Psicóloga cearense ouve histórias de amor em praças da região do Cariri

"ESCUTO HISTÓRIAS"

Psicóloga cearense ouve histórias de amor em praças da região do Cariri

A psicóloga Carla Cavalcante pôs em prática o projeto “Escuto Histórias de Amor.” Desde 2016, ela já ouviu cerca de 160 pessoas

Por Crisneive Silveira em Cotidiano

3 de outubro de 2018 às 07:15

Há 2 meses
Carla Cavalcante

Psicóloga cearense, Carla Cavalcante realiza projeto “Escuto Histórias de Amor” em praças. (FOTO: Arquivo Pessoal)

“Alguma coisa acontece no meu coração…”, versa Caetano, na letra da música Sampa. Mas é na Praça Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, no Ceará, que muitos sentimentos se encontram. Com “Escuto histórias de amor” escrito em uma placa, a psicóloga Carla Cavalcante dispõe de atenção para ouvir os romances que fazem parte da vida de quem quiser falar. Cerca de 160 pessoas já foram escutadas. O projeto surgiu em 2016, inspirado no da artista plástica Ana Teixeira, de São Paulo.

Depois de receber em um grupo de mensagens a imagem de umas cadeiras e o tricô com a faixa “Escuto histórias de amor”, a psicóloga quis saber mais a respeito. Descobriu que tratava-se do projeto de arte de rua de Ana Teixeira, e viu no formato uma oportunidade para o aprimoramento profissional.

“Eu buscava algo que me auxiliasse no exercício da escuta, mas que pudesse fazer isso de maneira mais leve, espontânea e que não me tomasse muito tempo, já que minha rotina diária é complicada. Queria algo que pudesse executar sempre que tivesse um tempinho mais livre”, disse.

Mas há diferenças entre as duas abordagens. Na realizada pela artista plástica de São Paulo, há apenas a escuta de histórias de amor romântico. Com Carla, as pessoas têm a liberdade de falar sobre o que elas consideram amor, de todos os tipos. Além disso, existe uma troca de informação, há uma conversa, caso perceba a necessidade. Assim, a caririense levou a arte para as ruas de Juazeiro. Escolheu a Praça Padre Cícero, no centro da cidade, para começar.

“Queria ver qual seria a receptividade das pessoas, como seria falar sobre amor para uma pessoa desconhecida, como seria apenas ser escutado. Aí cheguei com uma ideia parecida com a da Ana, apenas realizar escuta e deixar que as pessoas chegassem até a mim de maneira livre e me contassem a suas histórias de amor”, explicou.

“É que quando cheguei por aqui, eu nada entendi…” o verso explica bem o tipo de expressão das pessoas. Cada um que passava buscava compreender o que significava aquela placa e aquela mulher sentada. Estaria esperando alguém? Olhando o tempo passar? A psicóloga revela que as dúvidas e a timidez dos passantes dificultaram as primeiras ações.

Carla Cavalcante

Carla Cavalcante já ouviu pelo menos 160 pessoas desde 2016, quando iniciou o projeto. (FOTO: Arquivo Pessoal)

“Queriam saber o que era aquela faixa, se precisava pagar, o que eu era, o que ia fazer com aquilo. No começo, não tive tanto sucesso. Mas depois as pessoas já conheciam o banner, se aproximavam, ficavam mais à vontade e já chegavam contando as histórias. E aí percebi que elas não só tinham a necessidade de serem escutadas sobre o que consideravam amor, mas também de serem entendidas. Também vi que esse amor que estava no banner não significava o amor entre casais. Comecei a deixar livre, que as pessoas me mostrassem a definição de amor para elas”, explicou Carla.

A ideia inicial da psicóloga era apenas exercitar a escuta. No entanto, Carla aprimorou outros aspectos profissionais nessa troca que vem realizando com desconhecidos por onde passa.

“Busco trabalhar minha resiliência e entender quanto tempo conseguiria ficar apenas na escuta, de que forma eu realmente escutava as pessoas e entendia. Hoje, posso dizer que minha escuta é mais apurada. Não escuto apenas o que as pessoas falam, mas também seus gestos, os olhares que emitem. O projeto continua me ajudando nisso. Cada praça que vou, cada momento é uma escuta diferenciada”, revelou a ouvinte.

Pondo as emoções “do avesso, do avesso, do avesso, do avesso”, Carla abre espaço no coração de quem compartilha essas histórias, libertando a vontade de compartilhar os significados de amor que cada uma carrega na vida.

Carla Cavalcante

Psicóloga cearense, Carla Cavalcante realiza projeto “Escuto Histórias de Amor” em praças. (FOTO: Arquivo Pessoal)

“As pessoas estão mais livres para falar sobre amor, um tema tão delicado. Isso é positivo. O intuito é, de fato, mexer com elas, fazer com que, na correria do dia a dia, se deparem, numa praça, com alguém que está ali disposto a apenas escutar sem julgar, sem questionar, sem porquês. Para que aquelas pessoas que passavam para o trabalho, que estavam no corre corre, pudessem parar por alguns minutos e contar algo importante da sua vida, algo que fizesse sentido”, revelou.

O “Escuto Histórias de Amor” não tem ponto físico. No entanto, a atividade é realizada em praças ou eventos culturais de Juazeiro do Norte. E, em breve, deve ir por outras cidades. As escutas são feitas de acordo com a disponibilidade da psicóloga, geralmente nos fins de semana.

“Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas, Da força da grana que ergue e destrói coisas belas, Da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas,” alguma coisa sempre vai seguir acontecendo no coração de cada um. Conte sua história!

Publicidade

Dê sua opinião

"ESCUTO HISTÓRIAS"

Psicóloga cearense ouve histórias de amor em praças da região do Cariri

A psicóloga Carla Cavalcante pôs em prática o projeto “Escuto Histórias de Amor.” Desde 2016, ela já ouviu cerca de 160 pessoas

Por Crisneive Silveira em Cotidiano

3 de outubro de 2018 às 07:15

Há 2 meses
Carla Cavalcante

Psicóloga cearense, Carla Cavalcante realiza projeto “Escuto Histórias de Amor” em praças. (FOTO: Arquivo Pessoal)

“Alguma coisa acontece no meu coração…”, versa Caetano, na letra da música Sampa. Mas é na Praça Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, no Ceará, que muitos sentimentos se encontram. Com “Escuto histórias de amor” escrito em uma placa, a psicóloga Carla Cavalcante dispõe de atenção para ouvir os romances que fazem parte da vida de quem quiser falar. Cerca de 160 pessoas já foram escutadas. O projeto surgiu em 2016, inspirado no da artista plástica Ana Teixeira, de São Paulo.

Depois de receber em um grupo de mensagens a imagem de umas cadeiras e o tricô com a faixa “Escuto histórias de amor”, a psicóloga quis saber mais a respeito. Descobriu que tratava-se do projeto de arte de rua de Ana Teixeira, e viu no formato uma oportunidade para o aprimoramento profissional.

“Eu buscava algo que me auxiliasse no exercício da escuta, mas que pudesse fazer isso de maneira mais leve, espontânea e que não me tomasse muito tempo, já que minha rotina diária é complicada. Queria algo que pudesse executar sempre que tivesse um tempinho mais livre”, disse.

Mas há diferenças entre as duas abordagens. Na realizada pela artista plástica de São Paulo, há apenas a escuta de histórias de amor romântico. Com Carla, as pessoas têm a liberdade de falar sobre o que elas consideram amor, de todos os tipos. Além disso, existe uma troca de informação, há uma conversa, caso perceba a necessidade. Assim, a caririense levou a arte para as ruas de Juazeiro. Escolheu a Praça Padre Cícero, no centro da cidade, para começar.

“Queria ver qual seria a receptividade das pessoas, como seria falar sobre amor para uma pessoa desconhecida, como seria apenas ser escutado. Aí cheguei com uma ideia parecida com a da Ana, apenas realizar escuta e deixar que as pessoas chegassem até a mim de maneira livre e me contassem a suas histórias de amor”, explicou.

“É que quando cheguei por aqui, eu nada entendi…” o verso explica bem o tipo de expressão das pessoas. Cada um que passava buscava compreender o que significava aquela placa e aquela mulher sentada. Estaria esperando alguém? Olhando o tempo passar? A psicóloga revela que as dúvidas e a timidez dos passantes dificultaram as primeiras ações.

Carla Cavalcante

Carla Cavalcante já ouviu pelo menos 160 pessoas desde 2016, quando iniciou o projeto. (FOTO: Arquivo Pessoal)

“Queriam saber o que era aquela faixa, se precisava pagar, o que eu era, o que ia fazer com aquilo. No começo, não tive tanto sucesso. Mas depois as pessoas já conheciam o banner, se aproximavam, ficavam mais à vontade e já chegavam contando as histórias. E aí percebi que elas não só tinham a necessidade de serem escutadas sobre o que consideravam amor, mas também de serem entendidas. Também vi que esse amor que estava no banner não significava o amor entre casais. Comecei a deixar livre, que as pessoas me mostrassem a definição de amor para elas”, explicou Carla.

A ideia inicial da psicóloga era apenas exercitar a escuta. No entanto, Carla aprimorou outros aspectos profissionais nessa troca que vem realizando com desconhecidos por onde passa.

“Busco trabalhar minha resiliência e entender quanto tempo conseguiria ficar apenas na escuta, de que forma eu realmente escutava as pessoas e entendia. Hoje, posso dizer que minha escuta é mais apurada. Não escuto apenas o que as pessoas falam, mas também seus gestos, os olhares que emitem. O projeto continua me ajudando nisso. Cada praça que vou, cada momento é uma escuta diferenciada”, revelou a ouvinte.

Pondo as emoções “do avesso, do avesso, do avesso, do avesso”, Carla abre espaço no coração de quem compartilha essas histórias, libertando a vontade de compartilhar os significados de amor que cada uma carrega na vida.

Carla Cavalcante

Psicóloga cearense, Carla Cavalcante realiza projeto “Escuto Histórias de Amor” em praças. (FOTO: Arquivo Pessoal)

“As pessoas estão mais livres para falar sobre amor, um tema tão delicado. Isso é positivo. O intuito é, de fato, mexer com elas, fazer com que, na correria do dia a dia, se deparem, numa praça, com alguém que está ali disposto a apenas escutar sem julgar, sem questionar, sem porquês. Para que aquelas pessoas que passavam para o trabalho, que estavam no corre corre, pudessem parar por alguns minutos e contar algo importante da sua vida, algo que fizesse sentido”, revelou.

O “Escuto Histórias de Amor” não tem ponto físico. No entanto, a atividade é realizada em praças ou eventos culturais de Juazeiro do Norte. E, em breve, deve ir por outras cidades. As escutas são feitas de acordo com a disponibilidade da psicóloga, geralmente nos fins de semana.

“Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas, Da força da grana que ergue e destrói coisas belas, Da feia fumaça que sobe, apagando as estrelas,” alguma coisa sempre vai seguir acontecendo no coração de cada um. Conte sua história!