#Conjunturas: Parlamentares discutem capacidade de Temer de governar em meio à crise
REPÚBLICA

#Conjunturas: Parlamentares discutem capacidade de Temer de governar em meio à crise

O quadro vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã, no programa Tribuna BandNews 1ª edição, na rádio Tribuna BandNews FM

Por Tribuna Bandnews FM em Cotidiano

7 de agosto de 2017 às 10:06

Há 1 semana
Temer conseguiu barrar denúncia contra ele na Câmara. (Foto: Alan Santos/PR)

Temer conseguiu barrar denúncia contra ele na Câmara. (Foto: Alan Santos/PR)

A capacidade de governabilidade do presidente Michel Temer (PMDB) principalmente para aprovar as reformas política, tributária e da previdência é o tema do Conjunturas desta segunda-feira (7). O quadro vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã, no programa Tribuna BandNews 1ª edição, da rádio Tribuna BandNews FM.

O deputado federal Cabo Sabino (PR), o estadual Carlos Matos (PSDB) e o vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) comentaram o assunto.

“Apesar da vitória do Governo nessa votação para abertura de processo de investigação do presidente Temer, penso que não há estabilidade possível”, ressalta Guilherme.

O vereador petista diz que os processos de investigação continuam, mesmo com tentativas de parar a Lava Jato e a Polícia Federal. Ele também destaca que novas delações devem resultar em outras denúncias contra Temer.

“A vitória na Câmara foi por 263 a 227. Embora já fosse uma vitória esperada, é importante notar que o Governo não alcançou uma maioria constitucional”, fala Guilherme. O que, para ele, significa que talvez o Governo não tenha força para aprovar reformas.

O deputado Cabo Sabino, que votou contra o arquivamento da denúncia do presidente, acredita que haverá um período de instabilidade maior, porque agora surge o efeito colateral da votação.

“Nesse efeito colateral, aqueles deputados que eram da base, eram detentores de indicação de cargos em seus estados, o governo deve tirar esses cargos, repassar para aqueles que acabaram sendo a tropa de choque e, com isso, trará uma dissidência mais acentuada, um desgaste maior com partidos”, pontua Sabino.

Para o parlamentar, o grande entrave para o governo atualmente é a reforma da previdência. Por isso, é possível que seja votada primeiro a reforma tributária e a reforma política. Sabino afirma que, enquanto o foco se volta para a denúncia na Câmara, o Governo trabalha nos bastidores para barrar investigações.

O deputado Carlos Matos ressaltou que foram apenas 39 votos de diferença para o governo. “Se vier uma nova denúncia, acho que será cada vez mais difícil”, frisa. Para Matos, o próprio PSDB precisa se definir em relação ao apoio a Temer.

Confira o debate completo:

Publicidade

Dê sua opinião

REPÚBLICA

#Conjunturas: Parlamentares discutem capacidade de Temer de governar em meio à crise

O quadro vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã, no programa Tribuna BandNews 1ª edição, na rádio Tribuna BandNews FM

Por Tribuna Bandnews FM em Cotidiano

7 de agosto de 2017 às 10:06

Há 1 semana
Temer conseguiu barrar denúncia contra ele na Câmara. (Foto: Alan Santos/PR)

Temer conseguiu barrar denúncia contra ele na Câmara. (Foto: Alan Santos/PR)

A capacidade de governabilidade do presidente Michel Temer (PMDB) principalmente para aprovar as reformas política, tributária e da previdência é o tema do Conjunturas desta segunda-feira (7). O quadro vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras, pela manhã, no programa Tribuna BandNews 1ª edição, da rádio Tribuna BandNews FM.

O deputado federal Cabo Sabino (PR), o estadual Carlos Matos (PSDB) e o vereador de Fortaleza Guilherme Sampaio (PT) comentaram o assunto.

“Apesar da vitória do Governo nessa votação para abertura de processo de investigação do presidente Temer, penso que não há estabilidade possível”, ressalta Guilherme.

O vereador petista diz que os processos de investigação continuam, mesmo com tentativas de parar a Lava Jato e a Polícia Federal. Ele também destaca que novas delações devem resultar em outras denúncias contra Temer.

“A vitória na Câmara foi por 263 a 227. Embora já fosse uma vitória esperada, é importante notar que o Governo não alcançou uma maioria constitucional”, fala Guilherme. O que, para ele, significa que talvez o Governo não tenha força para aprovar reformas.

O deputado Cabo Sabino, que votou contra o arquivamento da denúncia do presidente, acredita que haverá um período de instabilidade maior, porque agora surge o efeito colateral da votação.

“Nesse efeito colateral, aqueles deputados que eram da base, eram detentores de indicação de cargos em seus estados, o governo deve tirar esses cargos, repassar para aqueles que acabaram sendo a tropa de choque e, com isso, trará uma dissidência mais acentuada, um desgaste maior com partidos”, pontua Sabino.

Para o parlamentar, o grande entrave para o governo atualmente é a reforma da previdência. Por isso, é possível que seja votada primeiro a reforma tributária e a reforma política. Sabino afirma que, enquanto o foco se volta para a denúncia na Câmara, o Governo trabalha nos bastidores para barrar investigações.

O deputado Carlos Matos ressaltou que foram apenas 39 votos de diferença para o governo. “Se vier uma nova denúncia, acho que será cada vez mais difícil”, frisa. Para Matos, o próprio PSDB precisa se definir em relação ao apoio a Temer.

Confira o debate completo: