Câmara mantém veto a projeto que proíbe "ideologia de gênero" nas escolas

POLÊMICA

Câmara mantém veto a projeto que proíbe “ideologia de gênero” nas escolas

Grupos religiosos criticaram a decisão, que permitirá que as escolas públicas e privadas incorporem o tema às aulas

Por Jangadeiro FM em Educação

21 de Fevereiro de 2018 às 11:21

Há 8 meses
camara-sobral

Câmara Municipal de Sobral teve sessão polêmica sobre ideologia de gênero nas escolas. (FOTO: Reprodução Google Maps)

Em Sobral, a Câmara Municipal aprovou a manutenção do veto do prefeito Ivo Gomes, que barra o projeto de lei que proibia a ideologia de gênero nas escolas municipais. Agora, o tema pode ser adotado nas instituições públicas e particulares da cidade. A votação, também marcada por protestos, ocorreu nesta terça-feira (20).

Protestos pró e contra a ideologia de gênero marcaram a sessão de votação do tema em Sobral. Na votação secreta, 10 vereadores optaram pela derrubada do veto do prefeito Ivo Gomes, do PDT, que barrava o projeto de lei que proibia tratar o assunto nas instituições de ensino, enquanto outros 9 escolheram a manutenção.

Para derrubar, seriam necessários pelo menos 11 votos. Como isso não ocorreu, a decisão foi mantida.

“Tenho certeza que esse projeto não é inconstitucional, mostrei aqui, mas não tem argumento. O homem aí é um ditador, ele autorizou. Mas vou lhe dizer: com certeza, o prefeito ficou muito desgastado”, disse o vereador Adauto Arruda (MDB), autor do projeto.

O vereador também explica no que consiste o projeto da ideologia de gênero.

“Meu projeto é que não fosse incluído na grade curricular de ensino a disciplina de Ideologia de Gênero, que é aquela que não especifica gênero. Você nasce um ser, esse ser, quando crescer é que vai decidir se é homem ou mulher. O registro se dá depois que ele crescer e ele vai dizer ‘eu quero ser mulher, eu quero ser homem'”, concluiu.

O projeto que proibia a ideologia de gênero nas escolas já havia sido aprovado em primeiro e segundo turno em dezembro do ano passado, mas acabou sendo vetado pelo prefeito Ivo Gomes. A sessão foi marcada por protestos de entidades religiosas a favor do projeto. O vereador Estevão Ponte (PP) criticou alguns pontos, apesar de se declarar contra a ideologia de gênero nas instituições.

“Como pode ser observado, o próprio autor do projeto colocou situações atribuindo a ideologia do gênero quando não é. E o pior, dentro do projeto dele tem punições severas aos professores que, por ventura, dentro do contexto que ele imagina, fizerem referência à ideologia de gênero”, disse Estevão Ponte.

Paulo Vasconcelos (PDT), presidente da Câmara e da base aliada do prefeito, diz que apesar da manutenção do veto, a ideologia de gênero não será implantada nas escolas.

“Foi analisado, é um projeto polêmico. Eu sou contra a ideologia de gênero, como disse na minha fala. E vamos lutar para que isso não seja implantado nas salas de aula do nosso município, principalmente para nossas crianças”, disse o presidente.

O Padre Ítalo Arcanjo acompanhou a sessão como representante da Igreja católica de Sobral. Para ele, o resultado da votação é uma conveniência política.

“A gente sabe que é uma realidade que vai contra os princípios e os valores que nós cremos. E que a gente sente, lamentavelmente, que a preocupação maior aí é uma conveniência política. Lamentavelmente não se discute o valor da família, da educação infantil”, disse o pároco.

A ideologia de gênero defende que todos, homens e mulheres, são iguais. Algo que não se limita apenas às práticas sexuais, mas sim comportamentos sociais de cada pessoa. É um termo usado por críticos da ideia, de que seres humanos nascem sem sexo definido e a escolha do que a pessoa quer ser se dá no decorrer da vida. Outras cidades do Ceará , como Crato e Orós, também votaram projeto idêntico e as Câmaras aprovaram a proibição da ideologia de gênero nas escolas.

Confira reportagem completa de Wagner Teles, na Jangadeiro FM.

Publicidade

Dê sua opinião

POLÊMICA

Câmara mantém veto a projeto que proíbe “ideologia de gênero” nas escolas

Grupos religiosos criticaram a decisão, que permitirá que as escolas públicas e privadas incorporem o tema às aulas

Por Jangadeiro FM em Educação

21 de Fevereiro de 2018 às 11:21

Há 8 meses
camara-sobral

Câmara Municipal de Sobral teve sessão polêmica sobre ideologia de gênero nas escolas. (FOTO: Reprodução Google Maps)

Em Sobral, a Câmara Municipal aprovou a manutenção do veto do prefeito Ivo Gomes, que barra o projeto de lei que proibia a ideologia de gênero nas escolas municipais. Agora, o tema pode ser adotado nas instituições públicas e particulares da cidade. A votação, também marcada por protestos, ocorreu nesta terça-feira (20).

Protestos pró e contra a ideologia de gênero marcaram a sessão de votação do tema em Sobral. Na votação secreta, 10 vereadores optaram pela derrubada do veto do prefeito Ivo Gomes, do PDT, que barrava o projeto de lei que proibia tratar o assunto nas instituições de ensino, enquanto outros 9 escolheram a manutenção.

Para derrubar, seriam necessários pelo menos 11 votos. Como isso não ocorreu, a decisão foi mantida.

“Tenho certeza que esse projeto não é inconstitucional, mostrei aqui, mas não tem argumento. O homem aí é um ditador, ele autorizou. Mas vou lhe dizer: com certeza, o prefeito ficou muito desgastado”, disse o vereador Adauto Arruda (MDB), autor do projeto.

O vereador também explica no que consiste o projeto da ideologia de gênero.

“Meu projeto é que não fosse incluído na grade curricular de ensino a disciplina de Ideologia de Gênero, que é aquela que não especifica gênero. Você nasce um ser, esse ser, quando crescer é que vai decidir se é homem ou mulher. O registro se dá depois que ele crescer e ele vai dizer ‘eu quero ser mulher, eu quero ser homem'”, concluiu.

O projeto que proibia a ideologia de gênero nas escolas já havia sido aprovado em primeiro e segundo turno em dezembro do ano passado, mas acabou sendo vetado pelo prefeito Ivo Gomes. A sessão foi marcada por protestos de entidades religiosas a favor do projeto. O vereador Estevão Ponte (PP) criticou alguns pontos, apesar de se declarar contra a ideologia de gênero nas instituições.

“Como pode ser observado, o próprio autor do projeto colocou situações atribuindo a ideologia do gênero quando não é. E o pior, dentro do projeto dele tem punições severas aos professores que, por ventura, dentro do contexto que ele imagina, fizerem referência à ideologia de gênero”, disse Estevão Ponte.

Paulo Vasconcelos (PDT), presidente da Câmara e da base aliada do prefeito, diz que apesar da manutenção do veto, a ideologia de gênero não será implantada nas escolas.

“Foi analisado, é um projeto polêmico. Eu sou contra a ideologia de gênero, como disse na minha fala. E vamos lutar para que isso não seja implantado nas salas de aula do nosso município, principalmente para nossas crianças”, disse o presidente.

O Padre Ítalo Arcanjo acompanhou a sessão como representante da Igreja católica de Sobral. Para ele, o resultado da votação é uma conveniência política.

“A gente sabe que é uma realidade que vai contra os princípios e os valores que nós cremos. E que a gente sente, lamentavelmente, que a preocupação maior aí é uma conveniência política. Lamentavelmente não se discute o valor da família, da educação infantil”, disse o pároco.

A ideologia de gênero defende que todos, homens e mulheres, são iguais. Algo que não se limita apenas às práticas sexuais, mas sim comportamentos sociais de cada pessoa. É um termo usado por críticos da ideia, de que seres humanos nascem sem sexo definido e a escolha do que a pessoa quer ser se dá no decorrer da vida. Outras cidades do Ceará , como Crato e Orós, também votaram projeto idêntico e as Câmaras aprovaram a proibição da ideologia de gênero nas escolas.

Confira reportagem completa de Wagner Teles, na Jangadeiro FM.