Documentário retrata a rotina de pescadores em jornada a pé pelo litoral do Ceará

LITORAL OESTE

Documentário retrata a rotina de pescadores em jornada a pé pelo litoral do Ceará

É a 2ª vez que o jornalista faz uma viagem a pé para a produção de documentários, depois de uma ida de Fortaleza a Juazeiro do Norte

Por Gabriel Borges em Cotidiano

4 de dezembro de 2017 às 07:00

Há 2 semanas
Gravações foram feitas no litoral oeste (FOTO: Arquivo Pessoal)

Gravações foram feitas no litoral oeste (FOTO: Arquivo Pessoal)

A busca pela identidade do povo cearense é o que move Roberto Bomfim. O jornalista e documentarista possui novas histórias para contar após uma jornada pelo litoral do Estado. A vida do pescador cearense será retratada por meio do documentário Litoral Oeste, pescadores de outrora e suas histórias.

“O projeto fala desse ser cearense que eu não conheço, a gente tá tão perto e, muitas vezes, não dá o devido valor para esse homem do mar”. Esta não é a primeira vez que Bomfim se aventura pelo Ceará. Em 2016, o jornalista saiu de Fortaleza com destino a Juazeiro do Norte para conhecer e registrar histórias de lugares e pessoas desconhecidas.

Dessa vez, o documentarista enfrentou os riscos dos caminhos da praia. “Eu iria a pé, sozinho, até chegar em Jericoacoara. Mas no caminho até Mundaú sofri duas tentativas de assalto. Acabei retornando e só voltei com amigos me dando suporte”, revela.

Antes de optar seguir jornada acompanhado, o documentarista caminhou sozinho durante alguns dias. Pecém, Paracuru, Praia da Baleia e Mundaú foram os pontos escolhidos para passar a noite. Ora na praia, ora na casa de pescadores, Bomfim conta as vantagens dessa proximidade.

“É um pessoal que precisa adquirir confiança em você. Em Flecheiras, eu passei a noite na casa de um pescador, foi muito legal! Isso nos traz um pouco da convivência com o pescador. Na hora do almoço, tínhamos três tipos de peixes para comer. Essa vivência que você tem na casa deles é única”.

Apesar de ter encontrado muitos problemas nas vilas de pescadores, Bomfim acredita que a prática nunca acabará. “Em cada comunidade vejo os porquês dos problemas da pesca. Pescadores que se roubam, benefícios do governo para uns e para outros não, esse tipo de coisa que gera conflito. Mesmo com os problemas, a pesca não vai acabar”, conta.

Um dos pontos altos do projeto é o retorno que é dado às comunidades, com o documentário sendo exibido nas vilas. “Eu busco voltar e exibir nessas comunidades para criarmos o sentimento de pertencimento. O objetivo é criar uma discussão sobre o tema e os porquês da pesca ter diminuído”.

Veja também:
> Especial do Tribuna do Ceará sobre os pescadores artesanais de Fortaleza

Para o documentarista, o feedback é essencial para o sucesso do que é proposto. “Esse retorno que damos para eles é uma forma de se produzir cultura, deles se reconhecerem”, relata.

Além da busca pelo reconhecimento dos pescadores, Bomfim pôde viver um momento de reflexão enquanto desfrutava das belas paisagens do litoral cearense. “A noite é linda com aquelas estrelas. Percebemos como nós somos pequenos e como a natureza e Deus são tão grandes, nós temos tudo e não damos o devido valor”.

Bomfim revela que o projeto teve inspiração em um livro do artista plastico e arquiteto Nearco Araújo em parceria com Romeu Duarte, arquiteto e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC). Roberto Bonfim é autor de diversos documentários sobre o Ceará. O jornalista é especializado no ramo há mais de 15 anos.

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
1/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
2/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
3/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
4/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Publicidade

Dê sua opinião

LITORAL OESTE

Documentário retrata a rotina de pescadores em jornada a pé pelo litoral do Ceará

É a 2ª vez que o jornalista faz uma viagem a pé para a produção de documentários, depois de uma ida de Fortaleza a Juazeiro do Norte

Por Gabriel Borges em Cotidiano

4 de dezembro de 2017 às 07:00

Há 2 semanas
Gravações foram feitas no litoral oeste (FOTO: Arquivo Pessoal)

Gravações foram feitas no litoral oeste (FOTO: Arquivo Pessoal)

A busca pela identidade do povo cearense é o que move Roberto Bomfim. O jornalista e documentarista possui novas histórias para contar após uma jornada pelo litoral do Estado. A vida do pescador cearense será retratada por meio do documentário Litoral Oeste, pescadores de outrora e suas histórias.

“O projeto fala desse ser cearense que eu não conheço, a gente tá tão perto e, muitas vezes, não dá o devido valor para esse homem do mar”. Esta não é a primeira vez que Bomfim se aventura pelo Ceará. Em 2016, o jornalista saiu de Fortaleza com destino a Juazeiro do Norte para conhecer e registrar histórias de lugares e pessoas desconhecidas.

Dessa vez, o documentarista enfrentou os riscos dos caminhos da praia. “Eu iria a pé, sozinho, até chegar em Jericoacoara. Mas no caminho até Mundaú sofri duas tentativas de assalto. Acabei retornando e só voltei com amigos me dando suporte”, revela.

Antes de optar seguir jornada acompanhado, o documentarista caminhou sozinho durante alguns dias. Pecém, Paracuru, Praia da Baleia e Mundaú foram os pontos escolhidos para passar a noite. Ora na praia, ora na casa de pescadores, Bomfim conta as vantagens dessa proximidade.

“É um pessoal que precisa adquirir confiança em você. Em Flecheiras, eu passei a noite na casa de um pescador, foi muito legal! Isso nos traz um pouco da convivência com o pescador. Na hora do almoço, tínhamos três tipos de peixes para comer. Essa vivência que você tem na casa deles é única”.

Apesar de ter encontrado muitos problemas nas vilas de pescadores, Bomfim acredita que a prática nunca acabará. “Em cada comunidade vejo os porquês dos problemas da pesca. Pescadores que se roubam, benefícios do governo para uns e para outros não, esse tipo de coisa que gera conflito. Mesmo com os problemas, a pesca não vai acabar”, conta.

Um dos pontos altos do projeto é o retorno que é dado às comunidades, com o documentário sendo exibido nas vilas. “Eu busco voltar e exibir nessas comunidades para criarmos o sentimento de pertencimento. O objetivo é criar uma discussão sobre o tema e os porquês da pesca ter diminuído”.

Veja também:
> Especial do Tribuna do Ceará sobre os pescadores artesanais de Fortaleza

Para o documentarista, o feedback é essencial para o sucesso do que é proposto. “Esse retorno que damos para eles é uma forma de se produzir cultura, deles se reconhecerem”, relata.

Além da busca pelo reconhecimento dos pescadores, Bomfim pôde viver um momento de reflexão enquanto desfrutava das belas paisagens do litoral cearense. “A noite é linda com aquelas estrelas. Percebemos como nós somos pequenos e como a natureza e Deus são tão grandes, nós temos tudo e não damos o devido valor”.

Bomfim revela que o projeto teve inspiração em um livro do artista plastico e arquiteto Nearco Araújo em parceria com Romeu Duarte, arquiteto e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC). Roberto Bonfim é autor de diversos documentários sobre o Ceará. O jornalista é especializado no ramo há mais de 15 anos.

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
1/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
2/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
3/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral
4/4

Bomfim conheceu muitas histórias pelo litoral

(FOTO: Arquivo Pessoal)