Estudante do cursinho pré-vestibular da Uece passa em Medicina na UFC
ORGULHO

Estudante do cursinho pré-vestibular da Uece passa em Medicina na UFC

Luiz Guilherme, de 17 anos, era estudante de escola pública e oriundo de uma família pobre do Ceará

Por Matheus Ribeiro em Educação

17 de fevereiro de 2017 às 07:00

Há 2 meses

Luiz Guilherme foi um dos recem aprovados em Medicina da UFC (FOTO: Divulgação UECE)

Aprovação em Medicina exige uma dedicação acima da média. Para ingressar na universidade, é necessário que o estudante trace um plano de estudos diferenciado e dedique com afinco as matérias específicas. Foi exatamente isso que o estudante do curso Pré-Vestibular (UeceVest) da Universidade Estadual do Ceará (Uece) Luiz Guilherme Vasconcelos Barbosa fez.

Aos 17 anos, o cearense é um dos recém-aprovados no curso oferecido pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Para o aluno, que é oriundo de escola pública e de família de baixa renda, a dedicação foi essencial para a sua aprovação.

“Cursei o pré-vestibular da Uece durante seis meses, mas a rotina de estudos havia começado em novembro, há um ano do Enem. Para otimizar o tempo, seguia a sequência das matérias de acordo com área de conhecimento. Estudava uma média de sete a oito horas por dia, contando com as aulas do cursinho. Nos fins de semana, diminuí o ritmo para seis horas de estudo e o resto do tempo destinava aos momentos de lazer”, detalhou.

Apesar da manter um foco e dedicação exclusiva, o apoio familiar é fundamental neste processo. “Tive o estímulo da família e de amigos que são muito importantes nessa fase. Ficava no pré-vestibular das 13h30 às 17h30 de segunda a sexta. Preferia estudar lá porque era um ambiente em que sofria menos estímulos externos que pudessem me atrapalhar, além de que sempre havia alguém para sanar as minhas dúvidas”. 

Além da dedicação na semana, Luiz Guilherme usava também os fins de semana para reforçar os conhecimentos. Aos sábados e domingos, o jovem fazia simulados de provas antigas do Enem e descansava.

“Durante o período de estudo para o certame, jamais desisti do meu sonho e hoje não me arrependo de nenhum dia a mais que demorei para passar e não faria nada de maneira diferente. Aprovação em Medicina exige uma dedicação acima da média”, explica.

Dicas 

Para conseguir mandar o esforço e a dedicação em dia, Luiz Guilherme diz que é preciso estudar mais o seu próprio ponto fraco. “Para quem quer passar para o curso de Medicina, a minha dica é que o estudante foque na matéria na qual tem dificuldade e se dedique a ela, fazendo uma específica, especialmente nas áreas de Ciências da Natureza, Matemática e, claro, Redação, pois próximo ano a UFC pretende adotar pesos nas notas. No começo pode ser difícil, mas com o tempo ganha-se confiança, especialmente ao praticar bastante”, opina.

Universidade ficou atrás apenas da UFMG e da UFPE (FOTO: Divulgação)

Curso mais procurado

Além da ampla concorrência, o curso de Medicina, no qual Luiz Guilherme escolheu, foi o mais procurado por estudantes. De acordo com a UFC, das 140.849 inscrições que a instituição recebeu no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2017, a maioria foi para o curso de Medicina, em Fortaleza. O curso teve 5.143 candidatos inscritos para 160 vagas, gerando uma concorrência de 32 candidatos por vaga.

As notas de corte mais elevadas na UFC nesta Chamada Regular foram registradas na ampla concorrência para os cursos de Medicina em Fortaleza e Sobral: 799,36 e 792,36, respectivamente.

Concorrência

A disputa por uma vaga na universidade não foi realmente fácil para Luiz Guilherme. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), a UFC mais uma vez esteve entre as três instituições mais procuradas por estudantes universitários do Brasil, em 2017.

O levantamento do MEC apontou que a universidade cearense, que teve quase 141 mil inscrições, ficou atrás apenas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que teve 171 mil alunos inscritos, e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com 144 mil inscrições.

Com isso, a universidade cearense ficou entre as dez maiores instituições de ensino superior do pais. Isso porque passou da 12ª para a 10ª posição no Ranking Web of Universities. Os dados fazem parte da edição de janeiro deste ano. O ranking é elaborado pelo Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), órgão vinculado ao Ministério da Educação da Espanha.

O ranking mundial também contou com avanço da UFC. A instituição passou da posição 666, ocupada no segundo semestre do ano passado, para a de número 600. São pesquisadas 11.995 instituições no mundo inteiro.

Publicidade

Dê sua opinião

ORGULHO

Estudante do cursinho pré-vestibular da Uece passa em Medicina na UFC

Luiz Guilherme, de 17 anos, era estudante de escola pública e oriundo de uma família pobre do Ceará

Por Matheus Ribeiro em Educação

17 de fevereiro de 2017 às 07:00

Há 2 meses

Luiz Guilherme foi um dos recem aprovados em Medicina da UFC (FOTO: Divulgação UECE)

Aprovação em Medicina exige uma dedicação acima da média. Para ingressar na universidade, é necessário que o estudante trace um plano de estudos diferenciado e dedique com afinco as matérias específicas. Foi exatamente isso que o estudante do curso Pré-Vestibular (UeceVest) da Universidade Estadual do Ceará (Uece) Luiz Guilherme Vasconcelos Barbosa fez.

Aos 17 anos, o cearense é um dos recém-aprovados no curso oferecido pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Para o aluno, que é oriundo de escola pública e de família de baixa renda, a dedicação foi essencial para a sua aprovação.

“Cursei o pré-vestibular da Uece durante seis meses, mas a rotina de estudos havia começado em novembro, há um ano do Enem. Para otimizar o tempo, seguia a sequência das matérias de acordo com área de conhecimento. Estudava uma média de sete a oito horas por dia, contando com as aulas do cursinho. Nos fins de semana, diminuí o ritmo para seis horas de estudo e o resto do tempo destinava aos momentos de lazer”, detalhou.

Apesar da manter um foco e dedicação exclusiva, o apoio familiar é fundamental neste processo. “Tive o estímulo da família e de amigos que são muito importantes nessa fase. Ficava no pré-vestibular das 13h30 às 17h30 de segunda a sexta. Preferia estudar lá porque era um ambiente em que sofria menos estímulos externos que pudessem me atrapalhar, além de que sempre havia alguém para sanar as minhas dúvidas”. 

Além da dedicação na semana, Luiz Guilherme usava também os fins de semana para reforçar os conhecimentos. Aos sábados e domingos, o jovem fazia simulados de provas antigas do Enem e descansava.

“Durante o período de estudo para o certame, jamais desisti do meu sonho e hoje não me arrependo de nenhum dia a mais que demorei para passar e não faria nada de maneira diferente. Aprovação em Medicina exige uma dedicação acima da média”, explica.

Dicas 

Para conseguir mandar o esforço e a dedicação em dia, Luiz Guilherme diz que é preciso estudar mais o seu próprio ponto fraco. “Para quem quer passar para o curso de Medicina, a minha dica é que o estudante foque na matéria na qual tem dificuldade e se dedique a ela, fazendo uma específica, especialmente nas áreas de Ciências da Natureza, Matemática e, claro, Redação, pois próximo ano a UFC pretende adotar pesos nas notas. No começo pode ser difícil, mas com o tempo ganha-se confiança, especialmente ao praticar bastante”, opina.

Universidade ficou atrás apenas da UFMG e da UFPE (FOTO: Divulgação)

Curso mais procurado

Além da ampla concorrência, o curso de Medicina, no qual Luiz Guilherme escolheu, foi o mais procurado por estudantes. De acordo com a UFC, das 140.849 inscrições que a instituição recebeu no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2017, a maioria foi para o curso de Medicina, em Fortaleza. O curso teve 5.143 candidatos inscritos para 160 vagas, gerando uma concorrência de 32 candidatos por vaga.

As notas de corte mais elevadas na UFC nesta Chamada Regular foram registradas na ampla concorrência para os cursos de Medicina em Fortaleza e Sobral: 799,36 e 792,36, respectivamente.

Concorrência

A disputa por uma vaga na universidade não foi realmente fácil para Luiz Guilherme. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), a UFC mais uma vez esteve entre as três instituições mais procuradas por estudantes universitários do Brasil, em 2017.

O levantamento do MEC apontou que a universidade cearense, que teve quase 141 mil inscrições, ficou atrás apenas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que teve 171 mil alunos inscritos, e da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com 144 mil inscrições.

Com isso, a universidade cearense ficou entre as dez maiores instituições de ensino superior do pais. Isso porque passou da 12ª para a 10ª posição no Ranking Web of Universities. Os dados fazem parte da edição de janeiro deste ano. O ranking é elaborado pelo Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), órgão vinculado ao Ministério da Educação da Espanha.

O ranking mundial também contou com avanço da UFC. A instituição passou da posição 666, ocupada no segundo semestre do ano passado, para a de número 600. São pesquisadas 11.995 instituições no mundo inteiro.