Taxa de bebês com má-formação em Limoeiro do Norte é 75% maior do que em outras regiões do Brasil

USO DE AGROTÓXICOS

Taxa de bebês com má-formação em Limoeiro do Norte é 75% maior do que em outras regiões do Brasil

O uso abusivo de agrotóxicos pode ser a causa do nascimento de bebês com má-formação congênita e início da puberdade precoce, indica pesquisa da UFC

Por Tribuna do Ceará em Ceará

8 de agosto de 2018 às 07:00

Há 4 meses
Avião em referência a Limoeiro do Norte tem 75% mais bebês nascendo com mal formação congênita; uso abusivo de agrotóxicos seria a causa

Além de má-formação congênita dos bebês, o uso abusivo de agrotóxicos pode causar câncer (FOTO: Cenipa/ Divulgação)

O uso excessivo de agrotóxicos pode ser umas das causas do nascimento de bebês com má-formação congênita e desenvolvimento da puberdade precocemente em crianças no distrito de Tomé, em Limoeiro do Norte.

A pesquisa realizada pela Universidade Federal do Ceará (UFC) relaciona a situação dessas crianças com o uso abusivo de agrotóxicos na região.

Os estudos apontam ainda que, devido à grande exposição dos agrotóxicos, o número de câncer na cidade de Limoeiro do Norte é 38% maior que em outras cidades que não possuem grandes lavouras no estado, e o número de má-formação em bebês é 75% maior do que em outras regiões do país.

A professora Luci Oliveira afirmou que a filha teve crescimento precoce das mamas. “A moça que cuidava dela começou a perceber o avanço. Eu procurei um médico, e ele pediu uma ultrassom da mama. Foi diagnosticado a telarca prematura, que é o início de puberdade precoce… o médico disse que, se não começasse o tratamento, poderia menstruar com 3 ou 4 anos”. 

A dona de casa Cleudiana Martins já perdeu dois filhos. “A primeira vez tive um aborto com três meses. A segunda, ela ficou viva quase três meses, no aparelho direto”.

A situação preocupa quem não acompanha os resultados da pesquisa. Os desafios aumentam quando o número de pessoas com câncer na região crescem. A aposentada Maria de Fátima perdeu o irmão para a doença. “Ele faleceu com 62 anos, há 4 anos. Minha sobrinha morreu também”.

A professora Luci ainda comenta que na cidade já houve casos de crianças que nasceram sem os membros superiores e inferiores.

Confira vídeo do programa Vem que Tem, da TV Jangadeiro/SBT: 

Publicidade

Dê sua opinião

USO DE AGROTÓXICOS

Taxa de bebês com má-formação em Limoeiro do Norte é 75% maior do que em outras regiões do Brasil

O uso abusivo de agrotóxicos pode ser a causa do nascimento de bebês com má-formação congênita e início da puberdade precoce, indica pesquisa da UFC

Por Tribuna do Ceará em Ceará

8 de agosto de 2018 às 07:00

Há 4 meses
Avião em referência a Limoeiro do Norte tem 75% mais bebês nascendo com mal formação congênita; uso abusivo de agrotóxicos seria a causa

Além de má-formação congênita dos bebês, o uso abusivo de agrotóxicos pode causar câncer (FOTO: Cenipa/ Divulgação)

O uso excessivo de agrotóxicos pode ser umas das causas do nascimento de bebês com má-formação congênita e desenvolvimento da puberdade precocemente em crianças no distrito de Tomé, em Limoeiro do Norte.

A pesquisa realizada pela Universidade Federal do Ceará (UFC) relaciona a situação dessas crianças com o uso abusivo de agrotóxicos na região.

Os estudos apontam ainda que, devido à grande exposição dos agrotóxicos, o número de câncer na cidade de Limoeiro do Norte é 38% maior que em outras cidades que não possuem grandes lavouras no estado, e o número de má-formação em bebês é 75% maior do que em outras regiões do país.

A professora Luci Oliveira afirmou que a filha teve crescimento precoce das mamas. “A moça que cuidava dela começou a perceber o avanço. Eu procurei um médico, e ele pediu uma ultrassom da mama. Foi diagnosticado a telarca prematura, que é o início de puberdade precoce… o médico disse que, se não começasse o tratamento, poderia menstruar com 3 ou 4 anos”. 

A dona de casa Cleudiana Martins já perdeu dois filhos. “A primeira vez tive um aborto com três meses. A segunda, ela ficou viva quase três meses, no aparelho direto”.

A situação preocupa quem não acompanha os resultados da pesquisa. Os desafios aumentam quando o número de pessoas com câncer na região crescem. A aposentada Maria de Fátima perdeu o irmão para a doença. “Ele faleceu com 62 anos, há 4 anos. Minha sobrinha morreu também”.

A professora Luci ainda comenta que na cidade já houve casos de crianças que nasceram sem os membros superiores e inferiores.

Confira vídeo do programa Vem que Tem, da TV Jangadeiro/SBT: