Estudantes criam sistema de filtragem de água baseada em luz solar

EMPREENDEDORISMO

Estudantes criam sistema de filtragem de água baseada em luz solar

O projeto tem o proposito de ajudar a resolver um dos maiores problemas que é o acesso à água potável; ele foi desenvolvido por três estudantes, sendo um deles cearense

Por Tribuna do Ceará em Educação

16 de dezembro de 2018 às 07:15

Há 3 meses

Esse é um sistema mecatrônico de filtragem baseado em luz solar (FOTO: Divulgação)

Soluções sustentáveis são ótimas oportunidades para o empreendedorismo, e importantes para gerar resultados positivos dentro de empresas. A estudante cearense Letícia Nunes Bezerra, aluna de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Ceará (UFC), criou juntamente com mais dois estudantes da Bahia o projeto Aqualuz.

Esse é um sistema mecatrônico de filtragem baseado em luz solar, com propósito de ajudar a resolver um dos maiores problemas de acesso à água potável, que afeta a região do semiárido.

Além de Letícia, os alunos baianos Anna Luísa Santos, estudante de Biotecnologia, e Lucas Gama, estudante de Ciências da Computação da Universidade Federal da Bahia, também fazem parte da equipe. O projeto consiste em criar um sistema de filtragem de água baseada em luz solar.

De acordo com os estudantes, a ideia é simples e sustentável. “Voltada para experiência do usuário, queremos incentivar a responsabilidade socioambiental corporativa”.

Aqualuz

O sistema do projeto desenvolvido por estudantes funciona através de reutilização de água de cisternas. “Ele é um sistema de filtração para diminuir a turbidez da água”. No primeiro passo, a água passa por um filtro feito de sisal. Segundo a estudante Letícia, o filtro é ecológico. “Depois da utilização, ele vira adubo”.

Após passar pelo filtro, a água fica armazenada na caixa. “Aí que entra a segunda parte do sistema: ela fica exposta ao sol”. A radiação ultravioleta e a auto temperatura ativam o chamado DNA de patógenos. “Depois do ciclo de 4 horas, essa água já está pronta para uso”.

Segundo a estudante, o sistema é de uso simples. “O usuário já pode retirar a água da caixa através de uma torneira normal”. Ele será vendido para empresas e ONGs utilizarem e resolverem o problema de falta de água em regiões do semiárido.

Estudantes da UFC e UFBA desenvolveram o projeto (FOTO: Divulgação)

Estudantes da UFC e UFBA desenvolveram o projeto (FOTO: Divulgação)

Publicidade

Dê sua opinião

EMPREENDEDORISMO

Estudantes criam sistema de filtragem de água baseada em luz solar

O projeto tem o proposito de ajudar a resolver um dos maiores problemas que é o acesso à água potável; ele foi desenvolvido por três estudantes, sendo um deles cearense

Por Tribuna do Ceará em Educação

16 de dezembro de 2018 às 07:15

Há 3 meses

Esse é um sistema mecatrônico de filtragem baseado em luz solar (FOTO: Divulgação)

Soluções sustentáveis são ótimas oportunidades para o empreendedorismo, e importantes para gerar resultados positivos dentro de empresas. A estudante cearense Letícia Nunes Bezerra, aluna de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Ceará (UFC), criou juntamente com mais dois estudantes da Bahia o projeto Aqualuz.

Esse é um sistema mecatrônico de filtragem baseado em luz solar, com propósito de ajudar a resolver um dos maiores problemas de acesso à água potável, que afeta a região do semiárido.

Além de Letícia, os alunos baianos Anna Luísa Santos, estudante de Biotecnologia, e Lucas Gama, estudante de Ciências da Computação da Universidade Federal da Bahia, também fazem parte da equipe. O projeto consiste em criar um sistema de filtragem de água baseada em luz solar.

De acordo com os estudantes, a ideia é simples e sustentável. “Voltada para experiência do usuário, queremos incentivar a responsabilidade socioambiental corporativa”.

Aqualuz

O sistema do projeto desenvolvido por estudantes funciona através de reutilização de água de cisternas. “Ele é um sistema de filtração para diminuir a turbidez da água”. No primeiro passo, a água passa por um filtro feito de sisal. Segundo a estudante Letícia, o filtro é ecológico. “Depois da utilização, ele vira adubo”.

Após passar pelo filtro, a água fica armazenada na caixa. “Aí que entra a segunda parte do sistema: ela fica exposta ao sol”. A radiação ultravioleta e a auto temperatura ativam o chamado DNA de patógenos. “Depois do ciclo de 4 horas, essa água já está pronta para uso”.

Segundo a estudante, o sistema é de uso simples. “O usuário já pode retirar a água da caixa através de uma torneira normal”. Ele será vendido para empresas e ONGs utilizarem e resolverem o problema de falta de água em regiões do semiárido.

Estudantes da UFC e UFBA desenvolveram o projeto (FOTO: Divulgação)

Estudantes da UFC e UFBA desenvolveram o projeto (FOTO: Divulgação)