Saiba como é a rotina dos técnicos da Semace que avaliam a balneabilidade do litoral de Fortaleza

Saiba como é a rotina dos técnicos da Semace que avaliam a balneabilidade do litoral de Fortaleza

Toda segunda-feira, a Semace colhe amostras dos 31 postos de banho, analisa e na sexta-feira divulga o resultado da balneabilidade do litoral de Fortaleza

Por Rosana Romão em Cotidiano

20 de agosto de 2014 às 08:00

Há 3 anos
Há um ano o analista de laboratório Rubens Carius colhe amostras da água do mar para serem analisadas pela Semace. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Há um ano o analista de laboratório Rubens Carius colhe amostras da água do mar para serem analisadas pela Semace. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Rubens Carius acorda toda segunda-feira com um destino certo: a praia. Mas, diferente da maioria das pessoas que vão ao litoral para se divertir, ele vai para trabalhar. O seu ofício é garantir a diversão segura dos banhistas. Isso porque ele faz parte dos técnicos da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) que semanalmente avaliam a balneabilidade das praias de Fortaleza.

Usando short e chinelo, ele percorre todo o litoral de Fortaleza para coletar amostras dos 31 postos de banho. Ao chegar à praia, ele entra no mar e coleta aleatoriamente a água que está a 1 metro de profundidade, pois representa a região mais utilizada para a recreação. As amostras são identificadas com o numeral referente ao posto de banho.

Segundo Janelane Coelho, gestora ambiental da Semace, o material coletado é levado até o Laboratório de Microbiologia da Semace, onde é realizada a análise. A partir do resultado, faz-se um comparativo com as 4 semanas anteriores e então conclui-se a balneabilidade de Fortaleza. Na sexta-feira o resultado é divulgado no site da Semace e para a imprensa.

Outra forma de informar à população é através das placas de sinalização. A Semace instalou 31 placas no litoral de Fortaleza. Os pontos foram selecionados a partir dos locais mais frequentados com fonte de poluição próxima, e são divididos em três setores: Oeste, Centro e Leste.

Porém, em alguns locais as placas foram retiradas, como é o caso do Posto 23, entre a Avenida Philomeno Gomes até a Rua Padre Mororó. Frequentadores da praia afirmam que o próprio dono da barraca quem retira a placa, pois ela informa que o local não é próprio pra banho e isso afastaria os clientes. A gestora ambiental lamenta o fato e pede para que se preservem as placas. “A gente tem todo esse trabalho pra levar a informação até à população pra depois acontecer isso? Além de pôr a saúde das pessoas em risco”, alerta.

Dica da Semace: Evite ir à praia depois de dias com chuva de grande intensidade. A água e o vento trazem o lixo que está ao redor da praia e podem deixar a água do mar imprópria para banho.

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
1/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

A Praia do Pirambu (posto 25) é rodeada de lixo e costuma sempre estar na lista das praias impróprias para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
2/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

A Praia do Pirambu (posto 25) é rodeada de lixo e costuma sempre estar na lista das praias impróprias para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
3/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O posto 27, entre as ruas Seis Companheiros até a rua Francisco Calaça, é um dos pontos próprios para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
4/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O posto 27, entre as ruas Seis Companheiros até a rua Francisco Calaça, é um dos pontos próprios para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
5/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O posto 28, entre a rua Lagoa do Abaeté até a rua Seis Companheiros, é um dos que sofrem com as galerias pluviais. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
6/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

Posto 29, entre a rua das Goiabeiras até a rua Lagoa do Abaeté, é considerado impróprio para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
7/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O Posto 30, entre a foz do Rio Ceará até a rua das Goiabeiras, é bem frequentado e próprio para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Praia mais poluída

O setor mais poluído é o do litoral oeste. Das dez praias do setor apenas duas estavam próprias para banho na semana da visita. Isso acontece devido ao excesso de poluição e galerias pluviais que jorram mais sujeira. Uma praia que costuma ser considerada imprópria e devido a isso também é pouco frequentada é a do Pirambu. Localizada no Posto 25, a praia é rodeada de lixo. A beleza natural mistura-se com os entulhos deixados pela população. Apesar de morar próximo à beleza natural da praia, os moradores não podem usufruir do banho de mar. Quando querem ter esse tipo de diversão, precisam se deslocar a outra praia, mesmo tendo uma que pode ser vista da janela de casa.

Terminado o expediente, Rubens não vê a hora de retornar para a sede da Semace. Como ele precisa coletar a água que está a um metro de profundidade, ele precisa entrar no mar e a água fica na altura dos seus joelhos. “No final eu sempre tomo banho. É desconfortável saber que entrei em águas impróprias para banho, mas é um trabalho necessário para garantir a segurança de todos”, conta aliviado.

Publicidade

Dê sua opinião

Saiba como é a rotina dos técnicos da Semace que avaliam a balneabilidade do litoral de Fortaleza

Toda segunda-feira, a Semace colhe amostras dos 31 postos de banho, analisa e na sexta-feira divulga o resultado da balneabilidade do litoral de Fortaleza

Por Rosana Romão em Cotidiano

20 de agosto de 2014 às 08:00

Há 3 anos
Há um ano o analista de laboratório Rubens Carius colhe amostras da água do mar para serem analisadas pela Semace. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Há um ano o analista de laboratório Rubens Carius colhe amostras da água do mar para serem analisadas pela Semace. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Rubens Carius acorda toda segunda-feira com um destino certo: a praia. Mas, diferente da maioria das pessoas que vão ao litoral para se divertir, ele vai para trabalhar. O seu ofício é garantir a diversão segura dos banhistas. Isso porque ele faz parte dos técnicos da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) que semanalmente avaliam a balneabilidade das praias de Fortaleza.

Usando short e chinelo, ele percorre todo o litoral de Fortaleza para coletar amostras dos 31 postos de banho. Ao chegar à praia, ele entra no mar e coleta aleatoriamente a água que está a 1 metro de profundidade, pois representa a região mais utilizada para a recreação. As amostras são identificadas com o numeral referente ao posto de banho.

Segundo Janelane Coelho, gestora ambiental da Semace, o material coletado é levado até o Laboratório de Microbiologia da Semace, onde é realizada a análise. A partir do resultado, faz-se um comparativo com as 4 semanas anteriores e então conclui-se a balneabilidade de Fortaleza. Na sexta-feira o resultado é divulgado no site da Semace e para a imprensa.

Outra forma de informar à população é através das placas de sinalização. A Semace instalou 31 placas no litoral de Fortaleza. Os pontos foram selecionados a partir dos locais mais frequentados com fonte de poluição próxima, e são divididos em três setores: Oeste, Centro e Leste.

Porém, em alguns locais as placas foram retiradas, como é o caso do Posto 23, entre a Avenida Philomeno Gomes até a Rua Padre Mororó. Frequentadores da praia afirmam que o próprio dono da barraca quem retira a placa, pois ela informa que o local não é próprio pra banho e isso afastaria os clientes. A gestora ambiental lamenta o fato e pede para que se preservem as placas. “A gente tem todo esse trabalho pra levar a informação até à população pra depois acontecer isso? Além de pôr a saúde das pessoas em risco”, alerta.

Dica da Semace: Evite ir à praia depois de dias com chuva de grande intensidade. A água e o vento trazem o lixo que está ao redor da praia e podem deixar a água do mar imprópria para banho.

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
1/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

A Praia do Pirambu (posto 25) é rodeada de lixo e costuma sempre estar na lista das praias impróprias para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
2/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

A Praia do Pirambu (posto 25) é rodeada de lixo e costuma sempre estar na lista das praias impróprias para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
3/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O posto 27, entre as ruas Seis Companheiros até a rua Francisco Calaça, é um dos pontos próprios para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
4/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O posto 27, entre as ruas Seis Companheiros até a rua Francisco Calaça, é um dos pontos próprios para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
5/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O posto 28, entre a rua Lagoa do Abaeté até a rua Seis Companheiros, é um dos que sofrem com as galerias pluviais. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
6/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

Posto 29, entre a rua das Goiabeiras até a rua Lagoa do Abaeté, é considerado impróprio para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza
7/7

Vistoria de balneabilidade das praias do litoral oeste de Fortaleza

O Posto 30, entre a foz do Rio Ceará até a rua das Goiabeiras, é bem frequentado e próprio para banho. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Praia mais poluída

O setor mais poluído é o do litoral oeste. Das dez praias do setor apenas duas estavam próprias para banho na semana da visita. Isso acontece devido ao excesso de poluição e galerias pluviais que jorram mais sujeira. Uma praia que costuma ser considerada imprópria e devido a isso também é pouco frequentada é a do Pirambu. Localizada no Posto 25, a praia é rodeada de lixo. A beleza natural mistura-se com os entulhos deixados pela população. Apesar de morar próximo à beleza natural da praia, os moradores não podem usufruir do banho de mar. Quando querem ter esse tipo de diversão, precisam se deslocar a outra praia, mesmo tendo uma que pode ser vista da janela de casa.

Terminado o expediente, Rubens não vê a hora de retornar para a sede da Semace. Como ele precisa coletar a água que está a um metro de profundidade, ele precisa entrar no mar e a água fica na altura dos seus joelhos. “No final eu sempre tomo banho. É desconfortável saber que entrei em águas impróprias para banho, mas é um trabalho necessário para garantir a segurança de todos”, conta aliviado.