Ceará tem disparado o maior número de equipes na final da Olimpíada de História do Brasil
PISA MENOS, PESSOAL

Ceará tem disparado o maior número de equipes na final da Olimpíada de História do Brasil

Das 307 equipes de colégios públicos e particulares, 119 são do Ceará. Mais do que o dobro do segundo estado

Por Deborah Tavares em Educação

23 de junho de 2017 às 06:45

Há 2 meses

Das 307 equipes classificadas para a final, 119 equipes são cearenses. (FOTO: Divulgação)

A Olimpíada Nacional em História do Brasil começou em 2009 e, desde então, o Ceará tem sido destaque na competição. Nesta 9º edição, que está se aproximando da última fase, 12.028 equipes se inscreveram em todo o Brasil, sendo 1.971 no Ceará. Das 307 equipes classificadas para a final, 119 equipes são cearenses.

Um número que impressiona, já que é quase o dobro do segundo estado com maior número de equipes classificadas, o Rio Grande do Norte, outro estado nordestino, com 60 equipes.

A competição anual é elaborada pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e seu objetivo é consolidar um estudo consciente da História. Uma das coordenadoras da Olimpíada, Cristina Meneguello, explica que o número de participantes cearenses foi algo que impressionou a organização no primeiro momento.

“Desde a primeira olimpíada nós já nos impressionamos com a quantidade de escolas, de estudantes participantes do Ceará. Foi justamente ao observar o número de inscritos que a gente se deu conta de que existe uma tradição mesmo no estado do Ceará de participar desse tipo de competição estudantil. Desde então, a presença do Ceará é constante”.

FOTO: Divulgação

Nas redes sociais, os cearenses não economizaram nos comentários, nas brincadeiras e nos memes, mostrando o orgulho que sentem do nosso estado. Outros estados também não contiveram os parabéns.

“Ensina pra gente, Ceará”, “Pisa menos, Ceará, que tá pouco” e “Eu queria saber onde estão aqueles xenofóbicos que dizem que cearense é burro e ignorante”, são só alguns exemplos do foi comentado na publicação que anunciou os classificados para a penúltima fase da competição.

A professora da Unicamp chama atenção para o fato de que as participações não são por acaso, mas há uma preocupação em fazer um trabalho que contínuo.

“Tem jovens que participam no 8º ano, continuam participando e quando chegam no ensino médio conseguem resultados expressivos como chegar à final, conseguir uma medalha. Então a gente observa que não é uma participação casual, é algo planejado pelos professores, pela escola para que eles tenham uma formação ao longo do tempo. Eles participam todos os anos e vão se tornando competidores mais fortes”, diz.

A última fase da ONHB acontece em Campinas. (FOTO: Divulgação)

“Eles têm muito interesse e querem dar continuidade”, confirma Maria Auxiliadora Gadelha, professora de história e orientadora da equipe “Era Valdivino” do IFCE na Olimpíada. Dora destaca a importância do interesse dos alunos em participar da competição.

“É muito importante porque nos estamos introduzindo nos nossos jovens a leitura, a pesquisa, a curiosidade e isso com certeza terá uma representação a longo prazo. São gerações que estão lendo história no Brasil, observando fotografias. E essa leitura também tem um impacto sobre os temas atuais”, analisa.

A última fase da 9ª Olimpíada Nacional em História do Brasil acontece em Campinas, nos dias 19 e 20 de agosto. Serão entregues 15 medalhas de ouro, 25 de prata e 35 de bronze, de acordo com a pontuação. O principal objetivo da ONHB não é gerar ranking ou competição, mas promover o ensino de história.

Publicidade

Dê sua opinião

PISA MENOS, PESSOAL

Ceará tem disparado o maior número de equipes na final da Olimpíada de História do Brasil

Das 307 equipes de colégios públicos e particulares, 119 são do Ceará. Mais do que o dobro do segundo estado

Por Deborah Tavares em Educação

23 de junho de 2017 às 06:45

Há 2 meses

Das 307 equipes classificadas para a final, 119 equipes são cearenses. (FOTO: Divulgação)

A Olimpíada Nacional em História do Brasil começou em 2009 e, desde então, o Ceará tem sido destaque na competição. Nesta 9º edição, que está se aproximando da última fase, 12.028 equipes se inscreveram em todo o Brasil, sendo 1.971 no Ceará. Das 307 equipes classificadas para a final, 119 equipes são cearenses.

Um número que impressiona, já que é quase o dobro do segundo estado com maior número de equipes classificadas, o Rio Grande do Norte, outro estado nordestino, com 60 equipes.

A competição anual é elaborada pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e seu objetivo é consolidar um estudo consciente da História. Uma das coordenadoras da Olimpíada, Cristina Meneguello, explica que o número de participantes cearenses foi algo que impressionou a organização no primeiro momento.

“Desde a primeira olimpíada nós já nos impressionamos com a quantidade de escolas, de estudantes participantes do Ceará. Foi justamente ao observar o número de inscritos que a gente se deu conta de que existe uma tradição mesmo no estado do Ceará de participar desse tipo de competição estudantil. Desde então, a presença do Ceará é constante”.

FOTO: Divulgação

Nas redes sociais, os cearenses não economizaram nos comentários, nas brincadeiras e nos memes, mostrando o orgulho que sentem do nosso estado. Outros estados também não contiveram os parabéns.

“Ensina pra gente, Ceará”, “Pisa menos, Ceará, que tá pouco” e “Eu queria saber onde estão aqueles xenofóbicos que dizem que cearense é burro e ignorante”, são só alguns exemplos do foi comentado na publicação que anunciou os classificados para a penúltima fase da competição.

A professora da Unicamp chama atenção para o fato de que as participações não são por acaso, mas há uma preocupação em fazer um trabalho que contínuo.

“Tem jovens que participam no 8º ano, continuam participando e quando chegam no ensino médio conseguem resultados expressivos como chegar à final, conseguir uma medalha. Então a gente observa que não é uma participação casual, é algo planejado pelos professores, pela escola para que eles tenham uma formação ao longo do tempo. Eles participam todos os anos e vão se tornando competidores mais fortes”, diz.

A última fase da ONHB acontece em Campinas. (FOTO: Divulgação)

“Eles têm muito interesse e querem dar continuidade”, confirma Maria Auxiliadora Gadelha, professora de história e orientadora da equipe “Era Valdivino” do IFCE na Olimpíada. Dora destaca a importância do interesse dos alunos em participar da competição.

“É muito importante porque nos estamos introduzindo nos nossos jovens a leitura, a pesquisa, a curiosidade e isso com certeza terá uma representação a longo prazo. São gerações que estão lendo história no Brasil, observando fotografias. E essa leitura também tem um impacto sobre os temas atuais”, analisa.

A última fase da 9ª Olimpíada Nacional em História do Brasil acontece em Campinas, nos dias 19 e 20 de agosto. Serão entregues 15 medalhas de ouro, 25 de prata e 35 de bronze, de acordo com a pontuação. O principal objetivo da ONHB não é gerar ranking ou competição, mas promover o ensino de história.