Plano de caminhabilidade promete melhor estrutura para pedestres em Fortaleza

CRISE ECONÔMICA

Plano de caminhabilidade promete melhor estrutura para pedestres em Fortaleza

Por conta da crise econômica, os brasileiros estão buscando andar mais a pé após o aumento do custo do preço de gasolina e do custo de vida no país

Por Tribuna Bandnews FM em Cotidiano

5 de novembro de 2017 às 06:51

Há 2 semanas

As calçadas irregulares e com ocupação irregulada dificultam o trânsito de pedestres (FOTO: Daniel Rocha/Tribuna do Ceará)

De acordo com o levantamento feito por uma multinacional em serviços de qualidade de vida, o brasileiro está andando a pé. O motivo deve-se à crise econômica e ao aumento do preço da gasolina, que elevaram o custo de vida no Brasil e tornou o deslocamento de carro mais elevado. As informações são da Tribuna Bandnews.

Diante da maior circulação de pedestres, as condições das calçadas do país estão sendo criticadas pelas suas condições e gestores repensam na estruturação das vias. Em Fortaleza, está em curso a implantação do novo plano de caminhabilidade que promete estabelecer algumas regras para a área.

Enquanto não há melhorias nas calçadas de Fortaleza,  os fortalezenses enfrentam os desafios ao caminhar pela cidade. Essa realidade é bem conhecida pelo carteiro Pablo Albuquerque, que costuma andar cerca de 15 km por dia. “As calçadas quando elas existem não seguem nenhum critério de padronização. Como a gente anda com bolsas pesadas, quando há uma ascensão da calçada ou descensão da calçada, ocasionada fraturas ou torções”, conta.

Além da falta de padronização, a ocupação irregular do espaço também dificulta o trânsito de pedestres na capital. A repórter Daniella de Lavor, da rádio Tribuna Bandnews, constatou um restaurante que ocupou a calçada com mesas no cruzamento da Rua Eduardo Garcia com a Rua Leonardo Mota, no bairro Aldeota. “Há uma grade de proteção. Quem vem da rua Leonardo Mota, precisa sair da calçada e andar entre o carros”, disse a repórter.

Os desafios são ainda maiores para quem tem algum deficiente físico, como é o caso do atleta Erenildo de Sousa. Os obstáculos surgem de forma inesperada. “Tem várias dificuldades que impedem a mobilidade nas calçadas”, diz. Segundo a atual legislação, é de responsabilidade do proprietário do imóvel pela manutenção das calçadas. Mas, para o especialista de Modelagem de Tráfego Urbano da Devry Fanor, Raimundo Nonato Castro, essa condição implica na falta de padrão das calçadas. Além disso, ele ressalta que, com uma fiscalização mais eficaz da Prefeitura de Fortaleza, a realidade poderia ser melhor.

“Ela peca quando quando deixa as nossas calçadas serem ocupadas de maneira desordenada, quando o dono do imóvel não mantém a uniformidade.  O desafio da prefeitura é atuar na fiscalização para que isso não ocorra porque o objetivo da calçada é garantir o fluxo de pedestre”, afirmou.

No último mês de setembro, o Ministério Público do Ceará exigiu do órgão municipal a acessibilidade e fiscalização das calçadas. Após a exigência, a Agência de Fiscalização e Procuradoria do Município foram definidas a pensar em conjunto como realizar fiscalizações enquanto a Câmara Municipal é responsável pela reforma na legislação. O propósito é pensar em penalidades mais pesadas para quem descumprir a regra.

Confira a reportagem completa da Tribuna Bandnews

 

Publicidade

Dê sua opinião

CRISE ECONÔMICA

Plano de caminhabilidade promete melhor estrutura para pedestres em Fortaleza

Por conta da crise econômica, os brasileiros estão buscando andar mais a pé após o aumento do custo do preço de gasolina e do custo de vida no país

Por Tribuna Bandnews FM em Cotidiano

5 de novembro de 2017 às 06:51

Há 2 semanas

As calçadas irregulares e com ocupação irregulada dificultam o trânsito de pedestres (FOTO: Daniel Rocha/Tribuna do Ceará)

De acordo com o levantamento feito por uma multinacional em serviços de qualidade de vida, o brasileiro está andando a pé. O motivo deve-se à crise econômica e ao aumento do preço da gasolina, que elevaram o custo de vida no Brasil e tornou o deslocamento de carro mais elevado. As informações são da Tribuna Bandnews.

Diante da maior circulação de pedestres, as condições das calçadas do país estão sendo criticadas pelas suas condições e gestores repensam na estruturação das vias. Em Fortaleza, está em curso a implantação do novo plano de caminhabilidade que promete estabelecer algumas regras para a área.

Enquanto não há melhorias nas calçadas de Fortaleza,  os fortalezenses enfrentam os desafios ao caminhar pela cidade. Essa realidade é bem conhecida pelo carteiro Pablo Albuquerque, que costuma andar cerca de 15 km por dia. “As calçadas quando elas existem não seguem nenhum critério de padronização. Como a gente anda com bolsas pesadas, quando há uma ascensão da calçada ou descensão da calçada, ocasionada fraturas ou torções”, conta.

Além da falta de padronização, a ocupação irregular do espaço também dificulta o trânsito de pedestres na capital. A repórter Daniella de Lavor, da rádio Tribuna Bandnews, constatou um restaurante que ocupou a calçada com mesas no cruzamento da Rua Eduardo Garcia com a Rua Leonardo Mota, no bairro Aldeota. “Há uma grade de proteção. Quem vem da rua Leonardo Mota, precisa sair da calçada e andar entre o carros”, disse a repórter.

Os desafios são ainda maiores para quem tem algum deficiente físico, como é o caso do atleta Erenildo de Sousa. Os obstáculos surgem de forma inesperada. “Tem várias dificuldades que impedem a mobilidade nas calçadas”, diz. Segundo a atual legislação, é de responsabilidade do proprietário do imóvel pela manutenção das calçadas. Mas, para o especialista de Modelagem de Tráfego Urbano da Devry Fanor, Raimundo Nonato Castro, essa condição implica na falta de padrão das calçadas. Além disso, ele ressalta que, com uma fiscalização mais eficaz da Prefeitura de Fortaleza, a realidade poderia ser melhor.

“Ela peca quando quando deixa as nossas calçadas serem ocupadas de maneira desordenada, quando o dono do imóvel não mantém a uniformidade.  O desafio da prefeitura é atuar na fiscalização para que isso não ocorra porque o objetivo da calçada é garantir o fluxo de pedestre”, afirmou.

No último mês de setembro, o Ministério Público do Ceará exigiu do órgão municipal a acessibilidade e fiscalização das calçadas. Após a exigência, a Agência de Fiscalização e Procuradoria do Município foram definidas a pensar em conjunto como realizar fiscalizações enquanto a Câmara Municipal é responsável pela reforma na legislação. O propósito é pensar em penalidades mais pesadas para quem descumprir a regra.

Confira a reportagem completa da Tribuna Bandnews