Assim ficou o quarteirão do Parque Recreio depois de perder 43 árvores

IMPACTO VISUAL

Assim ficou o quarteirão do Parque Recreio depois de perder 43 árvores

Para atender à legislação de Fortaleza, o corte acima de 10 árvores exige compensações. Foi o caso da obra em andamento no bairro Aldeota

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

26 de setembro de 2018 às 18:38

Há 3 semanas
Impacto foi grande após a perda das árvores no terreno (Foto: Reprodução Whatsapp)

Impacto foi grande após a perda das árvores no terreno (Foto: Reprodução Whatsapp)

Depois três dias de trabalho, vizinhos do antigo restaurante Parque Recreio já sentem o impacto visual da perda de 43 árvores que existiam no quarteirão do bairro Aldeota, em Fortaleza, após o início da obra de construção de um supermercado no terreno. O Tribuna do Ceará recebeu fotos do antes e do depois.

De acordo com a Prefeitura de Fortaleza, a obra atende à legislação ambiental municipal. Ao todo, 33 árvores foram “suprimidas”, como indica o Município, e 10 serão transplantadas.

Conforme explica a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), a partir de 10 árvores a empresa precisa pedir autorização para a retirada. O procedimento é mais criterioso, com visitas técnicas, antes da liberação do documento. Com a autorização liberada, o proprietário do terreno precisa realizar o replantio das árvores em outra região. “A quantidade varia de acordo com o porte e espécie da árvore”.

Em nota, o órgão disse que autorizou a derrubada de 33 árvores no local. Outras dez árvores devem ser transplantadas. A pasta exigiu também da empresa que adquiriu o terreno a doação e plantio, em um prazo de dois meses, de 348 mudas semi adultas, de espécie nativa.

Se a árvore for de grande porte, a pessoa pode chegar a repor até 18 árvores. “Há uma escala dependendo do porte, da medida do DAP (Diâmetro da Altura do Peito), da circunferência, espécie e idade, é feito um cálculo”.

Terreno em referência a Assim ficou o quarteirão do Parque Recreio depois de perder 43 árvores

Terreno na segunda-feira (24) (FOTO: Reprodução/ Whatsapp)

Já para a retirada de até nove árvores, o processo de solicitação é feito na regional do bairro. “O proprietário do terreno pode, em caso de construção ou outro motivo, solicitar a supressão”.

O caso aconteceu na Avenida Rui Barbosa com Rua Coronel Alves Teixeira, no bairro Aldeota. Apesar da supressão de 33 árvores e transplante de 10 árvores, toda a ação feita está dentro das normas propostas e foi autorizada pela Seuma.

A pasta exigiu da empresa que adquiriu o terreno a doação e plantio, em um prazo de dois meses, de 348 mudas semi adultas, de espécie nativa.

Com informações da repórter Juliana Marques, da Tribuna BandNews FM.

Publicidade

Dê sua opinião

IMPACTO VISUAL

Assim ficou o quarteirão do Parque Recreio depois de perder 43 árvores

Para atender à legislação de Fortaleza, o corte acima de 10 árvores exige compensações. Foi o caso da obra em andamento no bairro Aldeota

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

26 de setembro de 2018 às 18:38

Há 3 semanas
Impacto foi grande após a perda das árvores no terreno (Foto: Reprodução Whatsapp)

Impacto foi grande após a perda das árvores no terreno (Foto: Reprodução Whatsapp)

Depois três dias de trabalho, vizinhos do antigo restaurante Parque Recreio já sentem o impacto visual da perda de 43 árvores que existiam no quarteirão do bairro Aldeota, em Fortaleza, após o início da obra de construção de um supermercado no terreno. O Tribuna do Ceará recebeu fotos do antes e do depois.

De acordo com a Prefeitura de Fortaleza, a obra atende à legislação ambiental municipal. Ao todo, 33 árvores foram “suprimidas”, como indica o Município, e 10 serão transplantadas.

Conforme explica a Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), a partir de 10 árvores a empresa precisa pedir autorização para a retirada. O procedimento é mais criterioso, com visitas técnicas, antes da liberação do documento. Com a autorização liberada, o proprietário do terreno precisa realizar o replantio das árvores em outra região. “A quantidade varia de acordo com o porte e espécie da árvore”.

Em nota, o órgão disse que autorizou a derrubada de 33 árvores no local. Outras dez árvores devem ser transplantadas. A pasta exigiu também da empresa que adquiriu o terreno a doação e plantio, em um prazo de dois meses, de 348 mudas semi adultas, de espécie nativa.

Se a árvore for de grande porte, a pessoa pode chegar a repor até 18 árvores. “Há uma escala dependendo do porte, da medida do DAP (Diâmetro da Altura do Peito), da circunferência, espécie e idade, é feito um cálculo”.

Terreno em referência a Assim ficou o quarteirão do Parque Recreio depois de perder 43 árvores

Terreno na segunda-feira (24) (FOTO: Reprodução/ Whatsapp)

Já para a retirada de até nove árvores, o processo de solicitação é feito na regional do bairro. “O proprietário do terreno pode, em caso de construção ou outro motivo, solicitar a supressão”.

O caso aconteceu na Avenida Rui Barbosa com Rua Coronel Alves Teixeira, no bairro Aldeota. Apesar da supressão de 33 árvores e transplante de 10 árvores, toda a ação feita está dentro das normas propostas e foi autorizada pela Seuma.

A pasta exigiu da empresa que adquiriu o terreno a doação e plantio, em um prazo de dois meses, de 348 mudas semi adultas, de espécie nativa.

Com informações da repórter Juliana Marques, da Tribuna BandNews FM.