Confirmada morte por meningite de funcionário terceirizado do Complexo Hospitalar da UFC

ALERTA

Confirmada morte por meningite de funcionário terceirizado do Complexo Hospitalar da UFC

A Complexo afirma que José Airton de Oliveira trabalhava exclusivamente em áreas administrativas e não tinha contato com as áreas assistenciais

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

18 de Abril de 2018 às 18:08

Há 1 mês
Funcionário do Walter Cantídio não tinha contato com área assistencial. (Foto: Divulgação/Ebserh)

Funcionário terceirizado do Walter Cantídio não tinha contato com área assistencial. (Foto: Divulgação/Ebserh)

Atualizada às 19h33min

Um funcionário terceirizado do Complexo Hospitalar da UFC/Ebserh, em Fortaleza, morreu por meningite meningocócica nesta quarta-feira (18). Essa é a segunda morte registrada no Ceará em 2018.

Em nota, o Complexo Hospitalar, que administra a Maternidade Escola Assis Chateubriand e o Hospital Universitário, lamentou a morte e afirmou que não há motivos para operação especial porque não houve contato com a área assistencial. José Airton de Oliveira trabalhava no setor administrativo do Hospital Universitário Walter Cantídio.

A morte causou temor em pacientes pelo risco de contágio. No entanto, o Complexo afirma que o funcionário terceirizado trabalhava exclusivamente em áreas administrativas e não tinha contato com as áreas assistenciais, nem com pacientes nem com colaboradores. Por isso, não há motivo para pânico ou para algum tipo de operação.

“Medidas preventivas e de vigilância pela segurança dos trabalhadores e dos pacientes do Complexo Hospitalar da UFC já fazem parte da rotina dos hospitais”, diz a assessoria em nota.

O Complexo ressalta também que os colaboradores que tenham tido contato íntimo e prolongado (por, pelo menos, quatro horas seguidas) ou exposição direta às secreções respiratórias do funcionário terceirizado já foram orientados a procurar a unidade interna de segurança do trabalho para avaliação e, se necessário, profilaxia, conforme recomendação do Ministério da Saúde.

Também foram disponibilizados canais internos de atendimento para que os colaboradores possam tirar dúvidas sobre a doença.

Outros casos
Até o início de abril, o Ceará registrava um caso de meningite meningocócica, além de 25 casos de outras meningites. Uma morte foi registrada em Massapê, na Região Norte.

Erramos: A primeira versão desta matéria dizia que José Airton de Oliveira trabalhava na Maternidade Escola Assis Chateubriand. O correto é que ele trabalhava no setor administrativo do Hospital Universitário Walter Cantídio.

Publicidade

Dê sua opinião

ALERTA

Confirmada morte por meningite de funcionário terceirizado do Complexo Hospitalar da UFC

A Complexo afirma que José Airton de Oliveira trabalhava exclusivamente em áreas administrativas e não tinha contato com as áreas assistenciais

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

18 de Abril de 2018 às 18:08

Há 1 mês
Funcionário do Walter Cantídio não tinha contato com área assistencial. (Foto: Divulgação/Ebserh)

Funcionário terceirizado do Walter Cantídio não tinha contato com área assistencial. (Foto: Divulgação/Ebserh)

Atualizada às 19h33min

Um funcionário terceirizado do Complexo Hospitalar da UFC/Ebserh, em Fortaleza, morreu por meningite meningocócica nesta quarta-feira (18). Essa é a segunda morte registrada no Ceará em 2018.

Em nota, o Complexo Hospitalar, que administra a Maternidade Escola Assis Chateubriand e o Hospital Universitário, lamentou a morte e afirmou que não há motivos para operação especial porque não houve contato com a área assistencial. José Airton de Oliveira trabalhava no setor administrativo do Hospital Universitário Walter Cantídio.

A morte causou temor em pacientes pelo risco de contágio. No entanto, o Complexo afirma que o funcionário terceirizado trabalhava exclusivamente em áreas administrativas e não tinha contato com as áreas assistenciais, nem com pacientes nem com colaboradores. Por isso, não há motivo para pânico ou para algum tipo de operação.

“Medidas preventivas e de vigilância pela segurança dos trabalhadores e dos pacientes do Complexo Hospitalar da UFC já fazem parte da rotina dos hospitais”, diz a assessoria em nota.

O Complexo ressalta também que os colaboradores que tenham tido contato íntimo e prolongado (por, pelo menos, quatro horas seguidas) ou exposição direta às secreções respiratórias do funcionário terceirizado já foram orientados a procurar a unidade interna de segurança do trabalho para avaliação e, se necessário, profilaxia, conforme recomendação do Ministério da Saúde.

Também foram disponibilizados canais internos de atendimento para que os colaboradores possam tirar dúvidas sobre a doença.

Outros casos
Até o início de abril, o Ceará registrava um caso de meningite meningocócica, além de 25 casos de outras meningites. Uma morte foi registrada em Massapê, na Região Norte.

Erramos: A primeira versão desta matéria dizia que José Airton de Oliveira trabalhava na Maternidade Escola Assis Chateubriand. O correto é que ele trabalhava no setor administrativo do Hospital Universitário Walter Cantídio.