Ato contra LGBTfobia será realizado após travesti ser morta brutalmente no Bom Jardim
EM FORTALEZA

Ato contra LGBTfobia será realizado após travesti ser morta brutalmente no Bom Jardim

O evento é organizado pelo Grupo de Resistência Asa Branca (Grab), junto ao Fórum Cearense LGBT, com apoio do Conselho Municipal LGBT

Por Ana Clara Jovino em Cotidiano

7 de março de 2017 às 08:46

Há 7 meses

(FOTO: Divulgação)

Após o caso Dandara, travesti de 42 anos que foi morta por pelo menos cinco homens no Bairro Bom Jardim, em Fortaleza, será realizado o ATO Contra Lgbtfobia, nesta sexta-feira (10), na Praça Luíza Távora. O evento é organizado pelo Grupo de Resistência Asa Branca (Grab), junto ao Fórum Cearense LGBT, com apoio do Conselho Municipal LGBT.

“Na ocasião vamos exigir do Estado não somente falas, mas respostas efetivas para o combate à LGBTfobia no Ceará. Ressaltamos a importância da participação de todxs, bem como, no processo de mobilização do maior número de participantes possível. Abraços a todxs e JUSTIÇA À DANDARA!!!”, diz a descrição do evento no Facebook.

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, se pronunciou sobre o caso, que repercutiu após a divulgação do vídeo das ações violentas feito pelos criminosos, em nota no seu Facebook.

“Essa é uma expressão de violência que não podemos tolerar em nossa cidade nos tempos atuais. Da mesma forma, estamos envolvendo toda a nossa estrutura administrativa da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e sua Coordenadoria da Diversidade Sexual, para que apoie as investigações e a consequente punição dos responsáveis por esse ato bárbaro”, informou na nota.

O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou que a Secretaria da Segurança Pública do Ceará conseguiu na Justiça ordem de prisão dos cinco suspeitos de agredirem Dandara até a morte.

O caso

Dandara foi morta no dia 15 de fevereiro por pelo menos cinco homens, mas o crime brutal só ganhou repercussão na sexta-feira (3), depois de as imagens da violência serem compartilhadas na internet. A principal suspeita é de que o crime foi motivado por homofobia.

No novo trecho divulgado do crime de ódio, Dandara está sentada ao chão, sem forças para levantar, e balbucia algumas palavras, dentre elas a sua idade e diz que quase morre. Dandara pede para que não batam mais nela e é novamente agredida com pedrada no ombro.

Ouve-se frases como: “você vai morrer, safado”, “sai logo fora”, ” negrada vai te matar se tu não sair fora” e “sai fora logo senão vão te matar aí mesmo”. Ninguém presta socorro. Depois de ser agredida com chutes, pedradas e pauladas, a travesti é colocada pelos agressores em um carro de mão e levada para outro local que não aparece nas imagens.

O crime está sendo investigado pelo 32º Distrito Policial. De acordo com o delegado Bruno Ronque, eles tratam o homicídio como crime com requintes de homofobia, e que eles já estavam trabalhando nas investigações desde quando o homicídio ocorreu, e não apenas após a divulgação e repercussão do vídeo.

Acompanhe o caso:

4 de março – Não iremos tolerar esse tipo de violência, diz governador do Ceará sobre morte de travesti

5 de março – Vídeo mostra travesti Dandara à espera de socorro antes de ser morta

6 de março – Polícia está perto de identificar homens que mataram travesti brutalmente e filmaram crime

6 de março – Polícia intensificou investigações da morte de Dandara só após divulgação de vídeo feito por criminosos

Publicidade

Dê sua opinião

EM FORTALEZA

Ato contra LGBTfobia será realizado após travesti ser morta brutalmente no Bom Jardim

O evento é organizado pelo Grupo de Resistência Asa Branca (Grab), junto ao Fórum Cearense LGBT, com apoio do Conselho Municipal LGBT

Por Ana Clara Jovino em Cotidiano

7 de março de 2017 às 08:46

Há 7 meses

(FOTO: Divulgação)

Após o caso Dandara, travesti de 42 anos que foi morta por pelo menos cinco homens no Bairro Bom Jardim, em Fortaleza, será realizado o ATO Contra Lgbtfobia, nesta sexta-feira (10), na Praça Luíza Távora. O evento é organizado pelo Grupo de Resistência Asa Branca (Grab), junto ao Fórum Cearense LGBT, com apoio do Conselho Municipal LGBT.

“Na ocasião vamos exigir do Estado não somente falas, mas respostas efetivas para o combate à LGBTfobia no Ceará. Ressaltamos a importância da participação de todxs, bem como, no processo de mobilização do maior número de participantes possível. Abraços a todxs e JUSTIÇA À DANDARA!!!”, diz a descrição do evento no Facebook.

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, se pronunciou sobre o caso, que repercutiu após a divulgação do vídeo das ações violentas feito pelos criminosos, em nota no seu Facebook.

“Essa é uma expressão de violência que não podemos tolerar em nossa cidade nos tempos atuais. Da mesma forma, estamos envolvendo toda a nossa estrutura administrativa da Prefeitura de Fortaleza, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e sua Coordenadoria da Diversidade Sexual, para que apoie as investigações e a consequente punição dos responsáveis por esse ato bárbaro”, informou na nota.

O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou que a Secretaria da Segurança Pública do Ceará conseguiu na Justiça ordem de prisão dos cinco suspeitos de agredirem Dandara até a morte.

O caso

Dandara foi morta no dia 15 de fevereiro por pelo menos cinco homens, mas o crime brutal só ganhou repercussão na sexta-feira (3), depois de as imagens da violência serem compartilhadas na internet. A principal suspeita é de que o crime foi motivado por homofobia.

No novo trecho divulgado do crime de ódio, Dandara está sentada ao chão, sem forças para levantar, e balbucia algumas palavras, dentre elas a sua idade e diz que quase morre. Dandara pede para que não batam mais nela e é novamente agredida com pedrada no ombro.

Ouve-se frases como: “você vai morrer, safado”, “sai logo fora”, ” negrada vai te matar se tu não sair fora” e “sai fora logo senão vão te matar aí mesmo”. Ninguém presta socorro. Depois de ser agredida com chutes, pedradas e pauladas, a travesti é colocada pelos agressores em um carro de mão e levada para outro local que não aparece nas imagens.

O crime está sendo investigado pelo 32º Distrito Policial. De acordo com o delegado Bruno Ronque, eles tratam o homicídio como crime com requintes de homofobia, e que eles já estavam trabalhando nas investigações desde quando o homicídio ocorreu, e não apenas após a divulgação e repercussão do vídeo.

Acompanhe o caso:

4 de março – Não iremos tolerar esse tipo de violência, diz governador do Ceará sobre morte de travesti

5 de março – Vídeo mostra travesti Dandara à espera de socorro antes de ser morta

6 de março – Polícia está perto de identificar homens que mataram travesti brutalmente e filmaram crime

6 de março – Polícia intensificou investigações da morte de Dandara só após divulgação de vídeo feito por criminosos