Secretário de Pacatuba é preso suspeito de integrar quadrilha que movimentou R$ 23 milhões

LAVAGEM DE DINHEIRO

Secretário de Pacatuba é preso suspeito de integrar quadrilha que movimentou R$ 23 milhões

Antônio Fábio da Silva Araújo, conhecido como Bim, é suspeito de comandar um esquema de lavagem de dinheiro, agiotagem e sonegação fiscal

Por Tribuna do Ceará em Ceará

19 de dezembro de 2018 às 15:52

Há 1 mês
As investigações começaram há cerca de 6 meses (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

As investigações começaram há cerca de 6 meses (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

O secretário de articulação política da cidade de Pacatuba, no interior do Ceará, foi preso suspeito de integrar quadrilha que trabalhava com esquema de lavagem de dinheiro, agiotagem e sonegação fiscal.

Segundo a polícia, Antônio Fábio da Silva Araújo, de 41 anos, conhecido como Bim Araújo, seria o responsável por comandar a quadrilha. A prisão aconteceu na sexta-feira (14).

As investigações começaram há cerca de seis meses. Sete pessoas foram presas.

Em oito anos, de 2008 a 2016, o patrimônio de Antônio Fábio chegou a crescer 2.000%. A polícia acredita que sua função na prefeitura facilitava as ações criminosas e que a quadrilha tenha cerca de 90 imóveis.

A operação foi intitulada de “Proprietarius” e terminou com a apreensão de 51 imóveis e 52 veículos, incluindo dois automóveis de luxo, além de cinco contas bancárias bloqueadas. Também foram apreendidos 63 cadernos que mostravam a rota de agiotagem.

Ainda foi informado pela polícia que, de 2015 até agosto deste ano, a quadrilha movimentou cerca de R$ 23 milhões. Durante o interrogatório, ele confirmou a existência do esquema e dos imóveis bloqueados pela justiça.

Dentre os imóveis confiscados estão casas, apartamentos, quitinetes, salas comerciais, terrenos em loteamentos, espaços para eventos, parque aquático, óticas, concessionária de motos, salão de beleza, prédio de igreja evangélica, autoescola e até um supermercado em construção, nos municípios de Pacatuba, Maracanaú, Fortaleza, Cascavel, Pindoretama e Russas.

A polícia tem o prazo de 30 dias para concluir as investigações para que a justiça decida se essas pessoas serão presas preventivamente. “Nós estamos aprofundando as investigações no intuito de visualizar outros crimes”.

O Tribuna do Ceará tentou entrar em contato com a Prefeitura de Pacatuba, mas as ligações não foram atendidas. Os e-mails enviados também não foram respondidos.

Publicidade

Dê sua opinião

LAVAGEM DE DINHEIRO

Secretário de Pacatuba é preso suspeito de integrar quadrilha que movimentou R$ 23 milhões

Antônio Fábio da Silva Araújo, conhecido como Bim, é suspeito de comandar um esquema de lavagem de dinheiro, agiotagem e sonegação fiscal

Por Tribuna do Ceará em Ceará

19 de dezembro de 2018 às 15:52

Há 1 mês
As investigações começaram há cerca de 6 meses (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

As investigações começaram há cerca de 6 meses (FOTO: Reprodução/ TV Jangadeiro)

O secretário de articulação política da cidade de Pacatuba, no interior do Ceará, foi preso suspeito de integrar quadrilha que trabalhava com esquema de lavagem de dinheiro, agiotagem e sonegação fiscal.

Segundo a polícia, Antônio Fábio da Silva Araújo, de 41 anos, conhecido como Bim Araújo, seria o responsável por comandar a quadrilha. A prisão aconteceu na sexta-feira (14).

As investigações começaram há cerca de seis meses. Sete pessoas foram presas.

Em oito anos, de 2008 a 2016, o patrimônio de Antônio Fábio chegou a crescer 2.000%. A polícia acredita que sua função na prefeitura facilitava as ações criminosas e que a quadrilha tenha cerca de 90 imóveis.

A operação foi intitulada de “Proprietarius” e terminou com a apreensão de 51 imóveis e 52 veículos, incluindo dois automóveis de luxo, além de cinco contas bancárias bloqueadas. Também foram apreendidos 63 cadernos que mostravam a rota de agiotagem.

Ainda foi informado pela polícia que, de 2015 até agosto deste ano, a quadrilha movimentou cerca de R$ 23 milhões. Durante o interrogatório, ele confirmou a existência do esquema e dos imóveis bloqueados pela justiça.

Dentre os imóveis confiscados estão casas, apartamentos, quitinetes, salas comerciais, terrenos em loteamentos, espaços para eventos, parque aquático, óticas, concessionária de motos, salão de beleza, prédio de igreja evangélica, autoescola e até um supermercado em construção, nos municípios de Pacatuba, Maracanaú, Fortaleza, Cascavel, Pindoretama e Russas.

A polícia tem o prazo de 30 dias para concluir as investigações para que a justiça decida se essas pessoas serão presas preventivamente. “Nós estamos aprofundando as investigações no intuito de visualizar outros crimes”.

O Tribuna do Ceará tentou entrar em contato com a Prefeitura de Pacatuba, mas as ligações não foram atendidas. Os e-mails enviados também não foram respondidos.