mínimos. Mas a escola, que fica no Sítio Iperuy, a 7 km de Granja, e os funcionários ajudaram dentro do possível. A maior dificuldade foi finalizar o protótipo e implementar. Cada um colaborou como pode: uns mais afinados com a tecnologia, outros nas redes sociais, outros escrevendo, pesquisando…

“A escola incentivou a pesquisa e quando a gente ia pedir alguma coisa, eles sempre davam um jeito de conseguir. Como a gente estuda numa escola agrícola, ela é afastada da cidade. Todo mundo ajudou pra contribuir com cola, fita isolante… Desde o incentivo até os recursos, na medida do possível”, disse Nilson Filho.

O trabalho começou em março e terminou em setembro de 2017. A cada etapa de construção, o desafio era tornar o produto melhor com soluções viáveis. E sempre visando a praticidade, a tecnologia e chamar atenção das pessoas através da tecnologia. O intuito é patentear o produto.

“O uso do app vai muito de encontro aos jovens, de conseguir fazer essa conscientização deles e com eles, de ter interatividade, trazer para o dia a dia. A coisa da conectividade foi ponto indispensável para se tornar atrativo”, explica o professor Márcio Deames, que lembra também da interatividade com os usuários através das redes sociais através de memes na página do produto no Facebook, além de dicas sobre consumo consciente.

Reconhecimento

A intenção é, também, alertar novas e futuras gerações para o uso consciente do recurso natural. Foi com esse projeto que venceram o prêmio da 4ª edição do Respostas Para o Amanhã, apoiado pela Unesco (Organização das Nações Unidas) e pela Organização dos Estados Íbero-Americanos, entre outras instituições. Professores e alunos de todo o Brasil estavam na competição, que visa desenvolver projetos voltados para as áreas de Ciências da Natureza e Matemática que apoiem as comunidades onde vivem.

“A partir do momento em que eles desenvolvem o projeto, eles têm mais vontade de estudar. Eu cobro boas notas deles. Não só receber conhecimento, mas fazer com que produzam conhecimento. Eles se desenvolveram e amadureceram. Não é só na sala de aula, é conversando, errando, participando, sempre com responsabilidade, e fazendo com que se sintam mais parte da escola. Essa é a grande vitória”, disse o professor de 31 anos, que ensina há quatro na escola.

Mas o Consustime não é só “a economia que faltava em seu banho” nem um projeto que foi premiado, é uma ideia que quer fazer a diferença na sociedade. O intuito é implementar a ferramenta interativa em outras escolas da cidade e até residências, e contribuir para a educação dos cidadãos no uso consciente dos recursos hídricos.