Dois projetos de professores cearenses são vencedores de prêmio do MEC

EDUCAÇÃO

Dois projetos de professores cearenses são vencedores de prêmio do MEC

Os projetos de escolas de Icapuí e Crato venceram a etapa regional do 10º Prêmio Professores do Brasil

Por Lucas Barbosa em Educação

17 de novembro de 2017 às 07:00

Há 4 semanas

Estudantes de Redonda, em Icapuí, fizeram videoreportagem debatendo a questão da água na localidade (FOTO: Acervo Pessoal)

Dois projetos de professores cearenses estão entre os vencedores da etapa regional do 10º Prêmio Professores do Brasil, promovido pelo Ministério da Educação (MEC). São eles: Água, Fonte de Vida em Redonda, da professora Mari Cecília Silvestre da Silva, da Escola de Ensino Fundamental Horizonte da Cidadania, localizada em Icapuí (a 205 quilômetros da Capital); e Revista Discentes: Um Sentido para a Produção Textual do Ensino Médio no Estado do Ceará, do professor Rodrigo Nóbrega Martins, da Escola de Ensino Fundamental e Médio Estado da Bahia, localizada em Crato (a 507 quilômetros da Capital).

Eles foram premiados, respectivamente, nas categorias Ensino Fundamental: Anos Finais: 6º ao 9º Ano e Ensino Médio. Água, Fonte de Vida em Redonda também foi premiada em uma categoria especial, Conservação e uso consciente da água. Receberão, cada um, além de troféu, R$ 7 mil e inscrição em um programa de capacitação ofertado na Irlanda, apoiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). As escolas em que trabalham receberão equipamentos de informática com conteúdo educativo.

Os dois ainda ganharam o direito de concorrer à etapa nacional da premiação, em que disputam, em suas respectivas categorias, com os projetos vencedores das demais regiões. O anúncio dos vencedores nesta etapa deve sair na primeira quinzena de dezembro. Além dos prêmios já recebidos, os ganhadores da etapa nacional receberão mais R$ 5 mil cada e um segundo troféu.

Haviam chegado à final da etapa regional do prêmio seis projetos cearenses, um em cada uma de suas seis categorias— veja clicando aqui os projetos indicados nessa etapa. Em Água, Fonte de Vida em Redonda, os alunos produziram uma vídeo-reportagem, dividida em quatro episódios, em que mostram  a relação da população da Praia da Redonda com os recursos hídricos.

Em entrevistas, mas também valendo-se de recursos teatrais, os usos da água, as dificuldades no abastecimento, a luta contra a escassez e a importância da preservação desse recurso são abordados na produção.

“Este projeto de intervenção buscou investigar como as tecnologias digitais podem ser aplicadas à educação contribuindo com processos de aprendizagens voltados para a renovação das competências e habilidades até então tidas como próprias da escola”, detalha Mari Cecília Silvestre no resumo do projeto enviado ao MEC.

Confira o primeiro episódio da série feita pelos alunos:

 

Revista Discentes: Um Sentido para a Produção Textual do Ensino Médio no Estado do Ceará, por sua vez, também se baseia no gênero jornalístico. A revista é uma plataforma de divulgação das produções textuais dos estudantes, do Ensino de Jovens e Adolescentes (EJA). A iniciativa, conforme Rodrigo, mudou “radicalmente” a forma como a a turma encarava as aulas de redação.

Capa da revista Discentes, “a revista do Ensino Médio do Ceará”. (FOTO: Reprodução)

Se antes, a atividade era encarada como chata e enfadonha, hoje, ela se toma de um entusiasmo difícil mesmo de relatar em palavras“, ele diz em vídeo de divulgação da atividade.

O engajamento foi tamanho, ele cita, que proporcionou, até mesmo, a volta de estudantes vítimas de evasão escolar. A revista passou, inclusive, a receber textos de alunos de outras escolas, fora mesmo até do Cariri. “Verifico que a criação da revista Discente tem nos dado a oportunidade de socializar de modo bem mais eficiente o que se produz em uma escola de ensino médio do estado do Ceará”.

A revista conta com produções como uma entrevista feita com o professor Luciano Guedes, ele também um vencedor do Professores do Brasil, em 2011. Para Discentes, ele conta um pouco do projeto que o fez vencedor do prêmio, o Sustentabilidade no Monitoramento e controle do Aedes Aegypti: uma alternativa ecossistêmica para uma problemática nacional. “A execução abrangeu diversas ações educativas que foram desenvolvidas concomitantemente ao trabalho investigativo”, conta ele.

“Dentre elas podemos destacar as oficinas de educação ambiental e de literatura de cordel, os mutirões nas áreas monitoradas, a participação dos alunos em programas da rádio municipal além de gincanas educativas de prevenção à dengue”.

Para ler uma edição da revista na íntegra, clique aqui.

Saiba Mais

Iniciado em 2005, o Prêmio Professores do Brasil tem o intuito, conforme o MEC, de “reconhecer o trabalho dos professores das redes públicas que contribuem para a qualidade da educação básica”, além de “valorizar o papel dos educadores no processo formativo das novas gerações” e “dar visibilidade às experiências pedagógicas exitosas que sejam passíveis de adoção por outros professores e pelos sistemas de ensino”.

Concorriam projetos de escolas públicas de todo o País, em seis as categorias: Educação Infantil: Creche, Educação Infantil: Pré-Escola, Ensino Fundamental: Ciclo de Alfabetização, Ensino Fundamental: Quarto ao Quinto Ano, Ensino Fundamental:Sexto ao Nono ano e Ensino Médio. Além destas, existiam quatro categorias especiais: O esporte como estratégia de aprendizagem, Conservação e uso consciente da água, Uso de Tecnologias de Informação e Comunicação no processo de inovação educacional e Estímulo ao conhecimento científico por meio da inovação.

Conforme o regulamento da competição, os projetos poderão ser usados pelo MEC e pelos seus parceiros, que passam a deter os direitos patrimoniais das criações.

Para saber mais informações, acesse o site especial da premiação: http://premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br/

Publicidade

Dê sua opinião

EDUCAÇÃO

Dois projetos de professores cearenses são vencedores de prêmio do MEC

Os projetos de escolas de Icapuí e Crato venceram a etapa regional do 10º Prêmio Professores do Brasil

Por Lucas Barbosa em Educação

17 de novembro de 2017 às 07:00

Há 4 semanas

Estudantes de Redonda, em Icapuí, fizeram videoreportagem debatendo a questão da água na localidade (FOTO: Acervo Pessoal)

Dois projetos de professores cearenses estão entre os vencedores da etapa regional do 10º Prêmio Professores do Brasil, promovido pelo Ministério da Educação (MEC). São eles: Água, Fonte de Vida em Redonda, da professora Mari Cecília Silvestre da Silva, da Escola de Ensino Fundamental Horizonte da Cidadania, localizada em Icapuí (a 205 quilômetros da Capital); e Revista Discentes: Um Sentido para a Produção Textual do Ensino Médio no Estado do Ceará, do professor Rodrigo Nóbrega Martins, da Escola de Ensino Fundamental e Médio Estado da Bahia, localizada em Crato (a 507 quilômetros da Capital).

Eles foram premiados, respectivamente, nas categorias Ensino Fundamental: Anos Finais: 6º ao 9º Ano e Ensino Médio. Água, Fonte de Vida em Redonda também foi premiada em uma categoria especial, Conservação e uso consciente da água. Receberão, cada um, além de troféu, R$ 7 mil e inscrição em um programa de capacitação ofertado na Irlanda, apoiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). As escolas em que trabalham receberão equipamentos de informática com conteúdo educativo.

Os dois ainda ganharam o direito de concorrer à etapa nacional da premiação, em que disputam, em suas respectivas categorias, com os projetos vencedores das demais regiões. O anúncio dos vencedores nesta etapa deve sair na primeira quinzena de dezembro. Além dos prêmios já recebidos, os ganhadores da etapa nacional receberão mais R$ 5 mil cada e um segundo troféu.

Haviam chegado à final da etapa regional do prêmio seis projetos cearenses, um em cada uma de suas seis categorias— veja clicando aqui os projetos indicados nessa etapa. Em Água, Fonte de Vida em Redonda, os alunos produziram uma vídeo-reportagem, dividida em quatro episódios, em que mostram  a relação da população da Praia da Redonda com os recursos hídricos.

Em entrevistas, mas também valendo-se de recursos teatrais, os usos da água, as dificuldades no abastecimento, a luta contra a escassez e a importância da preservação desse recurso são abordados na produção.

“Este projeto de intervenção buscou investigar como as tecnologias digitais podem ser aplicadas à educação contribuindo com processos de aprendizagens voltados para a renovação das competências e habilidades até então tidas como próprias da escola”, detalha Mari Cecília Silvestre no resumo do projeto enviado ao MEC.

Confira o primeiro episódio da série feita pelos alunos:

 

Revista Discentes: Um Sentido para a Produção Textual do Ensino Médio no Estado do Ceará, por sua vez, também se baseia no gênero jornalístico. A revista é uma plataforma de divulgação das produções textuais dos estudantes, do Ensino de Jovens e Adolescentes (EJA). A iniciativa, conforme Rodrigo, mudou “radicalmente” a forma como a a turma encarava as aulas de redação.

Capa da revista Discentes, “a revista do Ensino Médio do Ceará”. (FOTO: Reprodução)

Se antes, a atividade era encarada como chata e enfadonha, hoje, ela se toma de um entusiasmo difícil mesmo de relatar em palavras“, ele diz em vídeo de divulgação da atividade.

O engajamento foi tamanho, ele cita, que proporcionou, até mesmo, a volta de estudantes vítimas de evasão escolar. A revista passou, inclusive, a receber textos de alunos de outras escolas, fora mesmo até do Cariri. “Verifico que a criação da revista Discente tem nos dado a oportunidade de socializar de modo bem mais eficiente o que se produz em uma escola de ensino médio do estado do Ceará”.

A revista conta com produções como uma entrevista feita com o professor Luciano Guedes, ele também um vencedor do Professores do Brasil, em 2011. Para Discentes, ele conta um pouco do projeto que o fez vencedor do prêmio, o Sustentabilidade no Monitoramento e controle do Aedes Aegypti: uma alternativa ecossistêmica para uma problemática nacional. “A execução abrangeu diversas ações educativas que foram desenvolvidas concomitantemente ao trabalho investigativo”, conta ele.

“Dentre elas podemos destacar as oficinas de educação ambiental e de literatura de cordel, os mutirões nas áreas monitoradas, a participação dos alunos em programas da rádio municipal além de gincanas educativas de prevenção à dengue”.

Para ler uma edição da revista na íntegra, clique aqui.

Saiba Mais

Iniciado em 2005, o Prêmio Professores do Brasil tem o intuito, conforme o MEC, de “reconhecer o trabalho dos professores das redes públicas que contribuem para a qualidade da educação básica”, além de “valorizar o papel dos educadores no processo formativo das novas gerações” e “dar visibilidade às experiências pedagógicas exitosas que sejam passíveis de adoção por outros professores e pelos sistemas de ensino”.

Concorriam projetos de escolas públicas de todo o País, em seis as categorias: Educação Infantil: Creche, Educação Infantil: Pré-Escola, Ensino Fundamental: Ciclo de Alfabetização, Ensino Fundamental: Quarto ao Quinto Ano, Ensino Fundamental:Sexto ao Nono ano e Ensino Médio. Além destas, existiam quatro categorias especiais: O esporte como estratégia de aprendizagem, Conservação e uso consciente da água, Uso de Tecnologias de Informação e Comunicação no processo de inovação educacional e Estímulo ao conhecimento científico por meio da inovação.

Conforme o regulamento da competição, os projetos poderão ser usados pelo MEC e pelos seus parceiros, que passam a deter os direitos patrimoniais das criações.

Para saber mais informações, acesse o site especial da premiação: http://premioprofessoresdobrasil.mec.gov.br/