Após 6 meses, projeto que estende meia-entrada a professores está parado
PARADO

Após 6 meses, projeto que estende meia-entrada a professores está parado

Professores precisariam apresentar carteira funcional ou contracheque para serem beneficiados com meia-entrada

Por Roberta Tavares em Cotidiano

8 de maio de 2016 às 06:00

Há 1 ano
“É uma medida que possibilita mais conhecimento e melhoria na qualidade de vida”, afirma o deputado Leonardo Araújo (FOTO: Divulgação)

“É uma medida que possibilita mais conhecimento e melhoria na qualidade de vida”, afirma o deputado Leonardo Araújo (FOTO: Divulgação)

O projeto de lei que estende benefícios da meia-entrada cultural a professores das redes estaduais e municipais do Ceará segue em tramitação na Assembleia Legislativa desde 18 de novembro de 2015. Após seis meses, o projeto nº 254/15, de autoria do deputado Leonardo Araújo (PMDB), continua parado no Departamento Legislativo.

De acordo com o parlamentar, a intenção é oferecer aos educadores a oportunidade de voltar a consumir bens simbólicos produzidos pela cultura brasileira, pela metade do valor do ingresso. “É uma medida que prestigia os professores e possibilita mais conhecimento e melhoria na qualidade de vida para esta classe tão importante para a sociedade, mas ainda desvalorizada”, afirma.

O PL pretende alterar os artigos 1º e 2º da Lei 12.302, de maio de 1994. Dessa forma, ficaria assegurado o abatimento de 50% do valor efetivamente cobrado para o ingresso em casas de diversões, de espetáculos teatrais, musicais e similares aos estudantes matriculados em estabelecimentos de ensino existentes no Ceará e aos professores da rede pública de ensino estadual e das redes municipais.

Os professores beneficiados com a mudança precisariam provar a sua função por meio da apresentação de carteira funcional emitida pela Secretaria de Educação ou pela apresentação do respectivo contracheque.

“O papel dos professores como consumidores da cultura contemporânea é incontestável. Eles desdobram-se em duas direções: de um lado, investem na própria formação, entendendo que a produção cultural também é fonte de conhecimento; e, de outro lado, na qualificação do currículo escolar, à medida que podem divulgar os espetáculos aos seus alunos”, conclui Leonardo Araújo. No entanto, ainda não há previsão para votação do Projeto de Lei na Assembleia Legislativa.

Publicidade

Dê sua opinião

PARADO

Após 6 meses, projeto que estende meia-entrada a professores está parado

Professores precisariam apresentar carteira funcional ou contracheque para serem beneficiados com meia-entrada

Por Roberta Tavares em Cotidiano

8 de maio de 2016 às 06:00

Há 1 ano
“É uma medida que possibilita mais conhecimento e melhoria na qualidade de vida”, afirma o deputado Leonardo Araújo (FOTO: Divulgação)

“É uma medida que possibilita mais conhecimento e melhoria na qualidade de vida”, afirma o deputado Leonardo Araújo (FOTO: Divulgação)

O projeto de lei que estende benefícios da meia-entrada cultural a professores das redes estaduais e municipais do Ceará segue em tramitação na Assembleia Legislativa desde 18 de novembro de 2015. Após seis meses, o projeto nº 254/15, de autoria do deputado Leonardo Araújo (PMDB), continua parado no Departamento Legislativo.

De acordo com o parlamentar, a intenção é oferecer aos educadores a oportunidade de voltar a consumir bens simbólicos produzidos pela cultura brasileira, pela metade do valor do ingresso. “É uma medida que prestigia os professores e possibilita mais conhecimento e melhoria na qualidade de vida para esta classe tão importante para a sociedade, mas ainda desvalorizada”, afirma.

O PL pretende alterar os artigos 1º e 2º da Lei 12.302, de maio de 1994. Dessa forma, ficaria assegurado o abatimento de 50% do valor efetivamente cobrado para o ingresso em casas de diversões, de espetáculos teatrais, musicais e similares aos estudantes matriculados em estabelecimentos de ensino existentes no Ceará e aos professores da rede pública de ensino estadual e das redes municipais.

Os professores beneficiados com a mudança precisariam provar a sua função por meio da apresentação de carteira funcional emitida pela Secretaria de Educação ou pela apresentação do respectivo contracheque.

“O papel dos professores como consumidores da cultura contemporânea é incontestável. Eles desdobram-se em duas direções: de um lado, investem na própria formação, entendendo que a produção cultural também é fonte de conhecimento; e, de outro lado, na qualificação do currículo escolar, à medida que podem divulgar os espetáculos aos seus alunos”, conclui Leonardo Araújo. No entanto, ainda não há previsão para votação do Projeto de Lei na Assembleia Legislativa.