Professora universitária, Roberta Vasques quer ser a 1ª mulher a presidir a OAB-CE

ELEIÇÕES

Professora universitária, Roberta Vasques quer ser a 1ª mulher a presidir a OAB-CE

Roberta Vasques critica a partidarização dentro da OAB, e defende a necessidade de independência da entidade

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

13 de novembro de 2018 às 09:28

Há 1 mês
roberta-vasques

Roberta Vasques é candidata à presidência da OAB-CE. (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Tendo como principal marca a independência, a professora universitária Roberta Vasques é uma das candidatas à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), secção Ceará. Encabeçando a chapa Reage OAB, lançada nesta segunda-feira (12), o grupo traz integrantes de diversos segmentos do mundo jurídico. As eleições serão realizadas no dia 28 de novembro.

A chapa de Roberta Vasques, que rompeu com a atual gestão pela disputa do cargo, tem propostas pensadas para dar uma nova representação para a OAB no Estado. Ela explica o motivo de lançar-se à presidência da entidade.

“Fazer parte de uma gestão não significa concordar com todos os atos de gestão. Apesar de ser vice-presidente da atual gestão, não concordo com a OAB de hoje, omissa, apática. O que vejo hoje é uma OAB entranhada com os poderes, com os partidos políticos, e esse foi o maior motivo das minhas dissidências. Não vejo como rompimento, mas como uma forma de pensar bastante diferente. A minha forma de estar na Ordem é uma forma mais corajosa, mais altiva. E é por isso que optei em me candidatar”, contou a candidata.

O lançamento da chapa teve a participação de advogados das diversas áreas e a apresentação dos demais integrantes que farão parte da equipe da Chapa 10, que tem quatro principais pilares nas propostas. A candidata também criticou o atual cenário de politização e partidarização dentro da entidade e destacou os projetos voltados para a sociedade.

“O primeiro é a defesa das nossas prerrogativas profissionais. Hoje, vemos advocacia com baixa estima. Nós não podemos mais admitir desrespeito. Precisamos resgatar o espírito de união da nossa classe. O segundo, é termos uma gestão moderna da OAB. Uma administração moderna e arrojada. O terceiro pilar é estabelecer um piso ético para a advocacia. É necessário repensar a nova advocacia com olhar diferenciado. O quarto pilar é o apartidarismo e a independência da OAB. Vejo, hoje, uma OAB entranhada com partidos políticos. Precisamos que a OAB retorne ao protagonismo histórico dela, precisamos resgatar e até reescrever a história da OAB, e para isso precisamos de independência”, explicou Roberta Vasques.

A candidata da Chapa Reage OAB ainda ressalta o tipo de gestão que deseja realizar na entidade. Roberta Vasques diz também que pretende um trabalho horizontal.

“Nós sonhamos com uma gestão compartilhada, horizontal, e não verticalizada como é hoje, onde os advogados, os conselheiros, diretores, sintam-se partícipes desse processo. A gente quer realmente revolucionar a OAB, e não à toa com uma mulher. São 85 anos de existência da Ordem e nunca houve uma mulher como presidente. Então é hora de um novo olhar, já é hora de um olhar sem vaidades, com compromisso, um olhar voltado para a advocacia.

Outras quatro chapas disputam a presidência da entidade: E-Nova OAB, Somos Todos OAB – Experiência para Inovar, A Ordem é Renovar e OABCE Reinventar É Preciso.

Publicidade

Dê sua opinião

ELEIÇÕES

Professora universitária, Roberta Vasques quer ser a 1ª mulher a presidir a OAB-CE

Roberta Vasques critica a partidarização dentro da OAB, e defende a necessidade de independência da entidade

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

13 de novembro de 2018 às 09:28

Há 1 mês
roberta-vasques

Roberta Vasques é candidata à presidência da OAB-CE. (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Tendo como principal marca a independência, a professora universitária Roberta Vasques é uma das candidatas à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), secção Ceará. Encabeçando a chapa Reage OAB, lançada nesta segunda-feira (12), o grupo traz integrantes de diversos segmentos do mundo jurídico. As eleições serão realizadas no dia 28 de novembro.

A chapa de Roberta Vasques, que rompeu com a atual gestão pela disputa do cargo, tem propostas pensadas para dar uma nova representação para a OAB no Estado. Ela explica o motivo de lançar-se à presidência da entidade.

“Fazer parte de uma gestão não significa concordar com todos os atos de gestão. Apesar de ser vice-presidente da atual gestão, não concordo com a OAB de hoje, omissa, apática. O que vejo hoje é uma OAB entranhada com os poderes, com os partidos políticos, e esse foi o maior motivo das minhas dissidências. Não vejo como rompimento, mas como uma forma de pensar bastante diferente. A minha forma de estar na Ordem é uma forma mais corajosa, mais altiva. E é por isso que optei em me candidatar”, contou a candidata.

O lançamento da chapa teve a participação de advogados das diversas áreas e a apresentação dos demais integrantes que farão parte da equipe da Chapa 10, que tem quatro principais pilares nas propostas. A candidata também criticou o atual cenário de politização e partidarização dentro da entidade e destacou os projetos voltados para a sociedade.

“O primeiro é a defesa das nossas prerrogativas profissionais. Hoje, vemos advocacia com baixa estima. Nós não podemos mais admitir desrespeito. Precisamos resgatar o espírito de união da nossa classe. O segundo, é termos uma gestão moderna da OAB. Uma administração moderna e arrojada. O terceiro pilar é estabelecer um piso ético para a advocacia. É necessário repensar a nova advocacia com olhar diferenciado. O quarto pilar é o apartidarismo e a independência da OAB. Vejo, hoje, uma OAB entranhada com partidos políticos. Precisamos que a OAB retorne ao protagonismo histórico dela, precisamos resgatar e até reescrever a história da OAB, e para isso precisamos de independência”, explicou Roberta Vasques.

A candidata da Chapa Reage OAB ainda ressalta o tipo de gestão que deseja realizar na entidade. Roberta Vasques diz também que pretende um trabalho horizontal.

“Nós sonhamos com uma gestão compartilhada, horizontal, e não verticalizada como é hoje, onde os advogados, os conselheiros, diretores, sintam-se partícipes desse processo. A gente quer realmente revolucionar a OAB, e não à toa com uma mulher. São 85 anos de existência da Ordem e nunca houve uma mulher como presidente. Então é hora de um novo olhar, já é hora de um olhar sem vaidades, com compromisso, um olhar voltado para a advocacia.

Outras quatro chapas disputam a presidência da entidade: E-Nova OAB, Somos Todos OAB – Experiência para Inovar, A Ordem é Renovar e OABCE Reinventar É Preciso.