Orientação sobre o mosquito Aedes Aegypti acontece na Igreja de Fátima
ALERTA

Orientação sobre o mosquito Aedes Aegypti acontece na Igreja de Fátima

Além das orientações sobre o mosquito, algumas enfermeiras também estão no local distribuindo vacinas contra a gripe

Por Lyvia Rocha em Cotidiano

13 de maio de 2017 às 16:03

Há 2 meses
Toda evolução do mosquito é mostrada (FOTO: Lyvia Rocha/Tribuna do Ceará)

Toda evolução do mosquito é mostrada (FOTO: Lyvia Rocha/Tribuna do Ceará)

Além das comemorações a Nossa Senhora De Fátima, e a missa que irão assistir, os devotos que passam pela igreja de Fátima, no bairro de Fátima, também receberão orientações importantes sobre o mosquito Aedes Aegypti, responsável por transmitir doenças como dengue, zica e chikungunya.

Agentes de saúde ficarão até às 17h orientando sobre como acontece a proliferação do mosquito, desde o nascimento, até o momento que pica uma pessoa e infecta com uma das doenças que transmite.

Para a Antônia Sousa, isso é muito importante por ser um local que tem muita gente. “Infelizmente muita gente está com essa chikungunya, eu conheço várias pessoas que tiveram essa doença. Por isso é bom a gente sempre saber o que fazer para esse mosquito não nascer”, disse.

Além das orientações contra o mosquito, também está na tenda algumas enfermeiras vacinando contra a gripe. Elas também orienta sobre qual o público-alvo da campanha. Apenas pessoas partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos , trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas e gestantes devem tomar a vacina.

Caso de chikungunya

O boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) confirma cinco mortes por chikungunya no Estado até 12 de maio de 2017. As vítimas tinham entre 10 dias de idade e 74 anos. Entre os óbitos, um foi de pessoa do sexo masculino e quatro do sexo feminino. Outros 40 casos estão sob investigação.

De acordo com a Sesa, desde janeiro de 2017, foram notificados 41.723 casos de chikungunya, dos quais 13.312 foram confirmados e 3.744 descartados. A maioria dos casos confirmados (66,8%) são em pessoas entre 20 e 59 anos e do sexo feminino.

Publicidade

Dê sua opinião

ALERTA

Orientação sobre o mosquito Aedes Aegypti acontece na Igreja de Fátima

Além das orientações sobre o mosquito, algumas enfermeiras também estão no local distribuindo vacinas contra a gripe

Por Lyvia Rocha em Cotidiano

13 de maio de 2017 às 16:03

Há 2 meses
Toda evolução do mosquito é mostrada (FOTO: Lyvia Rocha/Tribuna do Ceará)

Toda evolução do mosquito é mostrada (FOTO: Lyvia Rocha/Tribuna do Ceará)

Além das comemorações a Nossa Senhora De Fátima, e a missa que irão assistir, os devotos que passam pela igreja de Fátima, no bairro de Fátima, também receberão orientações importantes sobre o mosquito Aedes Aegypti, responsável por transmitir doenças como dengue, zica e chikungunya.

Agentes de saúde ficarão até às 17h orientando sobre como acontece a proliferação do mosquito, desde o nascimento, até o momento que pica uma pessoa e infecta com uma das doenças que transmite.

Para a Antônia Sousa, isso é muito importante por ser um local que tem muita gente. “Infelizmente muita gente está com essa chikungunya, eu conheço várias pessoas que tiveram essa doença. Por isso é bom a gente sempre saber o que fazer para esse mosquito não nascer”, disse.

Além das orientações contra o mosquito, também está na tenda algumas enfermeiras vacinando contra a gripe. Elas também orienta sobre qual o público-alvo da campanha. Apenas pessoas partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos , trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas e gestantes devem tomar a vacina.

Caso de chikungunya

O boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) confirma cinco mortes por chikungunya no Estado até 12 de maio de 2017. As vítimas tinham entre 10 dias de idade e 74 anos. Entre os óbitos, um foi de pessoa do sexo masculino e quatro do sexo feminino. Outros 40 casos estão sob investigação.

De acordo com a Sesa, desde janeiro de 2017, foram notificados 41.723 casos de chikungunya, dos quais 13.312 foram confirmados e 3.744 descartados. A maioria dos casos confirmados (66,8%) são em pessoas entre 20 e 59 anos e do sexo feminino.