Criança é internada com braços quebrados e morre após complicações médicas no IJF
MÃE PEDE JUSTIÇA

Criança é internada com braços quebrados e morre após complicações médicas no IJF

O garoto chegou ao hospital após cair em casa, amputou os braços e morreu ao adquirir uma bactéria hospitalar, segundo a mãe. “Eu vi o coraçãozinho dele parando de bater”

Por Lyvia Rocha em Cotidiano

5 de janeiro de 2017 às 17:38

Há 7 meses

O garoto morreu após sofrer uma parada cardíaca (FOTO: Arquivo Pessoal)

Uma criança de 9 anos morreu na última quarta-feira (4), no Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza após ter os braços amputados.

Daliete Silva, mãe do garoto Diego Rauã Silva dos Santos, denuncia que ele sofreu com a falta de atendimento e culpa a unidade pela morte do menino.

“Eles mataram meu filho, foi isso que aconteceu, não foi a queda, foram eles”, desabafou.

Segundo o médico que falou com a mãe do garoto, ele teria morrido de ataque cardíaco, contudo a Perícia Forense ainda irá divulgar o laudo com a causa da morte da criança. O menino é velado nesta quinta-feira (5), mas a data do enterro ainda não foi divulgada pela mãe.

O caso é confuso e, segundo a Daliete, nem os médicos souberam explicar como o menino foi a óbito. Na sexta-feira (29), a criança caiu e quebrou os dois braços. Então, Daliete levou o filho para o Frotinha da Parangaba, local onde recebeu os primeiros atendimentos e passaria pelo processo cirúrgico, contudo o garoto passou mal e foi encaminhado ao IJF.

“Ele ia fazer a cirurgia para colocar o bracinho no lugar, mas vomitou, então acharam melhor levar para o IJF. Chegando por lá, começaram os piores momentos da minha vida, algo que não desejo para nenhuma mãe. Ele sofreu descaso total, não foi atendido”, explica Daliete.

Ainda de acordo com Daliete, o fato de o garoto não ter fratura expostas seria o motivo para que os funcionários não dessem a real importância à situação. “Meu filho ficou na enfermaria e foi pior do que no corredor. Não davam nenhuma atenção. As enfermeiras só iam olhar meu filho quando eu chamava. No domingo, o caso do Diego se agravou, e eles disseram que tinham que amputar o braço do meu filho”, relata.

Depois do procedimento, a situação do menino só piorou até chegar ao falecimento. “Os braços dele ficaram pretos. Ele contraiu uma bactéria hospitalar. Ontem [quarta-feira], na hora da visita, eu vi o coraçãozinho dele parando e chamei os médicos. Quando eles voltaram, recebi a pior notícia: a que meu filho morreu”, lamenta.

Quando chegou ao hospital a mãe registrou que o menino estava vem aguardando atendimento (FOTO: Arquivo pessoal)

Agora, Daliete pede Justiça. “Eu quero Justiça pelo que aconteceu com o meu filho. Eu senti a dor de ter um filho e agora de perdê-lo dessa forma. Eles mataram meu filho”, reiterou a mãe.

Em nota, o Instituto Dr. José Frota (IJF) esclareceu que Diego Rauã Silva dos Santos foi acolhido na Emergência do hospital no último dia 30 de dezembro e prontamente atendido para o tratamento de diversas lesões sofridas após uma queda, conforme relatos de familiares.

“Com a evolução do quadro, o paciente sofreu complicações e, infelizmente, o óbito foi confirmado no dia 4 de janeiro de 2017. As informações obtidas até o momento indicam que todas as condutas adotadas pelo hospital e seus profissionais estão de acordo com as rotinas padrões de atendimento, no entanto, o IJF vai reavaliá-las para fazer a devida apuração”, finaliza a nota.

Publicidade

Dê sua opinião

MÃE PEDE JUSTIÇA

Criança é internada com braços quebrados e morre após complicações médicas no IJF

O garoto chegou ao hospital após cair em casa, amputou os braços e morreu ao adquirir uma bactéria hospitalar, segundo a mãe. “Eu vi o coraçãozinho dele parando de bater”

Por Lyvia Rocha em Cotidiano

5 de janeiro de 2017 às 17:38

Há 7 meses

O garoto morreu após sofrer uma parada cardíaca (FOTO: Arquivo Pessoal)

Uma criança de 9 anos morreu na última quarta-feira (4), no Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza após ter os braços amputados.

Daliete Silva, mãe do garoto Diego Rauã Silva dos Santos, denuncia que ele sofreu com a falta de atendimento e culpa a unidade pela morte do menino.

“Eles mataram meu filho, foi isso que aconteceu, não foi a queda, foram eles”, desabafou.

Segundo o médico que falou com a mãe do garoto, ele teria morrido de ataque cardíaco, contudo a Perícia Forense ainda irá divulgar o laudo com a causa da morte da criança. O menino é velado nesta quinta-feira (5), mas a data do enterro ainda não foi divulgada pela mãe.

O caso é confuso e, segundo a Daliete, nem os médicos souberam explicar como o menino foi a óbito. Na sexta-feira (29), a criança caiu e quebrou os dois braços. Então, Daliete levou o filho para o Frotinha da Parangaba, local onde recebeu os primeiros atendimentos e passaria pelo processo cirúrgico, contudo o garoto passou mal e foi encaminhado ao IJF.

“Ele ia fazer a cirurgia para colocar o bracinho no lugar, mas vomitou, então acharam melhor levar para o IJF. Chegando por lá, começaram os piores momentos da minha vida, algo que não desejo para nenhuma mãe. Ele sofreu descaso total, não foi atendido”, explica Daliete.

Ainda de acordo com Daliete, o fato de o garoto não ter fratura expostas seria o motivo para que os funcionários não dessem a real importância à situação. “Meu filho ficou na enfermaria e foi pior do que no corredor. Não davam nenhuma atenção. As enfermeiras só iam olhar meu filho quando eu chamava. No domingo, o caso do Diego se agravou, e eles disseram que tinham que amputar o braço do meu filho”, relata.

Depois do procedimento, a situação do menino só piorou até chegar ao falecimento. “Os braços dele ficaram pretos. Ele contraiu uma bactéria hospitalar. Ontem [quarta-feira], na hora da visita, eu vi o coraçãozinho dele parando e chamei os médicos. Quando eles voltaram, recebi a pior notícia: a que meu filho morreu”, lamenta.

Quando chegou ao hospital a mãe registrou que o menino estava vem aguardando atendimento (FOTO: Arquivo pessoal)

Agora, Daliete pede Justiça. “Eu quero Justiça pelo que aconteceu com o meu filho. Eu senti a dor de ter um filho e agora de perdê-lo dessa forma. Eles mataram meu filho”, reiterou a mãe.

Em nota, o Instituto Dr. José Frota (IJF) esclareceu que Diego Rauã Silva dos Santos foi acolhido na Emergência do hospital no último dia 30 de dezembro e prontamente atendido para o tratamento de diversas lesões sofridas após uma queda, conforme relatos de familiares.

“Com a evolução do quadro, o paciente sofreu complicações e, infelizmente, o óbito foi confirmado no dia 4 de janeiro de 2017. As informações obtidas até o momento indicam que todas as condutas adotadas pelo hospital e seus profissionais estão de acordo com as rotinas padrões de atendimento, no entanto, o IJF vai reavaliá-las para fazer a devida apuração”, finaliza a nota.