TAM é condenada a pagar R$ 25 mil por perda de bagagem de cearense na volta de Miami

INDENIZAÇÃO

TAM é condenada a pagar R$ 25 mil por perda de bagagem de cearense na volta de Miami

O caso aconteceu em 2013, quando a jovem voltava de viagem para comemorar os 15 anos. Na época, a empresa ofereceu R$ 1,6 mil pelos pertences perdidos

Por Lyvia Rocha em Cotidiano

18 de Fevereiro de 2017 às 07:00

Há 2 anos
bagagem-extravio

A companhia aérea terá que indenizar a jovem que teve a bagagem extraviada em 2013 (FOTO: Divulgação)

A TAM irá pagar R$ 25 mil de danos morais para estudante que teve mala extraviada em viagem aos Estados Unidos. A companhia deverá também indenizar materialmente a cliente, cujo valor será calculado após liquidação da sentença. A decisão foi do Tribunal de Justiça do Ceará.

Segundo o magistrado, “a empresa aérea responde pela indenização de danos materiais e morais experimentados objetivamente pelos passageiros decorrente do extravio de sua bagagem”.

O caso aconteceu em 2013. A mãe da estudante contratou com a companhia aérea uma viagem para Miami, nos Estados Unidos, com o objetivo de comemorar os 15 anos da filha. No retorno ao Brasil, a mala da jovem foi extraviada. Imediatamente, foi feita uma reclamação junto aos funcionários da TAM para informar o ocorrido, além de inúmeras ligações e idas ao aeroporto de Fortaleza.

Depois de quase um mês, a companhia enviou e-mail confessando a perda da bagagem, além de oferecer indenização de R$ 1.615, que não foi aceita pela mãe da menina.

A mãe da jovem alegou descuido por parte da empresa, além de afirmar que na mala estavam todos os presentes e recordações dos momentos especiais vividos pela adolescente e que não poderiam ser recuperados.

Na contestação, a TAM sustentou que a estudante teve sua bagagem extraviada por equívoco, mas que ofereceu todos os cuidados e desempenhou esforços no sentido de solucionar o ocorrido, procedendo com intensa busca pela mala, mas infelizmente não logrou êxito.

A empresa já tinha sido condenada a pagar indenização em 2016, contudo entrou com uma ação para contestar a decisão judicial. Mas ao julgar o caso, o Tribunal negou provimento ao recurso, mantendo a decisão.

Conforme o relator, “o extravio de bagagem é ato que gera o dever de indenizar, ao contrário do afirmado pela empresa aérea. Alegar uma suposta dramaticidade para um caso pacificado nos tribunais beira as raias do absurdo e soa como aventura jurídica da ré”, finaliza.

Publicidade

Dê sua opinião

INDENIZAÇÃO

TAM é condenada a pagar R$ 25 mil por perda de bagagem de cearense na volta de Miami

O caso aconteceu em 2013, quando a jovem voltava de viagem para comemorar os 15 anos. Na época, a empresa ofereceu R$ 1,6 mil pelos pertences perdidos

Por Lyvia Rocha em Cotidiano

18 de Fevereiro de 2017 às 07:00

Há 2 anos
bagagem-extravio

A companhia aérea terá que indenizar a jovem que teve a bagagem extraviada em 2013 (FOTO: Divulgação)

A TAM irá pagar R$ 25 mil de danos morais para estudante que teve mala extraviada em viagem aos Estados Unidos. A companhia deverá também indenizar materialmente a cliente, cujo valor será calculado após liquidação da sentença. A decisão foi do Tribunal de Justiça do Ceará.

Segundo o magistrado, “a empresa aérea responde pela indenização de danos materiais e morais experimentados objetivamente pelos passageiros decorrente do extravio de sua bagagem”.

O caso aconteceu em 2013. A mãe da estudante contratou com a companhia aérea uma viagem para Miami, nos Estados Unidos, com o objetivo de comemorar os 15 anos da filha. No retorno ao Brasil, a mala da jovem foi extraviada. Imediatamente, foi feita uma reclamação junto aos funcionários da TAM para informar o ocorrido, além de inúmeras ligações e idas ao aeroporto de Fortaleza.

Depois de quase um mês, a companhia enviou e-mail confessando a perda da bagagem, além de oferecer indenização de R$ 1.615, que não foi aceita pela mãe da menina.

A mãe da jovem alegou descuido por parte da empresa, além de afirmar que na mala estavam todos os presentes e recordações dos momentos especiais vividos pela adolescente e que não poderiam ser recuperados.

Na contestação, a TAM sustentou que a estudante teve sua bagagem extraviada por equívoco, mas que ofereceu todos os cuidados e desempenhou esforços no sentido de solucionar o ocorrido, procedendo com intensa busca pela mala, mas infelizmente não logrou êxito.

A empresa já tinha sido condenada a pagar indenização em 2016, contudo entrou com uma ação para contestar a decisão judicial. Mas ao julgar o caso, o Tribunal negou provimento ao recurso, mantendo a decisão.

Conforme o relator, “o extravio de bagagem é ato que gera o dever de indenizar, ao contrário do afirmado pela empresa aérea. Alegar uma suposta dramaticidade para um caso pacificado nos tribunais beira as raias do absurdo e soa como aventura jurídica da ré”, finaliza.