Restaurante aponta nova taxa de alvará entre os motivos para fechamento de loja física

POLÊMICA DOS ALVARÁS

Restaurante aponta nova taxa de alvará entre os motivos para fechamento de loja física

Empresária diz que a taxa de quase R$ 5 mil foi um dos motivos para mudança no negócio. Prefeitura garante que 85% empresários pagarão valor médio de R$ 390

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

20 de julho de 2018 às 18:54

Há 5 meses
estabelecimento alvaras

Caso do restaurante do Bairro de Fátima virou motivo para críticas a Prefeitura (Foto: Reprodução/Google Street)

A polêmica sobre as novas taxas de alvará de funcionamento, que colocou em lados opostos empresários e gestores da Prefeitura de Fortaleza, ganhou um ingrediente a mais nesta semana. Desta vez, após uma postagem que viralizou em redes sociais apontando a cobrança como um dos motivos para suposto fechamento da loja física de um restaurante do Bairro de Fátima.

A situação da empresa ganhou destaque após ser divulgada por um familiar dos proprietários. Entre a série de motivos para as dificuldades financeiras, foi indicada a taxa de alvará de funcionamento, de quase R$ 5 mil anuais.

“Já vínhamos no limite. Cansados, tanta burocracia, extorsões, abusos, empecilhos na renovação da vigilância sanitária. Sentimos que as coisas iriam melhorar, mas o sopro de renovação não foi suficiente”, descreve o texto, que virou argumento para os críticos das novas taxas da Prefeitura de Fortaleza.

O Tribuna do Ceará esclareceu o caso com a proprietária do restaurante, Emília Dias. De acordo com ela, na realidade o estabelecimento encerrará a loja física, passando a receber encomendas somente em seu site. Ou seja, não será a falência, como foi divulgado na internet.

“São muitas despesas para manter uma loja física. Eu tenho um sistema de segurança, nem por isso deixei de ser assaltada. Arrombaram meu estabelecimento e levaram o valor de R$ 6 mil”, conta Emília.

Postagem que viralizou virou argumento para os críticos das novas taxas de alvará de Fortaleza (FOTO: Reprodução Facebook)

Postagem que viralizou virou argumento para os críticos das novas taxas de alvará de Fortaleza (FOTO: Reprodução Facebook)

A empresária optou pela mudança do modelo do negócio: vai continuar no segmento alimentício, porém com atendimento apenas online. A empresa teve que demitir 30 funcionários, continuando com apenas oito no novo foco de trabalho.

Emília pediu ao Tribuna do Ceará que o nome do estabelecimento não fosse divulgado nesta matéria, diante da proporção que a postagem em redes sociais já tomou. O restaurante, que também atua como confeitaria, tem 25 anos no mercado.

O Tribuna do do Ceará apurou que a taxa de alvará de funcionamento da empresa foi de R$ 3.395, valor correspondente a um estabelecimento de 527 m2.

Como são os valores?

O valor das nova taxa de alvará é calculado conforme a área do comércio. Os estabelecimentos com até 40 m2 pagam uma taxa fixa de R$ 230. Já entre aqueles com uma área acima dos 40 m2, é cobrado R$ 230 mais R$ 6,50 por cada m2 excedente, até um teto de R$ 15 mil.

Segundo a Secretaria Municipal de Finanças (Sefin), apenas 3% dos estabelecimentos de Fortaleza estão numa faixa de R$ 5 mil, o valor mais alto registrado na cidade. Para ter um alvará de R$ 15 mil, seria preciso que o estabelecimento tivesse 30 mil m2.

Prefeito sai em defesa

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) declarou, durante em entrevista ao Focus.Jangadeiro, na rádio Tribuna Band News FM, que há muita fofoca nas discussões sobre o tema, e que 85% dos estabelecimentos de Fortaleza pagarão uma média de somente R$ 390 anuais. Além disso, segundo ele, o município vai subsidiar 53% dos custos da operação do sistema.

“Fortaleza tinha um valor de taxa 17 vezes menor do que Salvador, que tem um PIB menor do que o nosso”, informou na entrevista. Além disso, o prefeito afirmou que a capital cearense, junto com Teresina, eram as únicas do Brasil a não exigir a renovação do alvará anualmente. 

Reclamações de sobra

Proprietários de bares, restaurantes entre outros estabelecimentos da cidade já exigiram a redução dos valores das taxas de alvará de funcionamento e da licença sanitários dos comércios. Para o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE), Rodolphe Trindade, a nova legislação facilitou o processo de legalização dos estabelecimentos, tornando-os menos burocráticos, mas ele acredita que os novos valores impedem o crescimento do setor.

“Está certo que ficou mais fácil obter esses alvarás da Prefeitura por meio do site. Mas esse preço é um absurdo, principalmente nesse momento difícil, com tantos restaurantes fechando e com a dificuldade de empreender”, ressaltou Rodolphe.

Publicidade

Dê sua opinião

POLÊMICA DOS ALVARÁS

Restaurante aponta nova taxa de alvará entre os motivos para fechamento de loja física

Empresária diz que a taxa de quase R$ 5 mil foi um dos motivos para mudança no negócio. Prefeitura garante que 85% empresários pagarão valor médio de R$ 390

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

20 de julho de 2018 às 18:54

Há 5 meses
estabelecimento alvaras

Caso do restaurante do Bairro de Fátima virou motivo para críticas a Prefeitura (Foto: Reprodução/Google Street)

A polêmica sobre as novas taxas de alvará de funcionamento, que colocou em lados opostos empresários e gestores da Prefeitura de Fortaleza, ganhou um ingrediente a mais nesta semana. Desta vez, após uma postagem que viralizou em redes sociais apontando a cobrança como um dos motivos para suposto fechamento da loja física de um restaurante do Bairro de Fátima.

A situação da empresa ganhou destaque após ser divulgada por um familiar dos proprietários. Entre a série de motivos para as dificuldades financeiras, foi indicada a taxa de alvará de funcionamento, de quase R$ 5 mil anuais.

“Já vínhamos no limite. Cansados, tanta burocracia, extorsões, abusos, empecilhos na renovação da vigilância sanitária. Sentimos que as coisas iriam melhorar, mas o sopro de renovação não foi suficiente”, descreve o texto, que virou argumento para os críticos das novas taxas da Prefeitura de Fortaleza.

O Tribuna do Ceará esclareceu o caso com a proprietária do restaurante, Emília Dias. De acordo com ela, na realidade o estabelecimento encerrará a loja física, passando a receber encomendas somente em seu site. Ou seja, não será a falência, como foi divulgado na internet.

“São muitas despesas para manter uma loja física. Eu tenho um sistema de segurança, nem por isso deixei de ser assaltada. Arrombaram meu estabelecimento e levaram o valor de R$ 6 mil”, conta Emília.

Postagem que viralizou virou argumento para os críticos das novas taxas de alvará de Fortaleza (FOTO: Reprodução Facebook)

Postagem que viralizou virou argumento para os críticos das novas taxas de alvará de Fortaleza (FOTO: Reprodução Facebook)

A empresária optou pela mudança do modelo do negócio: vai continuar no segmento alimentício, porém com atendimento apenas online. A empresa teve que demitir 30 funcionários, continuando com apenas oito no novo foco de trabalho.

Emília pediu ao Tribuna do Ceará que o nome do estabelecimento não fosse divulgado nesta matéria, diante da proporção que a postagem em redes sociais já tomou. O restaurante, que também atua como confeitaria, tem 25 anos no mercado.

O Tribuna do do Ceará apurou que a taxa de alvará de funcionamento da empresa foi de R$ 3.395, valor correspondente a um estabelecimento de 527 m2.

Como são os valores?

O valor das nova taxa de alvará é calculado conforme a área do comércio. Os estabelecimentos com até 40 m2 pagam uma taxa fixa de R$ 230. Já entre aqueles com uma área acima dos 40 m2, é cobrado R$ 230 mais R$ 6,50 por cada m2 excedente, até um teto de R$ 15 mil.

Segundo a Secretaria Municipal de Finanças (Sefin), apenas 3% dos estabelecimentos de Fortaleza estão numa faixa de R$ 5 mil, o valor mais alto registrado na cidade. Para ter um alvará de R$ 15 mil, seria preciso que o estabelecimento tivesse 30 mil m2.

Prefeito sai em defesa

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) declarou, durante em entrevista ao Focus.Jangadeiro, na rádio Tribuna Band News FM, que há muita fofoca nas discussões sobre o tema, e que 85% dos estabelecimentos de Fortaleza pagarão uma média de somente R$ 390 anuais. Além disso, segundo ele, o município vai subsidiar 53% dos custos da operação do sistema.

“Fortaleza tinha um valor de taxa 17 vezes menor do que Salvador, que tem um PIB menor do que o nosso”, informou na entrevista. Além disso, o prefeito afirmou que a capital cearense, junto com Teresina, eram as únicas do Brasil a não exigir a renovação do alvará anualmente. 

Reclamações de sobra

Proprietários de bares, restaurantes entre outros estabelecimentos da cidade já exigiram a redução dos valores das taxas de alvará de funcionamento e da licença sanitários dos comércios. Para o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE), Rodolphe Trindade, a nova legislação facilitou o processo de legalização dos estabelecimentos, tornando-os menos burocráticos, mas ele acredita que os novos valores impedem o crescimento do setor.

“Está certo que ficou mais fácil obter esses alvarás da Prefeitura por meio do site. Mas esse preço é um absurdo, principalmente nesse momento difícil, com tantos restaurantes fechando e com a dificuldade de empreender”, ressaltou Rodolphe.